Juízes 18

Os danitas buscam uma herança e toma Laís

1 Naqueles dias não havia rei em Israel. E em aqueles dias a tribo de Dã buscava possessão para si de onde morasse, porque até então não lhe havia caído sorte entre as tribos de Israel por herança.

Comentário de Robert Jamieson

Naqueles dias…a tribo de Dã buscava possessão para si de onde morasse – os danitas tinham um território atribuído a eles, assim como as outras tribos. Mas ou por indolência ou falta de energia, eles não adquiriram a posse plena de seu lote, mas sofreram uma parte considerável dela para ser arrancada de suas mãos pelas invasões de seus poderosos vizinhos, os filisteus. Em consequência, sendo limitado por espaço, um número considerável resolveu tentar efetuar uma nova e adicional ocupação em uma parte remota da terra. Uma pequena delegação, sendo despachada para reconhecer o país, chegou ao seu progresso para o norte na residência de Micah. Reconhecendo seu padre como um de seus antigos conhecidos, ou talvez por seu dialeto provinciano, eles alistaram avidamente seus serviços para averiguar o resultado de sua atual expedição. Sua resposta, embora aparentemente promissora, era ilusória e tão ambígua quanto as dos oráculos pagãos. Esta aplicação traz ainda mais claramente e plenamente do que o cisma de Micah a degeneração lamentável dos tempos. Os danitas não expressaram nenhuma emoção nem de surpresa nem de indignação por um levita que ousasse assumir as funções sacerdotais e pela existência de um estabelecimento rival ao de Siló. Eles estavam prontos para buscar, por meio dos terafins, as informações que só poderiam ser legalmente aplicadas através do Urim do sumo sacerdote. Sendo assim igualmente errados em suas visões e hábitos como Mica, eles mostram o baixo estado de religião, e quanta superstição prevaleceu em todas as partes da terra. [JFB, aguardando revisão]

2 E os filhos de Dã enviaram de sua tribo cinco homens de seus termos, homens valentes, de Zorá e Estaol, para que reconhecessem e explorassem bem a terra; e disseram-lhes: Ide e reconhecei a terra. Estes vieram ao monte de Efraim, até a casa de Mica, e ali passaram a noite.

Comentário de Keil e Delitzsch

Para espionar e explorar a terra para o objeto mencionado, os danitas enviaram cinco bravos homens “de seus (os danitas) fins”, ou seja, de seu corpo inteiro (vid., 1Reis 12:31,33, e o comentário sobre Gênesis 19:4). Eles chegaram até as montanhas de Efraim, e até a casa de Mica, onde passaram a noite. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

3 E quando estavam próximos da casa de Mica, reconheceram a voz do jovem levita; e achegando-se ali, disseram-lhe: Quem te trouxe por aqui? e que fazes aqui? e que tens tu por aqui?

Comentário de Keil e Delitzsch

(3-6) Quando estavam na casa de Mica e reconheceram a voz do jovem Levita, ou seja, ouviram sua voz e perceberam através de seu dialeto que ele não era um nativo dessas montanhas, viraram ali de lado, isto é, da estrada para a casa, perto da qual descansaram, e lhe perguntaram: “Quem te trouxe para cá, e o que fazes aqui? o que tens a fazer aqui? Quando ele lhes contou sua história (“assim e assim”, iluminada de acordo com isto e aquilo; compare com 2 Samuel 11:25; 1 Reis 14:5), eles lhe disseram: “Pede a Deus, nós te rogamos, para que possamos aprender se nosso caminho será próspero”. בּאלהים שׁאל, usado para pedir a vontade de Deus, como nos Juízes 1:1, exceto que aqui o inquérito foi feito por meio da imitação do éfode e da adoração de uma imagem. E ele lhes disse, isto é, depois de fazer a investigação do oráculo divino, “Ide em paz; o vosso caminho é direito diante de Jeová”, ou seja, é conhecido e agradável para Ele (vid., Provérbios 5:21; Jeremias 17:16). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

4 E ele lhes respondeu: Desta e desta maneira fez comigo Mica, e me há tomado para que seja seu sacerdote.

Comentário de Keil e Delitzsch

(3-6) Quando estavam na casa de Mica e reconheceram a voz do jovem Levita, ou seja, ouviram sua voz e perceberam através de seu dialeto que ele não era um nativo dessas montanhas, viraram ali de lado, isto é, da estrada para a casa, perto da qual descansaram, e lhe perguntaram: “Quem te trouxe para cá, e o que fazes aqui? o que tens a fazer aqui? Quando ele lhes contou sua história (“assim e assim”, iluminada de acordo com isto e aquilo; compare com 2 Samuel 11:25; 1 Reis 14:5), eles lhe disseram: “Pede a Deus, nós te rogamos, para que possamos aprender se nosso caminho será próspero”. בּאלהים שׁאל, usado para pedir a vontade de Deus, como nos Juízes 1:1, exceto que aqui o inquérito foi feito por meio da imitação do éfode e da adoração de uma imagem. E ele lhes disse, isto é, depois de fazer a investigação do oráculo divino, “Ide em paz; o vosso caminho é direito diante de Jeová”, ou seja, é conhecido e agradável para Ele (vid., Provérbios 5:21; Jeremias 17:16). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

