3 João 1

Saudações e elogio à Gaio

1 O ancião, ao amado Gaio, a quem amo em verdade.

O ancião (e não “o presbítero”, conforme algumas versões). O apóstolo João provavelmente se denomina assim por causa da sua elevada idade […] “O uso do termo nesta epístola indica que ele não pode ter entendido este título no sentido eclesiástico usual, como se ele fosse apenas um entre muitos presbíteros de uma comunidade. É evidente que o escritor pretendia com isso expressar a posição singular e elevada que ocupava, como o mestre respeitável por sua velhice e o último dos apóstolos” (Döllinger). [Plummer, 1896]

Gaio. Um nome muito comum entre os romanos. Entre os seguidores de Paulo havia um Gaio da Macedônia (Atos 19:29); um Gaio de Derbe, (Atos 20:4); e um Gaio de Corinto, em cuja casa Paulo provavelmente escreveu sua epístola aos romanos. Este Gaio está cerca de trinta e cinco ou quarenta anos mais tarde, e na Ásia Menor, estando a uma distância de visita do apóstolo João (3João 14). Ele não pode, portanto, ser provavelmente identificado com nenhum dos outros três. [Whedon, 1874]

2 Amado, desejo que você vá bem em todas as coisas e que tenha saúde, assim como está bem a tua alma.

Comentário de Albert Barnes

Amado, desejo que você vá bem em todas as coisas. A palavra usada aqui geralmente significa no Novo Testamento orar; mas também é empregado para expressar um desejo forte e sincero por qualquer coisa, Atos 27:29 ; Romanos 9:3; 2Coríntios 13:9. Isso é provavelmente tudo o que está implícito aqui. A frase traduzida “acima de todas as coisas” – περὶ πάντων peri pantōn – seria traduzida mais corretamente aqui “em relação a todas as coisas”; e a idéia é que João desejasse sinceramente que “em todos os aspectos” ele pudesse ter o mesmo tipo de prosperidade que sua alma tinha. A tradução comum “acima de todas as coisas” parece significar que João valorizava a saúde e a prosperidade externa mais do que qualquer outra coisa; que ele desejava isso mais do que sua utilidade ou salvação. Este não pode ser o significado e não é exigido pela interpretação adequada do original. Veja isso mostrado por Lucke, in loc. O sentido é: “Em todos os aspectos, desejo que seja tão bom com você quanto com sua alma; que em sua prosperidade mundana, seu conforto e sua saúde corporal, você possa ser tão próspero quanto em sua vida. religião”. Este é o inverso do desejo que comumente somos obrigados a expressar para nossos amigos; pois tal é geralmente a falta comparativa de prosperidade e avanço em seus interesses espirituais, que é uma expressão de benevolência desejar que eles possam prosperar nesse aspecto tanto quanto em outros.

que você vá bem. εὐοδοῦσθαι euodousthai. Esta palavra ocorre no Novo Testamento somente nos seguintes lugares: Romanos 1:10, proferido “tenha uma jornada próspera”; 1Coríntios 16:2, proferido “tenha prosperado”; e na passagem diante de nós. Significa, propriamente, “conduzir de uma boa maneira; prosperar a jornada”; e depois fazer prosperar; dar sucesso; ser próspero. Aplicar-se-ia aqui a qualquer plano ou propósito entretido. Incluiria sucesso nos negócios, felicidade nas relações domésticas, ou prosperidade em qualquer dos compromissos e transações em que um cristão pudesse legalmente se envolver. Mostra que é justo desejar que nossos amigos tenham sucesso no trabalho de suas mãos e em seus planos de vida.

e que tenha saúde. Desfrutar da saúde corporal. Não é necessário supor, para uma interpretação correta disto, que Gaius estava naquela época sofrendo de indisposição corporal, embora talvez seja mais natural supor que, como John torna o desejo de sua saúde tão proeminente. Mas é comum, em todas as circunstâncias, desejar a saúde e a prosperidade de nossos amigos; e é tão apropriado quanto comum, se não dermos a isso um grau de proeminência acima do bem-estar da alma.

assim como está bem a tua alma. João tinha aprendido, ao que parece, dos “irmãos” que tinham vindo até ele, 3João 1:3, que Gaio estava vivendo como cristão; que ele estava avançando no conhecimento da verdade, e era exemplar nos deveres da vida cristã; e ele reza para que em todos os outros aspectos ele pudesse prosperar tanto quanto ele estava nisso. Não é muito comum que um homem seja mais próspero em seus interesses espirituais do que em seus outros interesses, ou que nós possamos, em nossos desejos de bem-estar de nossos amigos, fazer da prosperidade da alma, e da prática e prazer da religião, o padrão de nossos desejos em relação a outras coisas. Argumenta um alto estado de piedade quando podemos, como expressão de nosso mais alto desejo pelo bem-estar de nossos amigos, expressar a esperança de que eles possam ser, em todos os aspectos, tão prósperos quanto em suas preocupações espirituais. [Barnes, aguardando revisão]

