Levítico 8

Moisés consagra Arão e seus filhos

1 E falou o SENHOR a Moisés, dizendo:
2 Toma a Arão e a seus filhos com ele, e as vestimentas, e o azeite da unção, e o bezerro da expiação, e os dois carneiros, e o cesto dos pães ázimos;

Comentário de Robert Jamieson

Toma a Arão e a seus filhos – A consagração de Aarão e seus filhos haviam sido ordenados muito antes (Êxodo 29:1-46), mas agora é descrito com todos os detalhes do cerimonial, como foi feito depois que o tabernáculo foi completado. e os regulamentos para os vários sacrifícios realizados. [JFB, aguardando revisão]

3 E reúne toda a congregação à porta do tabernáculo do testemunho.

Comentário de Robert Jamieson

Era manifestamente conveniente que o povo israelita se satisfizesse que a nomeação de Aarão para a alta dignidade do sacerdócio não fosse uma intrusão pessoal, nem um arranjo familiar entre ele e Moisés; e nada, portanto, poderia ser uma medida mais prudente ou necessária, para impressionar uma profunda convicção da origem e autoridade divinas da instituição sacerdotal, do que convocar uma assembleia geral do povo e, em sua presença, realizar as solenes cerimônias de inauguração. , que havia sido prescrito por autoridade divina. [JFB, aguardando revisão]

4 Fez, pois, Moisés como o SENHOR lhe mandou, e juntou-se a congregação à porta do tabernáculo do testemunho.

Comentário de Robert Jamieson

juntou-se a congregação. “A congregação” é um termo indefinido e geral; mas é evidentemente usado para descrever aqueles que realmente estavam presentes. De acordo com o uso comum da linguagem, “a congregação” seria sinônimo de “toda a congregação”, embora os israelitas pudessem não estar universalmente presentes; assim como quando a freguesia, a cidade, o condado é convocado, ou a Câmara dos Comuns é convocada para a Câmara dos Lordes, é dito, no estilo atual, a paróquia, a cidade, o condado, os Comuns, assim o fizeram e assim, embora comparativamente poucos compareceram à reunião.

A observação é especialmente aplicável à frase “toda a congregação”, que ocorre nos casos em que era fisicamente impossível que pudesse ser interpretada em um sentido literal – como quando “toda a congregação” teria apedrejado o blasfemador (Levítico 24 :14) e o violador do sábado (Números 15:35-36), é impossível conceber que todo homem, mulher e criança tenha desempenhado uma parte pessoal na execução desses criminosos; e, portanto, o termo geral deve ser tomado em um sentido limitado, significando apenas uma parte designada do povo.

Há razão para acreditar que [haa`eedaah] “a congregação” muitas vezes denota ‘a congregação designada’, o corpo de anciãos, representantes do povo (cf. Números 35:12; Números 35:24-25 com Josué 20 :4; Josué 20:6; Josué 20:9; Êxodo 12:3 com 21; 9:5 com 1:23,24). Esta é a opinião do Dr. Benisch e de Michaelis (‘Comentário sobre as Leis de Moisés’, vol. 1 :, p. 229, Tradução de Smith), que cita Números 1:16; Deuteronômio 29:10. Ao mesmo tempo, admitindo ser verdade que Moisés às vezes é representado falando ao povo, quando suas comunicações eram feitas por meio dos anciãos, parece não haver necessidade de considerar “a congregação” como consistindo exclusivamente deste corpo representativo. Pois a ordem dada a Moisés era para reunir não os anciãos, não os levitas, mas “toda a congregação”; não para receber uma revelação divina, mas para ajudar no cerimonial sagrado; e nas circunstâncias, haveria uma reunião imensa.

Colenso presume que ninguém, exceto aqueles que estavam na primeira fila, puderam testemunhar a cerimônia. Como todo grande grupo de pessoas, aqueles que estavam por perto veriam melhor – aqueles que estavam mais longe veriam menos distintamente. Nem haveria nada do denso empacotamento e aperto entre a multidão reunida que a imaginação desse objetor cavilhante conjurou.