5 E eles lhe disseram: Pergunta, pois, agora a Deus, para que saibamos se há de prosperar nossa viajem que fazemos.

Comentário de Keil e Delitzsch

(3-6) Quando estavam na casa de Mica e reconheceram a voz do jovem Levita, ou seja, ouviram sua voz e perceberam através de seu dialeto que ele não era um nativo dessas montanhas, viraram ali de lado, isto é, da estrada para a casa, perto da qual descansaram, e lhe perguntaram: “Quem te trouxe para cá, e o que fazes aqui? o que tens a fazer aqui? Quando ele lhes contou sua história (“assim e assim”, iluminada de acordo com isto e aquilo; compare com 2 Samuel 11:25; 1 Reis 14:5), eles lhe disseram: “Pede a Deus, nós te rogamos, para que possamos aprender se nosso caminho será próspero”. בּאלהים שׁאל, usado para pedir a vontade de Deus, como nos Juízes 1:1, exceto que aqui o inquérito foi feito por meio da imitação do éfode e da adoração de uma imagem. E ele lhes disse, isto é, depois de fazer a investigação do oráculo divino, “Ide em paz; o vosso caminho é direito diante de Jeová”, ou seja, é conhecido e agradável para Ele (vid., Provérbios 5:21; Jeremias 17:16). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

6 E o sacerdote lhes respondeu: Ide em paz, que vosso viajem que fazeis é diante do SENHOR.

Comentário de Keil e Delitzsch

(3-6) Quando estavam na casa de Mica e reconheceram a voz do jovem Levita, ou seja, ouviram sua voz e perceberam através de seu dialeto que ele não era um nativo dessas montanhas, viraram ali de lado, isto é, da estrada para a casa, perto da qual descansaram, e lhe perguntaram: “Quem te trouxe para cá, e o que fazes aqui? o que tens a fazer aqui? Quando ele lhes contou sua história (“assim e assim”, iluminada de acordo com isto e aquilo; compare com 2 Samuel 11:25; 1 Reis 14:5), eles lhe disseram: “Pede a Deus, nós te rogamos, para que possamos aprender se nosso caminho será próspero”. בּאלהים שׁאל, usado para pedir a vontade de Deus, como nos Juízes 1:1, exceto que aqui o inquérito foi feito por meio da imitação do éfode e da adoração de uma imagem. E ele lhes disse, isto é, depois de fazer a investigação do oráculo divino, “Ide em paz; o vosso caminho é direito diante de Jeová”, ou seja, é conhecido e agradável para Ele (vid., Provérbios 5:21; Jeremias 17:16). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

7 Então aqueles cinco homens se partiram, e vieram a Laís: e viram que o povo que habitava nela estava seguro, ocioso e confiante, conforme o costume dos de Sidom; não havia ninguém naquela região que os perturbasse em coisa alguma; além disso, os sidônios estavam distantes, e não tinham negócios com ninguém.

Comentário de Robert Jamieson

Então aqueles cinco homens se partiram, e vieram a Laís – ou “Leshem” (Josué 19:47), supostamente para ter sido povoado por uma colônia de Zidonianos. O lugar era muito isolado – o solo rico em abundância e variedade de seus produtos, e os habitantes, seguindo as atividades pacíficas da agricultura, viviam em seu vale fértil e isolado, de acordo com o estilo de tranquilidade e segurança da Zidônia, felizes entre si. e mantendo pouca ou nenhuma comunicação com o resto do mundo. A descoberta deste paraíso do norte parecia, para deleite dos espiões dos danitas, uma realização da predição do sacerdote. Eles apressaram-se a informar seus irmãos do sul tanto sobre o valor do prêmio quanto sobre a facilidade com que poderiam ser suas presas. [JFB, aguardando revisão]

8 Voltando, pois, eles a seus irmãos em Zorá e Estaol, seus irmãos lhes disseram: Que há? e eles responderam:

Comentário de Keil e Delitzsch

(8-9) No retorno, os espiões disseram a seus concidadãos, em resposta à pergunta אתּם מה, “O que você conseguiu?”. “Para cima, vamos contra eles (os habitantes de Laish), pois a terra é muito boa, e vós estais em silêncio”, isto é, em pé inativo (1Reis 22:3; 2Reis 7:9). “Não sejais preguiçosos para ir (para prosseguir para lá), para vir e tomar posse da terra”! [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

9 Levantai-vos, subamos contra eles; porque nós exploramos a região, e vimos que é muito boa: e vós vos estais quietos? Não sejais preguiçosos em vos dispor em marcha para ir a possuir a terra.

Comentário de Keil e Delitzsch

(8-9) No retorno, os espiões disseram a seus concidadãos, em resposta à pergunta אתּם מה, “O que você conseguiu?”. “Para cima, vamos contra eles (os habitantes de Laish), pois a terra é muito boa, e vós estais em silêncio”, isto é, em pé inativo (1Reis 22:3; 2Reis 7:9). “Não sejais preguiçosos para ir (para prosseguir para lá), para vir e tomar posse da terra”! [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

10 Quando ali chegardes, vereis a uma gente segura, e a uma terra ampla; pois que Deus a entregou em vossas mãos; lugar de onde não falta de coisa que seja na terra.

vereis a uma gente segura (“um povo despreocupado”, NVI).

