Rute 3

Rute deita-se aos pés de Boaz

1 E disse-lhe sua sogra Noemi: Filha minha, não tenho de buscar descanso a ti, para que fiques bem?

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-2) Como Noemi conjecturou, pelo favor que Boaz havia mostrado a Rute, para que ele não se recusasse a desposá-la como gol, ela disse à nora: “Minha filha, devo buscar descanso para você, para que possa fique bem contigo”. Na pergunta אבקּשׁ הלא, a palavra הלא é aqui, como sempre, uma expressão de admissão geral ou de certeza indubitável, no sentido de “Não é verdade, eu procuro por ti? é meu dever procurar por ti”. מנוח é igual a מנוּחה (Rute 1:9) significa a condição de uma vida pacífica, uma condição pacífica e bem segura, “uma vida segura sob os cuidados guardiões de um marido” (Rosenmller). “E agora não é Boaz nosso parente, com cujas donzelas você era? Eis que ele está joeirando a cevada (cevada na eira) esta noite”, ou seja, até tarde da noite, para aproveitar o frescor vento, que sobe ao entardecer (Gênesis 3:8), com o propósito de limpar o milho. As eiras dos israelitas eram, e ainda são na Palestina, feitas sob o céu aberto, e nada mais eram do que lugares planos no campo marcados com bastante força. (Nota: “Um ponto nivelado é selecionado para as eiras, que são então construídas próximas umas das outras, de forma circular, talvez cinquenta pés de diâmetro, simplesmente batendo na terra com força” – Robinson, Pal. ii. página 277.) [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

2 Não é Boaz nosso parente, com cujas moças tu tens estado? Eis que ele aventa esta noite a os grãos de cevada.

Comentário de Robert Jamieson

Esta noite ele estará limpando cevada na eira – O processo de peneirar é realizado jogando-se o grão, depois de ser pisado, contra o vento com uma pá. A eira, comum no campo de colheita, foi cuidadosamente nivelada com um grande rolo cilíndrico e consolidada com giz, para que as ervas daninhas não saltassem e que não cortasse com a seca. O fazendeiro geralmente ficava a noite toda na época da colheita na eira, não apenas pela proteção de seu valioso grão, mas também pela peneiração. Essa operação foi realizada à noite para pegar as brisas que sopram após o final de um dia quente, e que continuam durante a maior parte da noite. Este dever em tão importante temporada o mestre se compromete; e, consequentemente, na simplicidade das maneiras antigas, Boaz, uma pessoa de considerável riqueza e alta categoria, se deitou no chão do celeiro, no final do monte de cevada que ele estivera joeirando. [JFB, aguardando revisão]

3 Tu te lavarás, pois, e te ungirás, e vestindo-te tuas vestes, passarás à eira; mas não te darás a conhecer ao homem até que ele tenha acabado de comer e de beber.

Comentário de Keil e Delitzsch

(3-4) “Lava-te e unge-te (סכתּ, de סוּך é igual a נסך), e veste as tuas roupas (as tuas melhores roupas), e desce (de Belém, que ficava no cume de uma colina) para a eira; não te deixes ser notado pelo homem (Boaz) até que ele tenha acabado de comer e beber. E quando ele se deitar, marque o lugar onde ele vai dormir, e vá (quando ele adormecer) e descubra o lugar de seus pés, e deite-se descer; e ele te dirá o que deves fazer”. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

4 E quando ele se deitar, repara tu o lugar de onde ele se deitará, e irás, e descobrirás os pés, e te deitarás ali; e ele te dirá o que tenhas de fazer.