Havia uma área ou espaço vazio de 2.000 côvados – isto é, cerca de dois terços de uma milha – em todas as direções ao redor do pátio do tabernáculo, para o qual o povo da congregação não entrava, a menos que fosse especialmente convocado. Nos arredores daquele terreno desocupado, toda a congregação estava acampada, cada tribo por si “longe” (Números 2:2), ou bem em frente ao tabernáculo, as doze tribos sendo agrupadas em quatro divisões, de modo que três estavam estacionadas respectivamente em o norte, sul, leste e oeste, o tabernáculo formando o centro. Destas diferentes partes do acampamento, então, o povo, quando convocado à porta do tabernáculo, avançaria para aquela tenda sagrada como um ponto comum de atração. Cada pessoa, é claro, se esforçaria para abrir caminho até a porta; mas como essas imensas massas de todas as tribos, convergindo para um ponto, necessariamente obstruíam o caminho umas das outras, de modo que seria impossível para alguns, exceto alguns, alcançarem a porta, a multidão seria reunida em torno do próprio tabernáculo; e supondo, na própria hipótese de Colenso, que esta multidão congregada consistia de 600.000 adultos – cada um dos quais tinha, de acordo com sua estimativa, dois pés quadrados de terreno para ficar em pé – um círculo irregular teria sido formado de cerca de 1.800 pés de diâmetro . Em outras palavras, em vez da linha se estender por 32 quilômetros, o raio de tal círculo não seria mais do que 300 metros.

É ainda natural supor que, em tal ocasião, as cortinas que fechavam o pátio seriam retiradas, de modo que a cerimônia de inauguração pudesse ser vista pelo número de espectadores, tanto na frente quanto nos dois lados do tabernáculo; e embora uma grande proporção daqueles que estão atrás à distância possam ter que se contentar em apenas saber o que está sendo feito dentro do tribunal, todos estariam em posição de testemunhar o grande objeto de interesse – a descida antecipada do fogo celestial (cf. Levítico 9:24), que atestou a aceitação divina da primeira oferta nacional em Israel. [JFU, aguardando revisão]

5 E disse Moisés à congregação:Isto é o que o SENHOR mandou fazer.

Comentário Ellicott

Isto é o que o SENHOR mandou fazer. Isto é, estas são as instruções dadas em Exodo 29:1-37, e que Moisés agora publicou aos representantes do povo reunidos. [Ellicott, aguardando revisão]

6 Então Moisés fez chegar a Arão e a seus filhos, e lavou-os com água.

Comentário de Robert Jamieson

Moiséslavou-os com água – Na consagração, eles foram submetidos a toda a ablução, embora em ocasiões ordinárias eles fossem obrigados, antes de assumir seus deveres, apenas para lavar as mãos e os pés. Essa ablução simbólica foi projetada para ensinar-lhes a necessidade da pureza interior e a obrigação imperativa sobre aqueles que carregavam os vasos e conduziam os serviços do santuário para serem santos. [JFB, aguardando revisão]

7 E pôs sobre ele a túnica, e cingiu-o com o cinto; vestiu-lhe depois o manto, e pôs sobre ele o éfode, e cingiu-o com o cinto do éfode, e ajustou-o com ele.

Comentário de Robert Jamieson

E pôs sobre ele a túnica, e cingiu-o com o cinto – O esplendor das vestes oficiais, juntamente com a linda tiara do sumo sacerdote, pretendia, sem dúvida, em primeiro lugar, produzir nas mentes das pessoas um alto respeito pelos ministros da religião; e no seguinte, do uso predominante de linho, para incutir em Aarão e seus filhos o dever de manter retidão sem mancha em seus personagens e vidas. [JFB, aguardando revisão]

8 Pôs-lhe logo encima o peitoral, e nele pôs o Urim e Tumim.

Comentário Whedon

o peitoral. O choshen era uma sacola ornamental ou gorget de quatro pontas, com doze pedras preciosas incrustadas em ouro, dispostas em quatro fileiras. Os Setenta o chamam de λογειον, ou λογιον, o lugar onde se fala, e na Vulgata é denominado como fundamento lógico, em referência ao seu uso como um oráculo. Dentro dessa bolsa foram depositados o Urim e o Tumim. É evidente neste versículo que essas coisas que Moisés colocou no choshen na consagração de Arão são diferentes das pedras preciosas previamente colocadas pelo joalheiro. Êxodo 28:15-21. “As esculturas de Tebas e Beni-Hassan testemunham a habilidade dos ourives egípcios; e inúmeros vasos de ouro e prata, incrustações e joias, representados de uso comum, mostram o grande avanço que já haviam feito, em uma época remota, neste ramo. A gravação em ouro, o modo de fundi-la e incrustá-la com pedras eram evidentemente conhecidos na mesma época; numerosos espécimes deste tipo de trabalho foram encontrados no Egito. ” – Wilkinson.