11 E partindo os de Dã dali, de Zorá e de Estaol, seiscentos homens armados de armas de guerra,

Comentário de Robert Jamieson

seiscentos homens – Este foi o número coletivo dos homens que foram equipados com armas para realizar este empreendimento expedicionário, sem incluir as famílias e móveis dos emigrantes (Juízes 18:21). Sua jornada os levou através do território de Judá, e seu primeiro lugar de parada foi “atrás”, isto é, a oeste de Quiriate-Jearim, em um lugar chamado “o acampamento de Dan”. Ao seguir a rota do norte, eles contornaram a base das colinas efraimitas. Ao se aproximarem do bairro da residência de Mica, os espiões tendo dado informações de que um santuário particular era mantido lá, o sacerdote dos quais prestaram um serviço importante quando em sua expedição de exploração, foi unanimemente concordado que tanto ele quanto os móveis da estabelecimento seria uma aquisição valiosa para o acordo proposto. Um plano de espoliação foi imediatamente formado. Enquanto os homens armados mantinham sentinelas nos portões, os cinco espias invadiram a capela, saquearam as imagens e vestimentas e conseguiram subornar o padre também com uma oferta tentadora de transferir seus serviços para sua nova colônia. Assumindo o éfode, os terafins e a imagem esculpida, ele “entrou no meio do povo” – uma posição central designada na marcha, talvez para sua segurança pessoal; mas mais provavelmente em imitação do lugar designado para os sacerdotes e a arca, no meio das tribos congregadas, nas marchas pelo deserto. Este roubo apresenta uma curiosa mistura de baixa moralidade e forte sentimento religioso. Os danitas exemplificaram um princípio profundamente enraizado de nossa natureza – de que os homens têm afeições religiosas, que devem ter um objeto sobre o qual possam ser exercidos, embora muitas vezes não sejam muito discriminadores na escolha dos objetos. Em proporção à influência esbelta que a religião exerce sobre o coração, maior é a importância atribuída aos ritos externos; e, na exata observância destes, a consciência é plenamente satisfeita e raramente ou nunca molestada por reflexões sobre a violação de morais menores. [JFB, aguardando revisão]

12 Foram e assentaram acampamento em Quriate-Jearim, em Judá; de onde aquele lugar foi chamado o campo de Dã, até hoje: está detrás de Quriate-Jearim.

Comentário de Keil e Delitzsch

(11-12) Remoção de Seis Cem Danitas para Laish – Roubo de Imagens de  Mica – Conquista de Laish, e Assentamento Ali. – Juízes 18:11-12. Em conseqüência do relato favorável dos espiões que retornaram, alguns danitas partiram de Zorea e Eshtaol, para o número de 600 homens, acossados com armas de guerra, com suas famílias e seus bens em gado e bens (ver Juízes 18:21), e acampados pelo caminho em Kirjath-jearim (isto é Kuriyet Enab; ver Josué 9:17), no território tribal de Judá, em um lugar que recebeu o nome permanente de Mahaneh Dan (acampamento de Dan) daquela circunstância, e estava situado atrás, ou seja, a oeste de Kirjath-jearim (ver Juízes 13:25). O fato de que esta localidade recebeu um nome permanente da circunstância descrita, nos obriga a supor que os danitas tinham acampado ali por um tempo considerável, por razões que não podemos determinar a partir de nossa falta de outras informações. É possível que os emigrantes tenham, antes de tudo, se reunido aqui, e se preparado e equipado para sua futura marcha. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

13 E passando dali ao monte de Efraim, vieram até a casa de Mica.

Comentário de Keil e Delitzsch

A partir deste ponto, eles atravessaram as montanhas de Efraim e chegaram à casa de Mica, ou seja, a um lugar próximo a ela. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Os danitas levam da casa de Mica a imagem e o levita

14 Então aqueles cinco homens que haviam ido a reconhecer a terra de Laís, disseram a seus irmãos: Não sabeis como em estas casas há éfode e ídolos, e imagem de escultura e de fundição? Olhai pois o que haveis de fazer.

Comentário de Keil e Delitzsch

Então os cinco homens que haviam explorado a terra, em outras palavras, Laish (Laish está em aposição a הארץ, a terra), disseram a seus irmãos (companheiros de tribo): “Sabei que nestas casas (a aldeia ou lugar onde Mica habitava) há um éfode e teraphim, e imagem e trabalho fundido (veja em Juízes 17:4-5)? e agora saibais o que ireis fazer”. O significado destas últimas palavras é muito fácil de explicar: não percam esta oportunidade de obter um culto próprio para nosso novo assentamento. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

15 E achegando-se ali, vieram à casa do jovem levita em casa de Mica, e perguntaram-lhe como estava.

Comentário de Keil e Delitzsch

Então eles voltaram da estrada para lá, e foram até a casa do jovem Levita, a casa de Mica, e lhe perguntaram (o Levita) sobre sua saúde, ou seja, o saudaram de forma amigável (ver Gênesis 43:27; Êxodo 18:7, etc.). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

16 E os seiscentos homens, que eram dos filhos de Dã, estavam armados de suas armas de guerra à entrada da porta.

Comentário de Keil e Delitzsch

Os 600 homens, no entanto, colocaram-se diante da porta. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

17 E subindo os cinco homens que haviam ido a reconhecer a terra, entraram ali, e tomaram a imagem de escultura, e o éfode, e os ídolos, e a imagem de fundição, enquanto o sacerdote estava à entrada da porta com os seiscentos homens armados