Comentário de Robert Jamieson

Então vá, descubra os pés dele e deite-se – Singular como estas direções podem nos parecer, não havia impropriedade nelas, de acordo com a simplicidade das maneiras rurais em Belém. Em circunstâncias comuns, estes teriam parecido indecorosos para o mundo; mas no caso de Rute, era um método, sem dúvida compatível com o uso prevalecente, de lembrar a Boaz o dever que lhe cabia como parente de seu falecido marido. Boaz provavelmente dormiu em cima de uma esteira ou pele; Ruth estava cruzada a seus pés – uma posição na qual os servos orientais frequentemente dormem na mesma câmara ou tenda com seu mestre; e se eles querem uma cobertura, o costume permite que eles se beneficiem de parte da cobertura na cama do mestre. Descansando, como os orientais fazem à noite, nas mesmas roupas que usam durante o dia, não havia indiferença em um estranho, ou mesmo em uma mulher, colocando a extremidade dessa cobertura sobre ela. [JFB, aguardando revisão]

5 E lhe respondeu: Farei tudo o que tu me mandares.

Comentário de Keil e Delitzsch

Ruth prometeu fazer isso. O אלי, que os masoritas acrescentaram ao texto como Keri non scriptum, é bastante desnecessário. Do relato que se segue do cumprimento do conselho dado a ela, aprendemos que Noemi havia instruído Rute a pedir a Boaz que se casasse com ela como seu redentor (compare com Rute 3: 9). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

6 Desceu, pois à eira, e fez tudo o que sua sogra lhe havia mandado.

Comentário de Keil e Delitzsch

(6-7) Rute foi de acordo com a eira e fez como sua sogra havia ordenado; isto é, ela notou onde Boaz foi se deitar para dormir, e então, quando ele comeu e bebeu, e se deitou alegremente, no final da pilha de feixes ou milho, e, como podemos fornecer a partir do contexto, tinha adormecido, aproximou-se dele em silêncio, descobriu o lugar de seus pés, isto é, levantou a coberta sobre seus pés e deitou-se. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

7 E quando Boaz havia comido e bebido, e seu coração esteve contente, retirou-se para dormir a um lado do amontoado. Então ela veio caladamente, e revelou os pés, e deitou-se.

Comentário de Keil e Delitzsch

(6-7) Rute foi de acordo com a eira e fez como sua sogra havia ordenado; isto é, ela notou onde Boaz foi se deitar para dormir, e então, quando ele comeu e bebeu, e se deitou alegremente, no final da pilha de feixes ou milho, e, como podemos fornecer a partir do contexto, tinha adormecido, aproximou-se dele em silêncio, descobriu o lugar de seus pés, isto é, levantou a coberta sobre seus pés e deitou-se. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Boaz promete a Rute casa com ela

8 E aconteceu, que à meia noite se estremeceu aquele homem, e apalpou: e eis que, a mulher que estava deitada a seus pés.

Comentário de Keil e Delitzsch

Por volta da meia-noite o homem ficou assustado, ou seja, porque ao acordar ele observou que havia alguém deitado a seus pés; e ele “se inclinou” para frente, ou de um lado, para sentir quem estava deitado ali, “e eis que uma mulher estava deitada a seus pés”. מרגּלתיו é accus. loci. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

9 Então ele disse: Quem és? E ela respondeu: Eu sou Rute tua serva: estende a borda de tua capa sobre tua serva, porquanto és parente próximo.

Comentário de Robert Jamieson

Ela já tinha desenhado parte do manto sobre ela; e ela pediu a ele agora para fazer isso, que o ato pudesse se tornar seu. Espalhar uma saia sobre uma é, no Oriente, uma ação simbólica que denota proteção. Até hoje, em muitas partes do Oriente, dizer de alguém que ele colocou a saia sobre uma mulher é sinônimo de dizer que ele se casou com ela. [JFB, aguardando revisão]

10 E ele disse: Bendita sejas tu do SENHOR, filha minha; que fizeste melhor tua última bondade que a primeira, não indo atrás dos rapazes, sejam pobres ou ricos.