3 Pois muito me alegrei quando irmãos chegaram, e testemunharam da tua verdade, de como você anda na verdade.

muito me alegrei quando irmãos chegaram. Não se sabe com certeza quem eram estes “irmãos”. Podem ter sido membros da mesma igreja de Gaio, que, por algum motivo, visitaram o escritor desta carta; ou podem ter sido os “irmãos” que partiram dele com uma carta de recomendação para a igreja (3João 9), e foram rejeitados pela igreja por influência de Diótrefes, e que, após terem sido hospitaleiramente recebidos por Gaio, haviam retornado ao escritor desta carta. Nesse caso, eles certamente prestariam um testemunho honroso da bondade que haviam recebido de Gaio e de seu caráter cristão.

testemunharam da tua verdade – ou seja, testemunharam do teu compromisso com a verdade, apesar de existem muitos enganos e falsos mestres no mundo. [Barnes, 1870]

4 Não tenho maior alegria do que esta, a de ouvir que meus filhos andam na verdade.

meus filhos – espirituais; aqueles que estavam sobre o cuidado do apóstolo.

5 Amado, você procede fielmente em tudo o que faz aos irmãos, mesmo quando lhe são desconhecidos.

aos irmãos, mesmo quando lhe são desconhecidos – e não, aos irmãos, e para com os desconhecidos, como o contexto indica. “O fato de os irmãos que você hospedou lhes serem “desconhecidos” aumenta o amor manifestado no ato” (JFU, 1871).

6 Estes, diante da igreja, testemunharam do teu amor; aos quais, você agirá bem ao encaminha-los em sua jornada de um modo digno de Deus.

testemunharam do teu amor (compare com 3João 1:12Filemom 1:5-7).

7 Pois foi por causa do Nome dele que eles saíram, sem aceitar nada dos gentios.

Nome. O “Nome”, claro, significa o “Nome de Jesus Cristo”. Compare com Tiago 2:7. Este uso de “o Nome” é comum nos Pais Apostólicos (Inácio, Efésios III, VII; Filadelfos X; Clemente de Roma II, XIII). [Plummer, 1896]

sem aceitar nada dos gentios. O termo “gentio” abrangia todos os que não eram “judeus”, e é evidente que essas pessoas saíram especialmente para servirem entre os pagãos. Quando eles foram, eles resolveram, ao que parece, não receber parte de seu apoio deles, mas depender da ajuda de seus irmãos cristãos e, portanto, eles foram inicialmente recomendados à igreja da qual Gaio e Diótrefes eram membros , e nesta segunda jornada foram recomendados especialmente a Gaio. A razão pela qual eles decidiram não aceitar nada dos gentios não é expressa, mas foi sem dúvida por considerações prudenciais, para que não prejudicasse seu sucesso entre eles e os expusesse à acusação de serem movidos por um espírito mercenário. [Barnes, 1870]

8 Portanto, devemos acolher tais pessoas, para que sejamos cooperadores da verdade.

Comentário de Albert Barnes

Portanto, devemos acolher tais pessoas. Todos nós devemos hospitaleiramente receber e ajudar essas pessoas. O trabalho em que estão engajados é de pura benevolência. Eles não têm objetivos egoístas e terminam nele. Eles nem mesmo procuram o suprimento de suas próprias necessidades entre as pessoas a quem vão ministrar; e devemos, portanto, ajudá-los em seu trabalho e contribuir para o seu apoio. Sem dúvida, o apóstolo pretendia exortar esse dever particularmente a Gaio; mas, para mostrar que ele próprio reconheceu a obrigação, ele usa o termo “nós”, e fala disso como um dever obrigatório para todos os cristãos.

para que sejamos cooperadores da verdade. Todos os cristãos não podem sair para pregar o evangelho, mas todos podem contribuir com algo para sustentar aqueles que o fazem; e neste caso teriam uma participação conjunta no trabalho de divulgação da verdade. O mesmo raciocínio que era aplicável a esse caso também é aplicável agora em relação ao dever de apoiar aqueles que saem para pregar o evangelho aos necessitados. [Barnes, aguardando revisão]