Comentário de Keil e Delitzsch

(17-19) Então os cinco espiões subiram, isto é, à casa de Deus de Mica, que deve ter estado em uma sala superior do edifício (ver 2 Reis 23:12; Jeremias 19:13), e levaram a imagem, éfode, etc., enquanto o sacerdote estava diante da porta com os 600 homens armados. Com as palavras וגו בּאוּ a narrativa passa do tempo aoristo ou histórico ויּעלוּ para o perfeito. “Os perfetos não denotam a vinda e tomada da parte dos cinco homens como uma continuação do relato anterior, mas colocam a vinda e tomada na mesma esfera de tempo a que pertence a cláusula seguinte, ‘e o sacerdote estava’, etc.” (Bertheau). Mas para explicar o que parece muito surpreendente, em outras palavras, que o sacerdote deveria ter ficado diante do portão enquanto sua casa de Deus estava sendo assaltada, o curso que o caso tomou é explicado mais claramente depois nos Juízes 18:18, Juízes 18:19, sob a forma de uma cláusula circunstancial. Consequentemente, os verbos nestes versículos devem ser apresentados como pluperfeitos, e as diferentes cláusulas compreendidas em um período, Juízes 18:18 formando a protasis, e Juízes 18:19 a apodose. “Nomeadamente, quando aqueles (cinco) homens entraram na casa de Mica, e tiraram a imagem do éfode, etc., e o sacerdote lhes disse: Que estais fazendo? eles lhe disseram: Calai-vos, ponde a mão sobre a boca e ide conosco, e tornai-vos pai e sacerdote para nós (ver Juízes 17:10). É melhor ser sacerdote para a casa de um único homem, ou para uma tribo e família em Israel”? A combinação האפוד פּסל (o éfod-pesel), ou seja, a imagem pertencente ao éfode, pode ser explicada no chão, que o uso do éfode como um meio de determinar a vontade de Deus pressupõe a existência de uma imagem de Jeová, e não prova que o éfode serviu como uma cobertura para o Pesel. O sacerdote colocou o éfode quando estava prestes a perguntar a Deus. O או na segunda pergunta é diferente de אם, e significa “ou melhor” (ver Gênesis 24:55), indicando uma melhoria em relação à primeira pergunta (ver Ewald, 352, a.). Consequentemente, não é um sinal de um uso posterior da fala, como Bertheau supõe. A palavra וּלמשׁפּחה (para uma família) serve como uma definição mais minuciosa ou limitação de לשׁבט (para uma tribo). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

18 Entrando, pois, aqueles na casa de Mica, tomaram a imagem de escultura, o éfode, e os ídolos, e a imagem de fundição. E o sacerdote lhes disse: Que fazeis vós?

Comentário de Keil e Delitzsch

(17-19) Então os cinco espiões subiram, isto é, à casa de Deus de Mica, que deve ter estado em uma sala superior do edifício (ver 2 Reis 23:12; Jeremias 19:13), e levaram a imagem, éfode, etc., enquanto o sacerdote estava diante da porta com os 600 homens armados. Com as palavras וגו בּאוּ a narrativa passa do tempo aoristo ou histórico ויּעלוּ para o perfeito. “Os perfetos não denotam a vinda e tomada da parte dos cinco homens como uma continuação do relato anterior, mas colocam a vinda e tomada na mesma esfera de tempo a que pertence a cláusula seguinte, ‘e o sacerdote estava’, etc.” (Bertheau). Mas para explicar o que parece muito surpreendente, em outras palavras, que o sacerdote deveria ter ficado diante do portão enquanto sua casa de Deus estava sendo assaltada, o curso que o caso tomou é explicado mais claramente depois nos Juízes 18:18, Juízes 18:19, sob a forma de uma cláusula circunstancial. Consequentemente, os verbos nestes versículos devem ser apresentados como pluperfeitos, e as diferentes cláusulas compreendidas em um período, Juízes 18:18 formando a protasis, e Juízes 18:19 a apodose. “Nomeadamente, quando aqueles (cinco) homens entraram na casa de Mica, e tiraram a imagem do éfode, etc., e o sacerdote lhes disse: Que estais fazendo? eles lhe disseram: Calai-vos, ponde a mão sobre a boca e ide conosco, e tornai-vos pai e sacerdote para nós (ver Juízes 17:10). É melhor ser sacerdote para a casa de um único homem, ou para uma tribo e família em Israel”? A combinação האפוד פּסל (o éfod-pesel), ou seja, a imagem pertencente ao éfode, pode ser explicada no chão, que o uso do éfode como um meio de determinar a vontade de Deus pressupõe a existência de uma imagem de Jeová, e não prova que o éfode serviu como uma cobertura para o Pesel. O sacerdote colocou o éfode quando estava prestes a perguntar a Deus. O או na segunda pergunta é diferente de אם, e significa “ou melhor” (ver Gênesis 24:55), indicando uma melhoria em relação à primeira pergunta (ver Ewald, 352, a.). Consequentemente, não é um sinal de um uso posterior da fala, como Bertheau supõe. A palavra וּלמשׁפּחה (para uma família) serve como uma definição mais minuciosa ou limitação de לשׁבט (para uma tribo). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

19 E eles lhe responderam: Cala, põe a mão sobre tua boca, e vem conosco, para que sejas nosso pai e sacerdote. É melhor que tu sejas sacerdote em casa de um homem só, que de uma tribo e família de Israel?