Comentário de Keil e Delitzsch

(10-14) Boaz elogiou sua conduta: “Bendita sejas tu do Senhor, minha filha (ver Rute 2:20); tu fizeste o teu amor posterior melhor do que o anterior, para que não tenhas ido atrás de moços, quer pobres, quer ricos.” amor anterior ou primeiro foi o amor que ela mostrou ao marido falecido e sua sogra (comp. Rute 2:11, onde Boaz elogia esse amor); o amor posterior que ela demonstrou no fato de que, como uma jovem viúva, ela não procurou ganhar a afeição dos rapazes, como as moças geralmente fazem, para que ela pudesse ter um marido jovem, mas se voltou com confiança para o homem mais velho, para que ele pudesse encontrar um sucessor para seu falecido marido, através de um casamento com ele, de acordo com o costume da família (vid., Rute 4:10). “E agora”, acrescentou Boaz (Rute 3:11), “minha filha, não temas; porque tudo o que dizes te farei: porque toda a porta do meu povo (isto é, toda a minha cidade, toda a população de Belém, que entra e sai pelo portão: veja Gênesis 34:24; Deuteronômio 17:2) sabe que você é uma mulher virtuosa”. Conseqüentemente, Boaz não viu nada de errado no fato de Rute ter vindo até ele, mas considerou seu pedido de que ele se casasse com ela como redentor perfeitamente natural e correto, e estava pronto para realizar seu desejo assim que as circunstâncias legalmente permitissem. Ele prometeu isso a ela (versículos 12, 13), dizendo: “E agora verdadeiramente sou um redentor, mas há um redentor mais próximo do que eu. Fique aqui esta noite (ou como se lê no final do v. 13, ‘mentira até a manhã’), e pela manhã, se ele te resgatar, bem, que ele resgate; mas se ele não quiser remir-te, eu te remirei, tão verdadeiramente quanto Jeová vive”. אם כּי (Kethibh, v. 12), após uma forte garantia, como após a fórmula usada em um juramento, “Deus faça assim comigo”, etc., 2Samuel 3:35; 2Samuel 15:21 (Kethibh), e 2 Reis 5:20, deve ser explicado a partir do uso desta partícula no sentido de nisi, exceto que, igual apenas: “somente eu sou redentor”, equivalente a, seguramente eu sou redentor (compare com Ewald, 356, b.). Conseqüentemente, não há razão alguma para remover o אם do texto, como os masoritas fizeram (no Keri).

(Nota: O que o ל maju isto é, em ליני significa, é incerto. De acordo com o Masora menor, ele só foi encontrado entre os judeus orientais (isto é, palestinos). Conseqüentemente, Hiller (em seu Arcanum Keri et Ctibh, p. 163). ) conjectura que eles o usaram para apontar uma leitura variada, em outras palavras, que לנּי deveria ser a leitura aqui. Mas isso dificilmente está correto.)

Ruth deveria ficar deitada até de manhã, porque ela não poderia retornar facilmente à cidade no escuro à meia-noite; mas, como é mostrado em Rute 3:14, ela não ficou até o raiar do dia, mas “antes que alguém pudesse conhecer outro, ela se levantou, e ele disse (ou seja, como Boaz havia dito): Não se deve saber que o mulher veio à eira”. Pois isso teria ferido a reputação não apenas de Rute, mas também do próprio Boaz. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

11 Agora, pois, não temas, filha minha: eu farei contigo o que tu disseres, pois que toda a porta de meu povo sabe que és mulher virtuosa.

Comentário de Cassel e Steenstra

Agora, pois, não temas, filha minha. Tremendo de excitação, Ruth tinha feito o que lhe havia sido indicado; e na escuridão da noite, os tons trêmulos de sua voz haviam informado Boaz de sua ansiedade. O que ele havia dito até então, não continha nenhuma decisão, mas apenas elogios. Ela, entretanto, treme pela resposta à sua prece, da qual tanto dependia. Por isso, ele diz, dirigindo-se novamente a ela pelo gentil nome de filha, “não temais”. Como acima ele invocou sobre ela, em nome de Jeová, uma recompensa completa, porque, guiada pelo amor a Israel, ela veio com confiança para refugiar-se sob as asas do Deus de Israel, de modo que ele não negará a ela que veio a si mesma para pedir a proteção de seu “lugar de descanso”. Sua nacionalidade moabita não pode oferecer nenhum obstáculo, já que ele já a recomendou à bênção de Jeová. Ela não demonstrou nenhuma moral moabita. Não existe qualquer fundamento para negar-lhe os direitos de Israel.