o Urim e Tumim – luzes e perfeições; nos Setenta δηλωσις και αληθεια, manifestação e verdade; na Vulgata, doutrina et veritas – são, em sua natureza e maneira de uso, o maior enigma a ser encontrado em toda a gama de antiguidades judaicas. As opiniões são várias:1.) Algum efeito físico indicava a vontade divina; ou, 2.) Sua presença despertou um dom profético no sumo sacerdote; ou, 3.) Eles eram um artifício para lançar sortes. [Whedon, aguardando revisão]

9 Depois pôs a mitra sobre sua cabeça; e sobre a mitra em sua frente dianteira pôs a placa de ouro, a coroa santa; como o SENHOR havia mandado a Moisés.

Comentário Cambridge

a mitra – Heb. miẓnépheth em Lev. aqui e Levítico 16:4 (a mitra de linho) apenas:em Êxodo. (nas passagens cognatas) Êxodo 28:4; Êxodo 28:37; Êxodo 28:39, Êxodo 29:6, Êxodo 39:28; Êxodo 39:31. Era feito de linho fino; a tradição o descreve como tendo 7 metros de comprimento, então provavelmente era enrolado em volta da cabeça como um turbante. Além das passagens citadas, onde denota o cocar do sumo sacerdote, ocorre apenas em Ezequiel 21:26 (Heb. 31). Outra palavra (ẓânîph) da mesma raiz ocorre em Isaías 62:3 (Ḳ’ri), traduzida como “diadema”, em paralelismo com o hebraico comum. palavra para ‘coroa’; e em Zacarias 3:5 com referência ao sumo sacerdote Josué. É estranho que ẓânîph deva ser usado na passagem de Zacarias para denotar uma mitra para o sumo sacerdote, se miẓnépheth já fosse o termo técnico usado para aquela parte de seu traje.

Josefo diz que a mitra do sumo sacerdote era como a de todos os outros sacerdotes, mas outra palavra é usada (ver Levítico 8:13) para o adorno de cabeça dos filhos de Aarão. Ele descreve completamente outra mitra com uma tripla coroa de ouro. Este foi provavelmente um ornamento adicionado em tempos posteriores. Alexandre Balas enviou um manto púrpura e uma coroa de ouro a Jônatas, que ele usou na Festa dos Tabernáculos b.c. 153 (1Ma 10:20). Esta pode ser a coroa descrita por Josefo.

a placa de ouro, a coroa santa. A placa dourada é descrita Êxodo 28:36-37. A palavra hebraica (ẓîẓ), traduzida como “prato”, implica algo brilhante e cintilante, e é usada em outro lugar para uma flor. A placa era presa por sua renda azul ao turbante (Êxodo 28:37, Êxodo 39:31) e apareceria como um ornamento ou diadema no capacete do sumo sacerdote. É chamada de “coroa sagrada” em Êxodo 29:6, e aqui ambos os nomes são dados a ela. A mesma combinação ocorre em Êxodo 39:30, onde o inglês “a placa da coroa sagrada de ouro puro” transmite a impressão de que a “placa” e a “coroa” são diferentes em vez de sinônimos. [Cambridge, aguardando revisão]

10 E tomou Moisés o azeite da unção, e ungiu o tabernáculo, e todas as coisas que estavam nele, e santificou-as.

Comentário de Robert Jamieson

tomou Moisés o azeite da unção – que foi projetado para intimar que as pessoas que agiam como líderes nos serviços solenes de adoração deveriam ter a unção do Santo tanto em Seus dons e graças. [JFB, aguardando revisão]

11 E espargiu dele sobre o altar sete vezes, e ungiu o altar e todos os seus utensílios, e a pia e sua base, para santificá-los.

Comentário Ellicott

E espargiu dele sobre o altar sete vezes. Ou seja, o altar de holocaustos. Este rito de aspergir o altar sete vezes não é mencionado nas instruções dadas em Êxodo 30:28; Êxodo 40:10. Para a importância do número sete, veja Levítico 4:6.

e ungiu o altar e todos os seus utensílios. Ou seja, o mesmo altar de sacrifício queimado. O altar, tendo sido assim santificado, foi então considerado como santificando os sacrifícios e oblações oferecidos sobre ele. Daí a observação de Cristo:”Ó tolos e cegos, porque qual é maior, a oferta, ou o altar que santifica a oferta?” (Mateus 23:19). [Ellicott, aguardando revisão]