Comentário de Keil e Delitzsch

(17-19) Então os cinco espiões subiram, isto é, à casa de Deus de Mica, que deve ter estado em uma sala superior do edifício (ver 2 Reis 23:12; Jeremias 19:13), e levaram a imagem, éfode, etc., enquanto o sacerdote estava diante da porta com os 600 homens armados. Com as palavras וגו בּאוּ a narrativa passa do tempo aoristo ou histórico ויּעלוּ para o perfeito. “Os perfetos não denotam a vinda e tomada da parte dos cinco homens como uma continuação do relato anterior, mas colocam a vinda e tomada na mesma esfera de tempo a que pertence a cláusula seguinte, ‘e o sacerdote estava’, etc.” (Bertheau). Mas para explicar o que parece muito surpreendente, em outras palavras, que o sacerdote deveria ter ficado diante do portão enquanto sua casa de Deus estava sendo assaltada, o curso que o caso tomou é explicado mais claramente depois nos Juízes 18:18, Juízes 18:19, sob a forma de uma cláusula circunstancial. Consequentemente, os verbos nestes versículos devem ser apresentados como pluperfeitos, e as diferentes cláusulas compreendidas em um período, Juízes 18:18 formando a protasis, e Juízes 18:19 a apodose. “Nomeadamente, quando aqueles (cinco) homens entraram na casa de Mica, e tiraram a imagem do éfode, etc., e o sacerdote lhes disse: Que estais fazendo? eles lhe disseram: Calai-vos, ponde a mão sobre a boca e ide conosco, e tornai-vos pai e sacerdote para nós (ver Juízes 17:10). É melhor ser sacerdote para a casa de um único homem, ou para uma tribo e família em Israel”? A combinação האפוד פּסל (o éfod-pesel), ou seja, a imagem pertencente ao éfode, pode ser explicada no chão, que o uso do éfode como um meio de determinar a vontade de Deus pressupõe a existência de uma imagem de Jeová, e não prova que o éfode serviu como uma cobertura para o Pesel. O sacerdote colocou o éfode quando estava prestes a perguntar a Deus. O או na segunda pergunta é diferente de אם, e significa “ou melhor” (ver Gênesis 24:55), indicando uma melhoria em relação à primeira pergunta (ver Ewald, 352, a.). Consequentemente, não é um sinal de um uso posterior da fala, como Bertheau supõe. A palavra וּלמשׁפּחה (para uma família) serve como uma definição mais minuciosa ou limitação de לשׁבט (para uma tribo). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

20 E alegrou-se o coração do sacerdote; o qual tomando o éfode e os ídolos, e a imagem, veio entre a gente.

Comentário de Keil e Delitzsch

Então o coração do sacerdote ficou feliz (alegre; compare com os Juízes 19:6, Juízes 19:9; Rute 3:7), e ele tomou o éfode, etc., e veio entre o povo (os danitas). A primeira cláusula deste versículo é anexada à declaração suplementar nos Juízes 18:18, Juízes 18:19, com o objetivo de vincular o progresso do caso, que é dado na segunda cláusula; pois, de acordo com os Juízes 18:17, o sacerdote só poderia receber o éfode, etc., em seu encargo das mãos dos danitas, uma vez que eles os haviam tirado da casa do Deus de Mica. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

21 E eles voltaram e foram-se; e puseram os meninos, e o gado e a bagagem, diante de si.

Comentário de Keil e Delitzsch

Os 600 danitas então partiram novamente na estrada e foram embora; e colocaram as crianças, o gado e os bens valiosos na frente, porque tinham medo de serem atacados por Mica e seu povo por trás. הטּף, “os pequenos”, inclui tanto mulheres quanto crianças, como os membros da família que precisavam de proteção (ver em Êxodo 12:37). כבוּדה é literalmente um adjetivo, significando esplêndido; mas aqui é um substantivo neutro: os objetos de valor, não a bagagem pesada. Os 600 homens haviam emigrado com suas famílias e seus bens. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

22 E quando já se haviam afastado da casa de Mica, os homens que habitavam nas casas vizinhas à casa de Mica, se juntaram, e seguiram aos filhos de Dã.

Comentário de Robert Jamieson

os homens que habitavam nas casas vizinhas à casa de Mica, se juntaram – Os ladrões da capela sendo logo detectados, uma perseguição foi iniciada imediatamente por Micah, à frente de um considerável corpo de seguidores. A prontidão com que se juntaram na tentativa de recuperar os artigos roubados permite presumir que as vantagens da capela foram abertas a todos na vizinhança; e a importância que Mica, como Labão, anexou aos seus terafins, é vista pela urgência com que ele perseguiu os ladrões, e pelo risco de sua vida em tentar obter sua restauração. Encontrando sua festa, no entanto, não era páreo para os danitas, ele achou prudente desistir, conhecendo bem a regra que prevalecia na terra, que “Eles deveriam levar quem tinha o poder, E eles deveriam manter quem pudesse. [JFB, aguardando revisão]

23 E gritando aos de Dã, estes viraram seus rostos, e disseram a Mica: Que tens que juntaste gente?

Comentário de Keil e Delitzsch

(22-23) As duas cláusulas dos Juízes 18:22 são cláusulas circunstanciais: “Quando eles (os 600) chegaram a alguma distância da casa de Mica, e os homens que estavam nas casas junto à casa de Mica foram chamados juntos, e ultrapassaram os danitas, eles (isto é, Mica e seu povo, que ele havia chamado do bairro para perseguir os emigrantes) chamaram os danitas; e eles viraram o rosto, e disseram a Mica: “O que é para ti (qual é o problema), que te reuniste? [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

24 E ele respondeu: Meus deuses que eu fiz, que levais juntamente com o sacerdote, e vos vades: que mais me resta? E a que propósito me dizeis: Que tens?