9 Escrevi à igreja, porém Diótrefes, que gosta de ser o mais importante entre eles, não nos recebe.

O apóstolo João, provavelmente, havia escrito uma carta, que se perdeu, talvez destruída por Diótrefes, para a Igreja à qual Diótrefes pertencia. Que Diótrefes era bispo desta Igreja é conjectura, como também que ele se opôs aos enviados de João “porque eles estavam empenhados em levar o evangelho aos gentios, ele próprio sendo, sem dúvida, um judeu e judaizante”. Ele pode ter sido um leigo influente. Mas o contexto favorece a opinião de que ele era, pelo menos, um presbítero. Este demagogo eclesiástico é o tipo de todos os mestre vaidosos, ruidosos e presunçosos, que têm como principal objetivo conseguirem o que querem – um objetivo que eles realizam intimidando todos que divergem deles. Ninguém que pareça se opor à sua forma de agir é poupado. Até mesmo um apóstolo é censurado se ele aventurar-se a sustentar que a verdade pode ser mais ampla do que sua visão dela. Os ministros cristãos não devem se surpreender se às vezes forem tratados da mesma maneira. [Pulpit, 1895]

10 Por isso, se eu for, trarei à memória os seus feitos, falando contra nós com palavras maliciosas; e não satisfeito com isso, não recebe aos irmãos, proíbe aos que se dispõem a fazer, e os expulsa da igreja.

Comentário de Albert Barnes

Por isso, se eu for. Ele estava evidentemente esperando em breve fazer uma visita a Gaio e à igreja, 3João 1:14.

trarei à memória os seus feitos. Ou seja, ele puniria sua arrogância e presunção; tomaria medidas para que ele fosse tratado de maneira adequada. Não há nenhuma evidência de que isso seja dito com espírito vingativo ou vingativo, ou que o escritor tenha falado disso apenas como um assunto pessoal. De qualquer coisa que possa ser mostrada em contrário, se fosse apenas um assunto privado e pessoal, o assunto poderia ter sido abandonado e nunca mais mencionado. Mas o que havia sido feito era público. Referia-se à autoridade do apóstolo, ao dever da igreja e ao caráter dos irmãos que lhes haviam sido confiados. Se a carta foi escrita, como supõe o idoso João, e sua autoridade foi totalmente rejeitada pela influência desse único homem, então era apropriado que essa autoridade fosse afirmada. Se era dever da igreja receber esses homens, que assim lhes haviam sido recomendados, e ela havia sido impedida de fazer o que de outra forma teria feito, pela influência de um homem, então era apropriado que a influência desse homem deve ser restringido, e que a igreja deve ver que ele não deve controlá-lo. Se os sentimentos e o caráter desses irmãos foram prejudicados por serem rudemente expulsos da igreja e considerados indignos da confiança pública, então era apropriado que seu caráter fosse justificado e que o autor do erro fosse tratado de forma adequada. Ninguém pode mostrar que isso não era tudo o que o apóstolo se propôs a fazer, ou que quaisquer sentimentos de vingança privada entraram em seu propósito de lembrar o que Diótrefes havia feito; e a existência de tais sentimentos não deve ser imputada ao apóstolo sem prova. Não há mais razão para supor isso no caso dele do que havia no caso de Paulo, ao administrar disciplina na igreja de Corinto, 1Coríntios 5: 3-5, ou do que há em qualquer instância de administração de disciplina agora.

falando contra nós. A palavra “prate”, (φλυαρέω phluareō), não ocorrendo em nenhum outro lugar no Novo Testamento, significa “transbordar com conversa”, (grego φλύω phluō, latim: “fluo”, fluir;) falar muito sem peso, ou pouco propósito; ser loquaz; brincar; ou, para usar uma expressão comum entre nós, e que concorda bem com o grego, continuar falando, sem conexão ou sentido. A palavra não implica adequadamente que havia malignidade ou mal-estar no que foi dito, mas que a conversa era de caráter ocioso, tolo e inútil. Como João aqui, no entanto, especifica que havia um espírito ruim na maneira como Diótrefes se expressou, a coisa real que está implícita no uso da palavra aqui é que houve muita conversa desse tipo; que ele era viciado nesse hábito de “correr” contra o apóstolo; e que ele estava constantemente minando sua influência e ferindo seu caráter.

com palavras maliciosas. Grego, “palavras más”; palavras que foram ajustadas para causar dano.

e não satisfeito com isso. Não satisfeito em desabafar seus sentimentos particulares na conversa. Algumas pessoas parecem estar satisfeitas em meramente falar contra os outros, e não tomam outras medidas para prejudicá-los; mas Diótrefes não era. Ele mesmo rejeitou os irmãos e persuadiu a igreja a fazer a mesma coisa. Por mais ruim que seja falar mal, e por mais problemático que seja um homem que está sempre “falando” sobre assuntos que não vão de acordo com sua mente, ainda assim seria comparativamente bom se as coisas sempre terminassem assim, e se os loquazes e os insatisfeitos nunca tomou medidas abertamente para prejudicar os outros.

não recebe aos irmãos. Ele mesmo não os trata como irmãos cristãos, ou com a hospitalidade que lhes é devida. Ele não tinha feito isso na visita anterior, e John evidentemente supôs que a mesma coisa aconteceria novamente.