pois que toda a porta de meu povo sabe que és mulher virtuosa. Nas palavras “meu povo”, ele indica a única razão na qual uma recusa poderia se basear. Mas não há nenhum israelita entre nós em Belém, que não saiba quão bom você é. Tudo o que você tem o direito de reivindicar, pode ser feito sem hesitação por você, pois você é amado por todos. [Lange, aguardando revisão]

12 E agora, ainda que seja certo que eu sou parente próximo, contudo isso há parente mais próximo que eu.

Comentário de Cassel e Steenstra

contudo isso há parente mais próximo que eu. Essas palavras nos ensinam que o que Rute exigia era um direito objetivo real, que pertencia a ela. Embora Boaz talvez tenha presumido que, além da consideração de seu direito, ela solicitou com especial confiança a si mesmo o benefício desejado, ele modestamente e ponderadamente decide apenas sobre a questão de seu direito formal. Seu procedimento recebe sua justificação incontestável apenas quando, deixando de lado toda inclinação pessoal, trata simplesmente da questão do direito. Tua reivindicação, diz ele, não pode ser contestada; mas não sou eu quem deve ser dirigido em primeiro lugar. Há outro, que está mais próximo de Elimeleque. Mas ele não a deixa em dúvida por um momento, se isso não é uma desculpa para recusar sua petição. Se essa outra pessoa provar não ser capaz de cumprir seu dever, então ele mesmo o fará. Isso ele confirma com um juramento do Deus vivo. Nem será obrigada a repetir o procedimento desta noite. Um coração nobre e feminino — eis o que implica sua ternura — não se atreve a empreender tal missão mais de uma vez. Ele mesmo vai processar o caso. O ato simbólico com o qual ela veio a ele, dirigiu-se não tanto a ele, individualmente, mas por meio dele a toda a família. Talvez ele soubesse muito bem que Noemi, por boas razões, havia enviado Rute para sua eira – que o outro parente não poderia agir como redentor; mas é melhor tanto para Rute quanto para ele mesmo que a devida consideração seja dada ao direito formal. [Lange, aguardando revisão]

13 Repousa esta noite, e quando for de dia, se ele te redimir, bem, redima-te; mas se ele não te quiser redimir, eu te redimirei, vive o SENHOR. Descansa, pois, até a manhã.

Comentário de G. A. Cooke

Repousa esta noite – como precaução contra os perigos da noite; veja Cântico de Salomão 5: 7. [Cooke, aguardando revisão]
14 E depois que repousou a seus pés até a manhã, levantou-se, antes que ninguém pudesse conhecer a outro. E ele disse: Não se saiba que tenha vindo mulher à eira.

Comentário de G. A. Cooke

E ele disse – ou seja, para si mesmo, ele pensou; ‘se eu disser’ em Rute 1:12 tem o mesmo significado. Seu pensamento mostrava consideração e bom senso. [Cooke, aguardando revisão]
15 Depois lhe disse: Aproxima o lenço que trazes sobre ti, e segura-o. E enquanto ela o segurava, ele mediu seis medidas de cevada, e as pôs às costas: e veio ela à cidade.

Comentário de Robert Jamieson

Traga-me o manto que você está usando e segure-o – os véus orientais são grandes lençóis – os das senhoras são de seda vermelha; mas a classe mais pobre ou comum das mulheres as usa de linho azul, listrado de azul e branco ou algodão. Eles são enrolados em volta da cabeça, de modo a esconder todo o rosto, exceto um olho. [JFB, aguardando revisão]

16 Assim que veio à sua sogra, esta lhe disse: Que houve, minha filha? E ela lhe declarou ela tudo o que com aquele homem lhe havia acontecido.