Comentário de Keil e Delitzsch

(24-25) E quando ele respondeu: “Vós tirastes os meus deuses que eu fiz, e o sacerdote, e partistes; o que há ainda para mim (o que eu deixei)? e como podeis dizer-me: O que é para ti? “ordenaram-lhe que se calasse, para que não perdesse sua vida: “Não se faça ouvir entre nós a tua voz, para que homens de disposição selvagem (נפשׁ מרי como em 2Samuel 17:8) não caiam sobre ti (vid, Juízes 15:12; Juízes 8:21, etc.), e não deves salvar tua vida e a de tua casa”, ou seja, deves trazer a morte sobre ti mesmo e tua família. O site ואספתּה também depende de פּן. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

25 E os filhos de Dã lhe disseram: Não grites atrás de nós, não seja que os de ânimo impetuoso vos acometam, e percas também tua vida, e a vida dos teus.

Comentário de Keil e Delitzsch

(24-25) E quando ele respondeu: “Vós tirastes os meus deuses que eu fiz, e o sacerdote, e partistes; o que há ainda para mim (o que eu deixei)? e como podeis dizer-me: O que é para ti? “ordenaram-lhe que se calasse, para que não perdesse sua vida: “Não se faça ouvir entre nós a tua voz, para que homens de disposição selvagem (נפשׁ מרי como em 2Samuel 17:8) não caiam sobre ti (vid, Juízes 15:12; Juízes 8:21, etc.), e não deves salvar tua vida e a de tua casa”, ou seja, deves trazer a morte sobre ti mesmo e tua família. O site ואספתּה também depende de פּן. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

26 E indo os filhos de Dã seu caminho, e vendo Mica que eram mais fortes que ele, voltou-se e regressou à sua casa.

Comentário de Keil e Delitzsch

Então os danitas seguiram seu caminho; mas Mica, vendo que eles eram mais fortes que ele, voltou para trás e voltou para casa.

[Keil e Delitzsch, aguardando revisão]
27 E eles levando as coisas que havia feito Mica, juntamente com o sacerdote que tinha, chegaram a Laís, ao povo tranquilo e seguro; e meteram-nos à espada, e abrasaram a cidade com fogo.

Comentário de Robert Jamieson

e abrasaram a cidade com fogo – “Estamos revoltados com esta incursão e massacre de um povo quieto e seguro. No entanto, se a concessão original de Canaã aos israelitas lhes deu a garantia de uma comissão divina e comando para este empreendimento, que santifica todos e legaliza tudo ”[Chalmers]. Este lugar parece ter sido uma dependência de Zidon, a distância que, no entanto, tornava impossível obter ajuda dali na súbita emergência. [JFB, aguardando revisão]

28 E não houve quem os defendesse, porque estavam longe de Sidom, e não tinham comércio com ninguém. E a cidade estava no vale que há em Bete-Reobe. Logo reedificaram a cidade, e habitaram nela.

Comentário de Keil e Delitzsch

(27-29) E eles (os danitas) haviam tomado o que Mica tinha feito, ou seja, seus ídolos e seu sacerdote, e caíram sobre Laish (על כּוא, para vir sobre uma pessoa, para cair sobre ele, como em Gênesis 34:25), um povo vivendo em silêncio e livre de cuidados (vid, Juízes 18:7), feriu-os com o fio da espada (veja em Gênesis 34:26), e queimou a cidade (compare com Josué 6:24), pois não tinha nenhum libertador em sua condição isolada (Juízes 18:28; compare com Juízes 18:7). Estava situada “no vale que se estende até Beth-rehob”. Este vale é a parte superior da planície Huleh, através da qual flui a fonte central do Jordão (Leddan), e pela qual Laish-Dan, o atual Tell el Kadi, ficou (veja em Josué 19:47). Beth-rehob é muito provavelmente o mesmo lugar que o Rehob mencionado em Números 13:21, e o Beth-rehob de 2Samuel 10:6, que lá é usado para designar uma parte da Síria, e para o qual Rehob é usado apenas nos Juízes 18:8. Robinson (Bibl. Res. pp. 371ff.) supõe que seja o castelo de Hunin ou Honin, no sudoeste de Tell el Kadi; mas isto dificilmente é correto (veja as observações sobre Números 13:21, Pent. p. 709). A cidade, que ficou em cinzas, foi depois reconstruída pelos danitas, e chamada Dan, a partir do nome do fundador de sua tribo; e as ruínas ainda estão para ser vistas, como já afirmado, na encosta sul do Tell el Kadi (ver Rob. Bibl. Res. pp. 391-2, e a comunicação em Josué 19:47). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

29 E chamaram o nome daquela cidade Dã, conforme ao nome de Dã seu pai, filho de Israel, bem que antes se chamava a cidade Laís.

Comentário de Robert Jamieson

E chamaram o nome daquela cidade Dã – Foi na extremidade norte da terra e, portanto, a origem da frase “de Daniel a Beer-Seba”. [JFB, aguardando revisão]

30 E os filhos de Dã levantaram para si imagem de escultura; e Jônatas, filho de Gérson, filho de Manassés, ele e seus filhos foram sacerdotes na tribo de Dã, até o dia do cativeiro desta terra.