12 E derramou do azeite da unção sobre a cabeça de Arão, e ungiu-o para santificá-lo.

Comentário Ellicott

E derramou do azeite da unção sobre a cabeça de Arão. Na unção de Arão, o óleo foi derramado sobre sua cabeça. (Veja também Levítico 21:10-12; Êxodo 29:7; Salmo 133:2). Este derramamento abundante de óleo foi repetido na consagração de cada sucessor ao sumo sacerdócio, enquanto os sacerdotes comuns eram simplesmente ungidos ou simplesmente marcados com o dedo na testa em sua primeira instalação, e essa unção descia com eles para todos futuridade. (Ver Levítico 6:3.) A tradição nos informa que durante o segundo Templo, a pessoa que ungiu o sumo sacerdote primeiro jogou o óleo sobre sua cabeça, e em seguida desenhou com o dedo o sinal da letra Caph, sendo a inicial de Cohen , ou seja, sacerdote, entre as sobrancelhas do pontífice recém-consagrado. [Ellicott, aguardando revisão]

13 Depois Moisés fez chegar os filhos de Arão, e vestiu-lhes as túnicas, e cingiu-os com cintos, e ajustou-lhes as tiaras), como o SENHOR o havia mandado a Moisés.

Comentário Ellicott

Moisés fez chegar os filhos de Arão. Tendo consagrado o pai como sumo sacerdote, Moisés agora investe os quatro filhos de Arão, Nadabe, Abiú, Eleazar e Itamar, com os sinais visíveis do ofício sacerdotal, vestindo-os com as vestes sacerdotais. Para essas peças de vestuário, ver Êxodo 28:40-41; Êxodo 29:30; Êxodo 40:14. [Ellicott, aguardando revisão]

14 Fez logo chegar o bezerro da expiação, e Arão e seus filhos puseram suas mãos sobre a cabeça do bezerro da expiação.

Comentário de Robert Jamieson

Fez logo chegar o bezerro da expiação – uma expressão oportuna de seu senso de indignidade – uma confissão pública e solene de seus pecados pessoais e uma transferência de sua culpa para a típica vítima. [JFB, aguardando revisão]

15 E degolou-o; e Moisés tomou o sangue, e pôs com seu dedo sobre as pontas do altar ao redor, e purificou o altar; e lançou o resto do sangue ao pé do altar, e santificou-o para fazer reconciliação sobre ele.

Comentário Cambridge

E degolou-o. A comparação com Êxodo 29:11 mostra que Moisés o matou, mas o texto aqui pode ser interpretado, e ele (Arão) o matou, especialmente porque é seguido por ‘e Moisés levou …’ A mesma observação se aplica ao Levítico 8:19 e Levítico 8:23; cp. Êxodo 29:16; Êxodo 29:20. Em todos os versículos aqui citados, o hebr. verbo é o mesmo, mas é traduzido por “matar” e “matar”.

ao pé do altar – veja Levítico 4:7.

e purificou o altar…e santificou-o para fazer reconciliação sobre ele. Essas cláusulas não são encontradas em Êxodo 29:12, mas ocorrem em Êxodo 29:36-37 daquele cap. O altar já havia sido ungido (Levítico 8:11); agora é ainda mais santificado pelo sangue da oferta pelo pecado.

As palavras ‘purificar’ aqui e ‘limpar’ em Êxodo 29:36 são traduções do mesmo hebr. verbo. Como em inglês, “apedrejar ameixas” significa remover as pedras, então em hebr. um verbo correspondente a um substantivo às vezes é usado da mesma maneira. Aqui o Heb. verbo corresponde ao substantivo ‘pecado’ e significa ‘remover pecado’; ocorre também no Levítico 14:49; Levítico 14:52 (de uma casa leprosa) e Ezequiel 43:20-23 com referência ao altar (ver nota em Êxodo 29:36). A tradução “fazendo expiação” é como R.V. mg. da passagem em Êxodo 29:36. [Cambridge, aguardando revisão]

16 Depois tomou toda a gordura que estava sobre os intestinos, e o redenho do fígado, e os dois rins, e a gordura deles, e o fez Moisés arder sobre o altar.

Comentário Ellicott

Depois tomou toda a gordura. Ou seja, de acordo com as instruções dadas em Êxodo 29:13. Para as diferentes partes do sacrifício, ver Levítico 3:3-5. [Ellicott, aguardando revisão]

17 Mas o bezerro, e seu couro, e sua carne, e seu excremento, queimou-o ao fogo fora do acampamento; como o SENHOR o havia mandado a Moisés.