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-18) Quando Rute voltou para casa, sua sogra lhe perguntou: “Quem és tu?” isto é, como que pessoa, em que circunstâncias você vem? O verdadeiro significado é: O que você realizou? Então ela relatou tudo o que o homem havia feito (compare com Rute 3:10-14), e que ele havia lhe dado seis medidas de cevada para sua mãe. Os masoritas forneceram אלי depois de אמר, como em Rute 3:5, mas sem qualquer necessidade. A sogra tirou disso a esperança de que Boaz certamente levaria a questão até o fim desejado. “Sente-se”, ou seja, fique quieto em casa (veja Gênesis 38:11), “até que você ouça como o caso acabou”, ou seja, se o redentor mais próximo mencionado por Boaz, ou o próprio Boaz, concederia a ela o casamento levirato . A expressão “queda”, nesse sentido, fundamenta-se na idéia da queda do lote por terra; é diferente em Esdras 7:20. “Pois o homem não descansará a menos que tenha levado o caso a um fim neste dia”. כּי־אם, exceto que, como em Levítico 22:6, etc. (veja Ewald, 356, b). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

17 E disse: Estas seis medidas de cevada me deu, dizendo-me: Porque não vás vazia à tua sogra.

Comentário de Robert Jamieson

seis medidas de cevada – em hebraico, “seis seahs”, uma seah continha cerca de dois galões e meio, seis dos quais devem ter sido uma carga bastante pesada para uma mulher. [JFB, aguardando revisão]

18 Então Noemi disse: 'Repousa, filha minha, até que saibas como a coisa se sucede; porque aquele homem não parará até que hoje conclua o negócio'.

Comentário Whedon

Repousa, filha minha. Fique quieta em casa.

até que saibas como a coisa se sucede. Quer aquele parente mais próximo te redima, quer ceda o seu direito a Boaz.

aquele homem não parará até que hoje conclua o negócio. As suas ações e o seu juramento (Rth 3:13) mostram que rapidamente tratará do assunto. [Whedon]