Comentário de Robert Jamieson

Em Juízes 18:30 a leitura correta é “Moisés”, e não “Manasseh”. O nome “Manasseh” deveria ter sido introduzido por algum transcritor para evitar o escândalo de nomear o neto de Moisés, o grande legislador como fundador de uma religião idólatra.

E os filhos de Dã levantaram para si imagem de escultura – A distância deles afastou-os do resto dos israelitas, e sem dúvida isso, que era a sua desculpa por não irem a Siló, foi a causa da perpetuação da idolatria entre eles por muitas gerações. [JFB, aguardando revisão]

31 E levantaram para si a imagem de Mica, a qual ele havia feito, todo aquele tempo que a casa de Deus esteve em Siló.

Comentário de Keil e Delitzsch

(30-31) Estabelecimento do apreço pela imagem em Dan. – Após a reconstrução de Laish sob o nome de Dan, os danitas estabeleceram o pesel ou imagem de Jeová, que eles haviam levado consigo da casa de Deus de Mica. “E Jehonathan, o filho de Gershom, o filho de Moisés, ele e seus filhos foram sacerdotes da tribo dos danitas até o dia do cativeiro da terra”. Como os danitas haviam levado a Dan o levita que Mica havia contratado para seu culto particular com eles, e lhe haviam prometido o sacerdócio (Juízes 18:19 e Juízes 18:27), o Jehonatã dificilmente pode ser outro senão este levita. Ele era um filho de Gérson, o filho de Moisés (Êxodo 2:22; Êxodo 18:3; 1 Crônicas 23:14-15). Ao invés de בּן-משׁה, nosso texto Masorético tem בּן-מנשּׁה com um enforcamento נ. Com relação a esta leitura, o Talmud (Baba bathr.f. 109b) observa: “Era ele um filho de Gershom, ou não era antes um filho de Moisés? como está escrito, os filhos de Moisés eram Gershom e Eliezer (1 Crônicas 23:14), mas porque ele fez os feitos de Manassés (o idólatra filho de Ezequias, 2 Reis 21) a Escritura o atribui à família de Manassés”. Neste bar Rabbabar, Channa observa que “o profeta (isto é, o profeta de Manassés, 2 Reis 21) o designa à família de Manassés”, o autor de nosso livro) evitou estudiosamente chamar Gershom de filho de Moisés, porque teria sido ignominioso para Moisés ter tido um filho ímpio; mas ele o chama de filho de Manassés, elevando o n, entretanto, acima da linha, para mostrar que ele poderia ser inserido ou omitido, e que ele era filho de מנשּׁה (Manassés) ou משׁה (Moisés), – de Manassés por imitar sua impiedade, de Moisés por descendência” (compare com Buxtorfi Tiber. p. 171). Mais tarde Rabbins diz exatamente o mesmo. R. Tanchum chama a escritora Menasseh, com uma freira enforcada, uma סופרים תקּוּן, e fala de ben Mosheh como Kethibh, e ben Menasseh como Keri. Ben Mosheh é, portanto, sem dúvida, a leitura original, embora a outra leitura de ben Menasseh também seja muito antiga, como se encontra nos Targums e nas versões Syriac e Sept., embora alguns Codd. do lxx tenham a leitura uhiou’ Moou’see’ (vid., Kennic. dissert. gener. in V. T. 21).

(Nota: Estas duas leituras da lxx parecem estar fundidas no texto dado por Theodoret (quaest. xxvi.): Ἰωνάθαν γάρ φησίν υἱὸς Μανασσῆ, υἱοῦ Γερσὼμ υἱοῦ Μωσῆ)

Jerome também tem filii Moysi. Ao mesmo tempo, não decorre com certeza da leitura de ben Gershom que Jehonathan era na verdade um filho de Gershom, como ben freqüentemente denota um neto em tais relatos genealógicos, pais desconhecidos sendo passados adiante nas genealogias. Há muito pouca probabilidade de ele ter sido um filho, pela simples razão de que, se Jehonathan fosse a mesma pessoa que o sumo sacerdote de Mica – e não há motivo para duvidar disso – ele é descrito como נער nos Juízes 17:7; Juízes 18:3, Juízes 18:15, e portanto era de qualquer forma um jovem, enquanto que o filho de Gershom e neto de Moisés certamente teria ultrapassado a idade da juventude alguns anos após a morte de Josué. Este Jehonathan e seus filhos desempenharam as funções do sacerdócio em Dan הארץ גּלות עד-יום. Esta declaração é obscura. הארץ .eru גּלות dificilmente pode significar outra coisa que não seja levar o povo da terra ao exílio, ou seja, os habitantes de Dan e da vizinhança, pelo menos, já que גּלה é a expressão permanente para isso. A maioria dos comentaristas supõe a alusão a ser ao cativeiro assírio, ou principalmente ao levado pelo Tiglate-Pileser das tribos do norte de Israel, em outras palavras, a população de Gilead, Galiléia, e a tribo de Naftali, no meio da qual Laish-Dan estava situada (2 Reis 15:29). Mas a afirmação dos Juízes 18:31, “E eles lhes fizeram a imagem esculpida de Mica, que ele fez, todo o tempo em que a casa de Deus estava em Shiloh”, não é de forma alguma reconciliável com tal conclusão. Encontramos a casa de Deus, ou seja, o tabernáculo mosaico, que a congregação havia erigido em Siló nos dias de Josué (Josué 18:1), ainda ali no tempo de Eli e Samuel (1 Samuel 1:3, Juízes 3:21; Juízes 4:3); mas no tempo de Saul foi em Nob (1 Samuel 21:1-15), e durante o reinado de Davi em Gibeon (1 Crônicas 16:39; 1 Crônicas 21:29). Conseqüentemente, “a casa de Deus” só ficou em Shiloh até o reinado de Saul, e nunca mais foi levada para lá. Portanto, se a imagem de Mica, que os danitas estabeleceram em Dan, permaneceu lá enquanto a casa de Deus esteve em Shiloh, os filhos de Jônatas só podem ter estado lá até o tempo de Saul, e certamente não podem ter sido sacerdotes neste santuário em Dan até o tempo do cativeiro assírio.

