Gênesis 45

José revela a verdade a seus irmãos

1 Não podia já José se conter diante de todos os que estavam ao seu lado, e clamou:Fazei sair de minha presença a todos. E não ficou ninguém com ele, ao dar-se a conhecer José a seus irmãos.

Comentário de R. Jamieson

Não podia já José se conter – A severidade do inflexível magistrado aqui dá lugar aos sentimentos naturais do homem e do irmão. Por mais que ele disciplinasse sua mente, ele achava impossível resistir à impetuosa eloquência de Judá. Ele viu uma prova satisfatória, no retorno de todos os seus irmãos em tal ocasião, que eles estavam carinhosamente unidos um ao outro; ele ouvira o suficiente para convencê-lo de que o tempo, a reflexão ou a graça haviam feito uma melhora feliz em seus personagens; e ele provavelmente teria procedido de maneira calma e despreocupada para se revelar como a prudência poderia ter ditado. Mas quando ele ouviu o heróico auto-sacrifício de Judá [Gênesis 44:33] e percebeu todo o afeto dessa proposta – uma proposta para a qual ele estava totalmente despreparado – ele estava completamente não-tripulado; ele se sentiu forçado a acabar com esse doloroso julgamento.

e clamou:Fazei sair de minha presença a todos – Ao ordenar a partida de testemunhas desta última cena, ele agiu como um amigo caloroso e real para seus irmãos – sua conduta foi ditada por motivos da mais alta prudência – a de impedindo que suas primeiras iniquidades se tornassem conhecidas, tanto para os membros de sua casa, como entre o povo do Egito. [JFB, aguardando revisão]

2 Então se deu a chorar por voz em grito; e ouviram os egípcios, e ouviu também a casa de Faraó.

Comentário de R. Jamieson

Então se deu a chorar por voz em grito – Sem dúvida, da plenitude de sentimentos altamente excitados; mas entregar-se a veemente e prolongado transporte de soluços é a maneira usual de os orientais expressarem sua dor. [JFB, aguardando revisão]

3 E disse José a seus irmãos:Eu sou José:vive ainda meu pai? E seus irmãos não puderam lhe responder, porque estavam perturbados diante dele.

Comentário de R. Jamieson

Eu sou José – ou “aterrorizado com a sua presença”. As emoções que agora se elevavam em seus seios, assim como em seus irmãos – e perseguiam umas às outras em rápida sucessão – eram muitas e violentas. Ele estava agitado pela simpatia e alegria; ficaram atônitos, confusos, aterrorizados; e traiu seu terror, encolhendo o máximo que puderam de sua presença. Tão “perturbados” eram eles, que ele tinha que repetir seu anúncio de si mesmo; e que termos afetuosos ele usou. Ele falou de tê-lo vendido – não para ferir seus sentimentos, mas para convencê-los de sua identidade; e então, para tranquilizar suas mentes, ele traçou a ação de uma providência imperativa, em seu exílio e presente honra [Gênesis 35:5-7]. Não que ele desejasse que eles transferissem a responsabilidade de seu crime para Deus; não, seu único objetivo era encorajar sua confiança e induzi-los a confiar nos planos que ele havia formado para o futuro conforto de seu pai e de si mesmos. [JFB, aguardando revisão]

4 Então disse José a seus irmãos:Achegai-vos agora a mim. E eles se achegaram. E ele disse:Eu sou José vosso irmão o que vendestes para o Egito.

Comentário do Púlpito

Então disse José a seus irmãos:Achegai-vos agora a mim. É provável que eles tenham se encolhido instintivamente diante de sua presença ao saber do fato surpreendente de que ele era Joseph, mas se sentiram reconfortados pelo tom amável das palavras de Joseph.