proíbe aos que se dispõem a fazer. A partir disso, fica claro que havia aqueles na igreja que estavam dispostos a recebê-los de maneira adequada; e de qualquer coisa que apareça, a igreja, como tal, estaria inclinada a fazê-lo, se não fosse pela influência deste homem.

e os expulsa da igreja. Compare Lucas 6:22. Foi feita uma pergunta se a referência aqui é aos membros da igreja que estavam dispostos a receber esses irmãos, ou aos próprios irmãos. Lucke, Macknight e alguns outros supõem que se refere àqueles da igreja que estavam dispostos a recebê-los e a quem Diótrefes excomungou por causa disso. Heumann, Carpzoviius, Rosenmuller, Bloomfield e outros supõem que se refere a esses estranhos e que o significado é que Diótrefes não os receberia na sociedade dos cristãos e, assim, os compeliu a ir para outro lugar. Que esta última seja a interpretação correta parece-me evidente, pois foi do tratamento que eles receberam que o apóstolo estava falando. [Barnes, aguardando revisão]

11 Amado, não imites o mal, mas sim o bem. Quem faz o bem é de Deus, mas quem faz o mal nunca viu Deus.

Quem faz o bem é de Deus. Aquele que faz o bem mostra que é parecido com Deus, pois Deus continuamente faz o bem. [Barnes, 1870]

12 Demétrio tem alcançado bom testemunho de todos, inclusive da própria verdade. Também nós damos testemunho, e você sabe que o nosso testemunho é verdadeiro.

Demétrio. Não sabemos a seu respeito mais do que é dito aqui. Tudo o que podemos inferir com segurança do que é afirmado é que ele é uma pessoa de quem Gaio não sabia muito até agora; caso contrário, este elaborado elogio dificilmente seria necessário. As conjecturas sobre ele são (1) que era o portador desta carta a Gaio, – o que não é improvável; (2) que era membro da mesma Igreja de Diótrefes e prestou um bom serviço ao se opor a ele – o que é possível; (3) que ele é o ourives de Ártemis (Atos 19:24), agora “pregando a fé que no passado procurava destruir” – o que é improvável. Naquele tempo este nome era comum.

Não é fácil determinar o significado da afirmação de que Demétrio “tem alcançado bom testemunho de todos, inclusive da própria verdade”. Talvez isso signifique que aqueles que testemunharam de Demétrio eram mais do que um expressivo grupo de testemunhas humanas unânimes; ao testemunharem, foram guiados pelo “Espírito da verdade’. Ou pode significar que os fatos falam por si mesmos: assim que Gaio conhecesse Demétrio, veria que seu amplo reconhecimento é justificado. [Pulpit, 1870]

13 Eu tinha muitas coisas para lhe escrever, porém não quero escrever com tinta e pena;

Comentário de Albert Plummer

com tinta e pena. Na Segunda Epístola tivemos ‘com papel e tinta’. A palavra para ‘pena’ (κάλαμος) ocorre neste sentido em nenhum outro lugar no Novo Testamento. Ela significa a cana, cálamo, comumente usada para esse propósito. Na Septuaginta do Salmo 44:2, ‘Minha língua é a pena de um escritor pronto’, a mesma palavra é usada; assim também em Mateus 11:7 e Apocalipse 11:1, mas no sentido de cana, não de pena. [Plummer, aguardando revisão]

14 espero ver você em breve, e falaremos face a face. 15 Paz seja contigo. Os amigos daqui te saúdam. Saúda os amigos daí, cada um por nome.

Saúda os amigos daí, cada um por nome – “como se seus nomes estivessem escritos” (Bengel). Como João conhecia a Igreja apenas por visitas ocasionais, e está escrevendo uma carta particular, ele envia saudações não à Igreja em geral, mas apenas aos amigos especiais que Gaio conhecia bem e a quem ele iria mostrar esta carta. [Whedon, 1874]

<2 João 1 Judas 1>

Introdução à 3 João

3 João (Terceira Epístola de João) é endereçada a Gaio, a Bíblia menciona três pessoas com este nome, um na Macedônia (Atos 19:29), outro em Corinto (Romanos 16:23) e outro em Derbe (Atos 20:4), por isso é incerto a qual destes esta carta foi endereçada. 3 João foi escrita com o propósito de recomendar à Gaio alguns cristãos que eram estrangeiros no lugar onde ele vivia, e que foram para lá com o propósito de pregar o evangelho (3João 1:7).

As Segunda e Terceira Epístolas de João provavelmente foram escritas logo após a Primeira, em Éfeso. [Easton, 1897]

Visão geral de 1, 2 e 3 João

Nas cartas de João, “o autor chama seguidores de Jesus a participarem da vida e amor de Deus, dedicando-se a amarem uns aos outros”. Para uma visão geral deste livro, assista ao breve vídeo abaixo produzido pelo BibleProject. (10 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – maio de 2021.