(Nota: A impossibilidade de conciliar a afirmação sobre o tempo nos Juízes 18:31 com a idéia de que “o cativeiro da terra” se refere ao cativeiro assírio, é admitida até mesmo por Bleek (Einl. p. 349), que adota a conjectura de Houbigant, em outras palavras, הארון גּלות, “o levar da arca”).

Há também outros fatos históricos a serem considerados, que tornam a continuação desta adoração da imagem danita até o cativeiro assírio extremamente improvável, ou melhor, a impedem completamente. Mesmo que não devêssemos enfatizar o fato de que os israelitas sob o comando de Samuel deixaram os Baalins e Astartes de lado em conseqüência de seu apelo para que se voltassem para o Senhor (1 Samuel 7:4), é pouco credível que no tempo de Davi a adoração da imagem tivesse continuado em Dan ao lado da adoração legítima de Jeová que ele restaurou e organizou, e não deveria ter sido observada e reprimida por este rei, que levou a cabo repetidas guerras na parte norte de seu reino. Ainda mais incrível seria a continuação deste culto à imagem, depois da ereção do templo de Salomão, quando todos os homens de Israel, e todos os anciãos e chefes de tribos, vieram a Jerusalém, na convocação de Salomão, para celebrar a consagração deste esplêndido santuário nacional (1 Reis 5-7). Por último, a suposição de que a adoração da imagem estabelecida pelos danitas em Dan ainda continuava a existir, é totalmente inconciliável com o fato de que, quando Jeroboão estabeleceu o reino das dez tribos, mandou fazer dois bezerros de ouro como imagens de Jeová para os súditos de seu reino, e instalou um deles em Dan, e nomeou sacerdotes de toda a nação que não eram dos filhos de Levi. Se um culto à imagem de Jeová ainda tivesse existido em Dan, e conduzido por sacerdotes levíticos. Jeroboão certamente não teria estabelecido uma segunda adoração do mesmo tipo sob sacerdotes que não eram levíticos. Todas estas dificuldades impedem que expliquemos a expressão “o dia do cativeiro da terra”, como se referindo ao cativeiro assírio ou babilônico. Ela só pode se referir a algum evento que ocorreu nos últimos anos de Samuel, ou à primeira parte do reinado de Saul. David Kimchi e muitos outros interpretaram a expressão como relacionada ao transporte da arca pelos filisteus, para os quais as palavras מיּשׂראל כבוד גּלה são usadas em 1Samuel 4:21-22 (por exemplo, Hengstenberg, Beitr. vol. ii. pp. 153ff.; Hvernick, Einl. ii. 1, p. 109; O. v. Gerlach, e outros). Com o levar da arca do pacto, o tabernáculo perdeu seu significado como um santuário de Jeová. Aprendemos do Salmo 78:59-64 como os piedosos em Israel consideravam esse acontecimento. Eles não apenas o encaravam como uma expulsão do colar de Deus em Shiloh; mas no fato de que Jeová entregou seu poder e glória (isto é, a arca) ao cativeiro, eles discerniram uma rendição da nação ao poder total de seus inimigos que se assemelhava a uma expulsão para o cativeiro. Pois, à parte a descrição no Salmo 78,62-64, podemos inferir com certeza do relato da tirania que estes inimigos ainda exerciam sobre os israelitas no tempo de Saul (1Samuel 13,19-23), que, após esta vitória, os filisteus podem ter subjugado completamente os israelitas, e os tratado como prisioneiros. Podemos, portanto, afirmar com Hengstenberg, que “o autor via toda a terra como levada para o cativeiro em seu santuário, que se formou como se fosse seu núcleo e sua essência”. Se, no entanto, esta explicação figurativa de הארץ גּלות não deve ser aceita, não há objeção válida para concluir que as palavras se referem a algum evento com o qual não temos mais conhecimento, no qual a cidade de Dan foi conquistada pelos sírios vizinhos, e os habitantes levados ao cativeiro. Pois é bastante evidente pelo fato dos reis de Zoba serem mencionados, em 1Samuel 14:47, entre os diferentes inimigos de Israel contra os quais Saul levou a guerra, que os sírios também invadiram Israel no vínculo da supremacia filisteia, e levaram israelitas para fora das cidades e distritos conquistados. A adoração da imagem danita, no entanto, provavelmente foi suprimida e abolida quando Samuel purificou a terra e o povo da idolatria, após a arca ter sido trazida de volta pelos filisteus (1Samuel 2 ss.). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

<Juízes 17 Juízes 19>

Visão geral de Juízes

Em Juízes, “os Israelitas se afastam de Deus e enfrentam as consequências. Deus levanta juízes durante ciclos de rebelião, arrependimento e restauração”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (7 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro dos Juízes.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.