E eles se achegaram. E ele disse:Eu sou José vosso irmão o que vendestes para o Egito. Era impossível escapar da alusão à sua iniquidade inicial, e isso José o faz com um espírito não de repreensão irada, mas de elevada piedade e terna caridade. [Pulpit, aguardando revisão]

5 Agora, pois, não vos entristeçais, nem vos pese de haver me vendido aqui; que para preservação de vida me enviou Deus diante de vós:

Comentário Whedon

me enviou Deus diante de vós. Quatro vezes ele repete este pensamento, que a mão de Deus havia dirigido em todo este assunto. Ele vê a maravilhosa Providência nisso agora, e deseja que todos vejam. [Whedon, Revisar]

6 Que já houve dois anos de fome em meio da terra, e ainda restam cinco anos em que nem haverá arada nem colheita.

Comentário de R. Jamieson

ainda restam cinco anos em que nem haverá arada nem colheita. Isso parece confirmar a visão dada (Gn 41:57) de que a fome foi causada por uma seca extraordinária, que impediu o transbordamento anual do Nilo e, claro, tornou a terra imprópria para receber a semente do Egito. [JFU, aguardando revisão]

7 E Deus me enviou adiante de vós, para que vós restásseis na terra, e para vos dar vida por meio de grande salvamento.

Comentário do Púlpito

E Deus (Elohim, cujo uso aqui e em Gênesis 45:5 em vez de Jeová é suficientemente explicado por lembrar que José simplesmente deseja apontar a providência soberana de Deus em seu transporte inicial para o Egito) me enviou adiante de vós, para que vós restásseis na terra (literalmente, para manter para você um remanescente na terra, ou seja, para preservar a família da extinção pela fome) e para vos dar vida por meio de grande salvamento – literalmente, para preservar a vida para você a um grande libertação, isto é, por um resgate providencial (Rosenmüller, Kalisch, Murphy, ‘Comentário do Orador’), que é melhor do que para uma grande nação ou posteridade, פְלֵיטָה sendo entendido, como em 2Sa 15:14; 2Rs 19:30, 2Rs 19:31, para significar um remanescente que escapou do massacre (Bohlen), uma interpretação que Rosenmüller considera admissível, mas Kalisch contesta. [Pulpit, aguardando revisão]

8 Assim, pois, não me enviastes vós aqui, mas sim Deus, que me pôs por pai de Faraó, e por senhor de toda sua casa, e por governador de toda a terra do Egito.

Comentário de R. Jamieson

que me pôs por pai de Faraó [‘aab] – pai do rei; seu vizir. [Então Haman é dito ser deuteros pater para Artaxerxes-Septuaginta, Esth. 3:20.] Compare também Atabek turco, i:e., Pai-príncipe, e Lala, pai, falado do vizir (Gesenius). Mas a expressão, conforme ilustrada pelo teor da história e pelo uso dos escritores inspirados (Jó 29:16; Salmos 68:6; Is 22:21), significa não apenas vizir, mas provedor, benfeitor. [JFU, aguardando revisão]

9 Apressai-vos, ide a meu pai e dizei-lhe:Assim diz teu filho José:Deus me pôs por senhor de todo Egito; vem a mim, não te detenhas:

Comentário Whedon

Apressai-vosnão te detenhas – A emoção de um amor filial que consome está nestas palavras. Quantos dias parecerão até que o filho e o pai se encontrem novamente! [Whedon, aguardando revisão]

10 E habitarás na terra de Gósen, e estarás perto de mim, tu e teus filhos, e os filhos de teus filhos, teus gados e tuas vacas, e tudo o que tens.

Comentário do Púlpito

Gósen, Γεσὲμ Αραβίας (LXX.), Era uma região a leste do ramo Pelusíaco do Nilo, estendendo-se até o deserto da Arábia, uma terra de pastagens (Gn 46:34), extremamente fértil (Gn 47:6 ), também denominaa a terra de Ramsés (Gn 47:11), e incluindo as cidades Pithon e Ramsés (Êxodo 1:11), e provavelmente também On, ou Heliópolis. [Pulpit, aguardando revisão]

11 E ali te alimentarei, pois ainda restam cinco anos de fome, para que não pereças de pobreza tu e tua casa, e tudo o que tens:

Comentário do Púlpito

para que não pereças de pobreza – literalmente, sejam roubados, de יָרַשׁ, para tomar posse (Keil) ou caiam na escravidão, ou seja, através da pobreza (Knobel, Lange). [Pulpit, aguardando revisão]

12 E eis que, vossos olhos veem, e os olhos de meu irmão Benjamim, que minha boca vos fala.

Comentário Whedon

Minha boca que fala com vocês – Isto é, Vedes que minha “boca está falando com vocês em nossa língua nativa. Antes disso, ele havia falado com eles na língua egípcia, por meio de um intérprete, mas agora, quando ele ‘fez com que todos os homens saíssem’ dele, para que pudesse abrir todo o seu coração para seus irmãos, ele clamou a eles em hebraico , ‘Eu sou José!’ Foi o som de sua língua nativa nesta terra de estrangeiros, dos lábios do grão-vizir do Egito, que fez retroceder os anos na memória dos irmãos mais do que qualquer coisa que ele disse” (Newhall). [Whedon, aguardando revisão]

13 Fareis pois saber a meu pai toda minha glória no Egito, e tudo o que vistes:e apressai-vos, e trazei a meu pai aqui.

Comentário do Púlpito

Fareis pois saber a meu pai toda minha glória (cf. Gn 31:1) no Egito, e tudo o que vistes:e apressai-vos, e trazei a meu pai aqui. Calvino pensa que José não teria feito tais promessas a seus irmãos sem ter previamente obtido o consentimento do Faraó, nisi regis permissu; mas isso não aparece na narrativa. [Pulpit, aguardando revisão]

14 E lançou-se sobre o pescoço de Benjamim seu irmão, e chorou; e também Benjamim chorou sobre seu pescoço.

Comentário de R. Jamieson

E lançou-se sobre o pescoço de Benjamim – A transição repentina de um criminoso condenado para um irmão acariciado, poderia ter ocasionado desmaios ou até a morte, se seus sentimentos tumultuosos não tivessem sido aliviados por uma torrente de lágrimas. Mas as atenções de José não se limitaram a Benjamim. Ele carinhosamente abraçou cada um de seus irmãos em sucessão; e por essas ações, seu perdão foi demonstrado mais plenamente do que poderia ser por palavras. [JFB, aguardando revisão]

15 E beijou a todos os seus irmãos, e chorou sobre eles:e depois seus irmãos falaram com ele.

Comentário do Púlpito

E beijou a todos os seus irmãos – “o selo de reconhecimento, de reconciliação e de saudação” (Lange) – e chorou sobre eles. Tem sido pensado que Benjamin se levantou quando Joseph o abraçou, e que os dois choraram no pescoço um do outro, mas que os irmãos se curvaram aos pés de Joseph, fazendo com que a expressão fosse “e ele chorou sobre eles” (Lange).

e depois seus irmãos falaram com ele – sentindo-se reconfortados por tais demonstrações de afeto. [Pulpit, aguardando revisão]

16 E ouviu-se a notícia na casa de Faraó, dizendo:Os irmãos de José vieram. E pareceu bem aos olhos de Faraó e de seus servos.

Comentário do Púlpito

E ouviu-se a notícia – literalmente, a voz, daí o rumor (cf. Jr 3:9) – na casa de Faraó (tendo sido trazida para lá, sem dúvida, por alguns dos oficiais da Corte), dizendo:Os irmãos de José – é provável que eles iria chamá-lo de Zaphnath-paaneah (cf. Gn 41:45) vieram (isto é, chegaram ao Egito) E pareceu bem aos olhos de Faraó e de seus servos – literalmente, era bom aos olhos do Faraó e aos olhos de seus servos (cf. Gn 41.37). A LXX. render ἐχάρη δὲ Φαραὼ; a Vulgata, gavisus est Pharao, ou seja, o Faraó ficou feliz. [Pulpit, aguardando revisão]