<Rute 2 Rute 4>

Introdução à Rute 3

Após a colheita, Noemi aconselhou Rute a visitar Boaz em certa noite e pedir-lhe que se casasse com ela como redentor (Rute 3:1-5). Rute seguiu este conselho, e Boaz prometeu cumprir seu pedido, desde que o redentor mais próximo que ainda estava vivo não cumprisse esse dever (Rute 3:6-13), e a despediu pela manhã com um presente de trigo, para que ela pode não voltar vazia para sua sogra (Rute 3:14-18). Para entender o conselho que Noemi deu a Rute, e que Rute executou, e de fato para formar uma idéia correta do curso posterior da história em geral, devemos ter em mente as relações jurídicas que foram consideradas aqui. De acordo com os direitos teocráticos, Jeová era o verdadeiro proprietário da terra que Ele havia dado ao Seu povo como herança; e os próprios israelitas tinham apenas o usufruto da terra que receberam por sorteio como herança, para que o possuidor existente não pudesse se separar da porção da família ou vendê-la à sua vontade, mas permaneceria para sempre em sua família. Quando alguém, portanto, era obrigado a vender sua herança por causa da pobreza, e realmente a vendeu, era dever do parente mais próximo resgatá-la como gol. Mas se não fosse resgatado, voltava, no ano seguinte do jubileu, ao seu proprietário original ou seus herdeiros sem compensação. Consequentemente, nenhuma venda real ocorreu em nosso sentido da palavra, mas simplesmente uma venda da produção anual até o ano do jubileu (veja Levítico 25:10, Levitico 25:13-16, Levítico 25:24-28). Havia também um antigo direito consuetudinário, que havia recebido a sanção de Deus, com certas limitações, através da lei mosaica – a saber, o costume do casamento levirato, ou o casamento de um cunhado, que encontramos tão cedo. como Gênesis 38, em outras palavras, que se um israelita casado morresse sem filhos, era dever de seu irmão casar-se com a viúva, isto é, com sua cunhada, para estabelecer o nome em Israel, gerando um filho por meio de sua cunhada, que deve tomar o nome do irmão falecido, para que seu nome não se extinga em Israel. Este filho era então o herdeiro legal da propriedade do tio falecido (compare com Deuteronômio 25: 5.). Essas duas instituições não estão conectadas na lei mosaica; no entanto, era uma coisa muito natural colocar o dever de levirato em conexão com o direito de redenção. E isso se tornou o costume tradicional. Considerando que a lei meramente impôs a obrigação de se casar com a viúva sem filhos ao irmão, e até mesmo permitiu que ele renunciasse à obrigação se ele tomasse sobre si a desgraça relacionada a tal recusa (veja Deuteronômio 25:7-10); de acordo com Rute 4:5 deste livro, tornou-se um costume tradicional exigir o casamento levirato do redentor da parte do parente falecido, não apenas para que a posse da terra pudesse ser mantida permanentemente na família, mas também para que a família em si não poderia morrer. No caso diante de nós, Elimeleque possuía uma porção em Belém, que Noemi havia vendido da pobreza (Rute 4:3); e Boaz, um parente de Elimeleque, era o redentor de quem Noemi esperava que ele cumprisse o dever de um redentor – ou seja, que ele não apenas resgataria o campo comprado, mas se casaria com sua nora Rute, a viúva de o herdeiro legítimo da posse de terra de Elimeleque, e assim através deste casamento estabelecer o nome de seu falecido marido ou filho (Elimelec ou Malom) em sua herança. Levada por essa esperança, aconselhou Rute a visitar Boaz, que se mostrara tão gentil e bem-disposto para com ela, durante a noite, e por uma espécie de artifício ousado, ao qual ela supôs que ele não resistiria, para induzi-lo como redentor para conceder a Rute este casamento levirato. A razão pela qual ela adotou esse plano para a realização de seus desejos, e não apelou diretamente a Boaz, ou lhe pediu para cumprir esse dever de afeição para com seu falecido marido, foi provavelmente porque ela temia não conseguir atingir seu objetivo. desta forma, em parte porque o dever de um casamento levirato não era legalmente obrigatório para o redentor, e em parte porque Boaz não estava tão intimamente relacionado com seu marido que ela poderia exigir isso dele com justiça, enquanto na verdade havia um redentor mais próximo do que ele. (Rute 3:12). De acordo com nossos costumes, de fato, esse ato de Noemi e Rute parece muito censurável do ponto de vista moral, mas não era assim quando julgado pelos costumes do povo de Israel naquela época. Boaz, que era um homem honrado e, de acordo com Rute 3:10, sem dúvida um pouco avançado em anos, elogiou Rute por ter se refugiado com ele e prometeu cumprir seus desejos quando ele se convenceu de que o redentor mais próximo renunciaria seu direito e dever (Rute 3:10-11). Como ele reconhece por essa mesma declaração, que sob certas circunstâncias seria seu dever como redentor se casar com Rute, ele não se ofendeu com a maneira pela qual ela se aproximou dele e propôs se tornar sua esposa. Pelo contrário, ele considerava como uma prova de virtude e modéstia feminina que ela não tivesse ido atrás de rapazes, mas se oferecido como esposa a um velho como ele. Essa conduta de Boaz é uma prova suficiente de que as mulheres podem ter confiança nele de que ele não faria nada impróprio. E ele justificou tal confiança. “O homem modesto”, como observa Bertheau, “mesmo no meio da noite não hesitou nem por um momento no que era seu dever fazer em relação à jovem donzela (ou melhor, mulher) por quem já se sentia tão fortemente ligado ; ele fez suas próprias inclinações pessoais subordinadas ao costume tradicional, e somente quando isso lhe permitiu se casar com Rute ele estava pronto para fazê-lo. ela e sua reputação, a fim de que ele pudesse entregá-la imaculada ao homem que tinha o direito indubitável de reivindicá-la como sua esposa”. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Visão geral de Rute

Em Rute, “uma família Israelita enfrenta a tragédia da perda e Deus usa a fidelidade de uma mulher não-israelita para restaurar a família de Davi”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Rute.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.