Satanás

Satanás, quando usada como um nome próprio, a palavra hebraica assim traduzida tem o artigo “o adversário” (Jó 1: 6-12; 2: 1-7). No Novo Testamento é usado como intercambiável com Diabolos, ou o diabo, e é usada mais de trinta vezes.

Ele também é chamado de “o dragão”, “a velha serpente” (Apoc. 12: 9; 20: 2); “o príncipe deste mundo” (Jo 12:31; 14:30); “o príncipe do poder do ar” (Ef 2: 2); “o deus deste mundo” (2Co 4: 4); “o espírito que agora opera nos filhos da desobediência” (Ef 2: 2). A personalidade distinta de Satanás e sua atividade entre os homens são, portanto, obviamente reconhecidas. Ele tentou Jesus no deserto (Mt 4: 1-11). Ele é “Belzebu, o príncipe dos demônios” (12:24). Ele é “o constante inimigo de Deus, de Cristo, do reino divino, dos seguidores de Cristo e de toda a verdade; cheio de falsidade e de toda malícia, e excitante e sedutor para o mal de todas as maneiras possíveis”. Seu poder é muito grande no mundo. Ele é um “leão que ruge, buscando a quem ele pode devorar” (1Pe 5: 8). Dizem que os homens são “levados cativos por ele” (2Tm 2:26). Os cristãos são advertidos contra seus “artifícios” (2Co 2:11) e chamados a “resistir” a ele (Tiago 4: 7). Cristo redime o seu povo “daquele que tinha o poder da morte, isto é, o diabo” (Hb 2:14). Satanás tem o “poder da morte”, não como senhor, mas simplesmente como executor.

Lúcifer por Gustave Doré (1832-1883)

Adaptado de: Illustrated Bible Dictionary