17 E disse Faraó a José:Dize a teus irmãos:Fazei isto:carregai vossos animais, e ide, voltai à terra de Canaã;

Comentário de R. Jamieson

E disse Faraó a José:Dize a teus irmãos – Assim como José poderia ter sido impedido por delicadeza, o próprio rei convidou o patriarca e toda a sua família a emigrar para o Egito; e ele fez os arranjos mais liberais para a sua remoção e seu posterior assentamento. Mostra o caráter desse faraó em vantagem, que ele foi tão gentil com os parentes de José; mas de fato a maior liberalidade que ele poderia mostrar jamais poderia recompensar os serviços de tão grande benfeitor de seu reino. [JFB, aguardando revisão]

18 E tomai a vosso pai e vossas famílias, e vinde a mim, que eu vos darei o bom da terra do Egito e comereis a gordura da terra.

Comentário do Púlpito

E tomai a vosso pai e vossas famílias, e vinde a mim. Este pode ter sido um convite independente feito pelo rei egípcio aos parentes de José; mas é mais do que provável que José já lhe tivesse contado a proposta que fizera aos seus irmãos, e que aqui receba uma confirmação real da mesma).

que eu vos darei o bom da terra do Egito, ou seja, a melhor parte da terra, viz; Goshen (Rosenmüller, Lange e outros); embora a frase seja provavelmente sinônima com a que se segue – e comereis a gordura da terra. A gordura da terra significava a porção mais rica e fértil dela (Lunge, Kalisch), ou a melhor e mais seleta de suas produções (Gesenius, Keil). Cf. Deu 32:14; Salmo 147:14. [Pulpit, aguardando revisão]

19 E tu manda:Fazei isto:tomai para vós da terra do Egito carros para vossos filhos e vossas mulheres; e tomai a vosso pai, e vinde.

Comentário de R. Jamieson

vossos filhos [lªTapªkem] – usado coletivamente para meninos e meninas, e às vezes para descrever uma família inteira (veja a nota em Gn 47:12). [JFU, aguardando revisão]

20 E não se vos dê nada de vossos pertences, porque o bem da terra do Egito será vosso.

Comentário do Púlpito

E não se vos dê nada de vossos pertences – literalmente, e seus olhos não devem (isto é, não os deixe) chorar por seus utensílios (isto é, artigos de mobília doméstica), embora você deva exigir que os deixe para trás (LXX; Rosenmüller, Keil, Kalisch, Lange, et alii). A tradução da Vulgata, nee dimittatis quicquid de supellectili vestra, transmite um significado exatamente o oposto do verdadeiro, que é assim corretamente expresso por Dathius:Nec aegre ferrent jacturam supellectilis suet. [Pulpit, aguardando revisão]

21 E fizeram-no assim os filhos de Israel:e deu-lhes José carros conforme a ordem de Faraó, e deu alimentos para o caminho.

Comentário de R. Jamieson

e deu-lhes José carros – que devem ter sido novidades na Palestina; para carruagens de rodas eram quase desconhecidas lá. [JFB, aguardando revisão]

22 A cada um de todos eles deu mudas de roupas, e a Benjamim deu trezentas peças de prata, e cinco mudas de roupas.

Comentário de R. Jamieson

mudas de roupas – Era e é costume, com grandes homens, dar a seus amigos vestidos de distinção, e em lugares onde eles são da mesma descrição e qualidade, o valor destes presentes consiste em seu número. O grande número dado a Benjamin revelou o calor do apego de seu irmão a ele; e José sentiu, pelo temperamento amistoso que agora demonstravam, que poderia, com perfeita segurança, satisfazer essa parcialidade afetuosa pelo filho de sua mãe. [JFB, aguardando revisão]

23 E a seu pai enviou isto:dez asnos carregados do melhor do Egito, e dez asnas carregadas de trigo, e pão e comida, para seu pai no caminho.

Comentário de R. Jamieson

E a seu pai enviou isto – uma provisão de tudo o que poderia contribuir para seu apoio e conforto – a grande e liberal escala na qual aquela provisão foi dada, como as cinco bagunças de Benjamin, como um sinal de seu amor filial [ver em Gênesis 43:34]. [JFB, aguardando revisão]

24 E despediu a seus irmãos, e foram-se. E ele lhes disse:Não brigais pelo caminho.

Comentário de R. Jamieson

E despediu a seus irmãos – Ao dispensá-los em sua jornada de volta para casa, ele lhes deu esta admoestação particular:

Não brigais pelo caminho – uma precaução que seria grandemente necessária; pois não somente durante a jornada eles estariam ocupados em recordar as partes que tiveram, respectivamente, nos eventos que levaram José a ser vendido ao Egito, mas sua maldade logo teria de chegar ao conhecimento de seu venerável pai. [JFB, aguardando revisão]

25 E subiram do Egito, e chegaram à terra de Canaã a Jacó seu pai.

chegaram à terra de Canaã (compare com Gênesis 45:17).

26 E deram-lhe as novas, dizendo:José vive ainda; e ele é senhor toda a terra do Egito. E seu coração se desmaiou; pois não cria neles.

Comentário do Púlpito

E deram-lhe as novas, dizendo:José vive ainda; e ele é senhor toda a terra do EgitoE seu (de Jacó) coração se desmaiou (a ideia primária da raiz sendo a de rigidez por meio de frieza; cf. πηγνύω, ser rígido, e pigeo, rigeo, frigeo, ser frio (…) A sensação é que o coração de Jacó pareceu parar de espanto com as notícias que seus filhos trouxeram, pois não cria neles. Isso dificilmente foi uma facilidade de acreditar não de alegria (Bush), mas sim de incredulidade decorrente de suspeitas, tanto dos mensageiros como de sua mensagem, que só foi removida por explicações adicionais, e em particular pela visão dos esplêndidos presentes de José e das carruagens cômodas. [Pulpit, aguardando revisão]

27 E eles lhe contaram todas as palavras de José, que ele lhes havia falado; e vendo ele os carros que José enviava para levá-lo, o espírito de Jacó seu pai reviveu.

Comentário do Púlpito

E eles lhe contaram todas as palavras de José, que ele lhes havia falado —isto é, sobre o convite e a promessa de José (Gn 45:9-11) – e vendo ele os carros – provavelmente veículos reais (Wordsworth) – que José enviava para levá-lo, o espírito de Jacó seu pai reviveu (literalmente, viveu; tendo previamente entorpecido e frio, como se estivesse morto). [Pulpit, aguardando revisão]

28 Então disse Israel:Basta; José meu filho vive ainda:irei, e lhe verei antes que eu morra.

Comentário do Púlpito

Então disse Israel – a mudança de nome aqui é significativa. A sublime designação teocrática, que caiu na obscuridade durante o período da dor do velho pelo filho perdido, revive com o ressuscitar da sua esperança morta (cf. Gn 43, 6) – Basta (uma palavra, como se expressasse sua satisfação complacente); José meu filho vive ainda (este é o pensamento que enche seu coração idoso) irei – “O velho é jovem de novo no espírito; ele é para ir imediatamente; ele poderia saltar; sim, voar” (Lange ) – e lhe verei (uma visão de Joseph seria uma grande compensação por todos os anos de tristeza pelos quais ele passou) antes que eu morra. Ele então estaria pronto para ser reunido a seus pais. [Pulpit, aguardando revisão]

<Gênesis 44 Gênesis 46>

Visão geral do Gênesis

Em Gênesis 1-11, “Deus cria um mundo bom e dá instruções aos humanos para que possam governar esse mundo, mas eles cedem às forças do mal e estragam tudo” (BibleProject). (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Em Gênesis 12-50, “Deus promete abençoar a humanidade rebelde através da família de Abraão, apesar das suas falhas constantes e insensatez” (BibleProject). (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro do Gênesis.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.