Comentário Ellicott

Mas o bezerro. . .queimou-o. . .Embora nada do sangue desta oferta pelo pecado fosse trazido para o santuário, pelo que foi excluído da regra estabelecida no Levítico 6:30, ainda assim a carne não podia ser comida, mas como a oferta pelo pecado do sumo sacerdote (Levítico 4:3-12), e para toda a congregação (Levítico 4:13-21), teve que ser queimado sem o acampamento, uma vez que Moisés não poderia comê-lo. porque ele não era um padre legalmente consagrado (ver Levítico 6:25), e o padre não podia comê-lo porque era contra a lei o pecador participar da oferta pelo pecado que ele mesmo trouxe. (Ver Levítico 4:35.) [Ellicott, aguardando revisão]

18 Depois fez chegar o carneiro do holocausto, e Arão e seus filhos puseram suas mãos sobre a cabeça do carneiro:

Comentário Whedon

puseram suas mãos sobre a cabeça. Este ato não pode significar aqui a transmissão do pecado à vítima, pois isso já havia sido feito na oferta pelo pecado. Levítico 8:14. É antes uma atribuição típica de glória ao Cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo. Quer o hebreu confessasse seus pecados, consagrasse a si mesmo ou desse graças, ele colocava sua mão sobre a cabeça da vítima. Assim, tanto nas orações como nos louvores a Deus Pai, o crente coloca a mão sobre Jesus, o grande Sacrifício. Ele é o meio por meio do qual toda adoração aceitável é oferecida. “Quem não honra o Filho não honra o Pai”. [Whedon, aguardando revisão]

19 E degolou-o; e espargiu Moisés o sangue sobre o altar em derredor.

Comentário Whedon

e espargiu Moisés o sangue. Nessa consagração, Moisés desempenha todas as funções do sacerdócio. O primeiro sumo sacerdote foi ordenado por Moisés como “mediador”. “Na história da Igreja de Cristo, os sacerdotes muitas vezes a corromperam e os leigos muitas vezes a purificaram. É um fato melancólico que os grandes introdutores de erros geralmente não tenham sido os leigos – eles tiveram sua parte – mas os padres, ou o ministério, assim chamado, introduziram muito mais erros e disseram coisas mais sutis para defendê-los, em um século, do que todos os leigos disseram em dezoito. O ministério do Evangelho é tão propenso a se engrandecer que precisa da presença diluidora de outros elementos resistentes para mantê-lo em ordem ”. [Whedon, aguardando revisão]

20 E cortou o carneiro em pedaços; e Moisés fez arder a cabeça, e os pedaços, e a gordura.

Comentário Cambridge

e a gordura – um palavra hebraica diferente daquela de Levítico 8:16,25, usada aqui e apenas no Levítico 7:1432Levítico 1:812. A gordura do intestino é provavelmente indicada. [Cambridge, aguardando revisão]

21 Lavou logo com água os intestinos e pernas, e queimou Moisés todo o carneiro sobre o altar:holocausto em cheiro suave, oferta acesa ao SENHOR; como o havia o SENHOR mandado a Moisés.

Comentário Whedon

Nas ofertas de aromas doces, o hebreu apresentava uma oferta que, como um banquete doce a Deus, era consumida em seu altar. Nas ofertas pelo pecado (Levítico 8:14) ele veio como um pecador, e sua oferta, como acusada de pecado, foi lançada e queimada, não sobre o altar, mas no chão fora do arraial. Levítico 8:17. Em um, o ofertante veio como um adorador aceito; no outro, como um pecador condenado. Ambas as partes podem se encontrar em Cristo. [Whedon, aguardando revisão]

22 Depois fez chegar o outro carneiro, o carneiro das consagrações, e Arão e seus filhos puseram suas mãos sobre a cabeça do carneiro:

Comentário de Robert Jamieson

fez chegar o outro carneiro – Depois que a oferta pelo pecado e o holocausto foram apresentados em favor deles, esta foi a sua oferta de paz, pela qual eles declararam o prazer que sentiam ao entrar no serviço de Deus e serem trazidos para uma comunhão íntima com Ele como os ministros de Seu santuário, junto com sua confiante confiança em Sua graça para ajudá-los em todos os seus deveres sagrados. [JFB, aguardando revisão]

23 E degolou-o; e tomou Moisés de seu sangue, e pôs sobre a ponta da orelha direita de Arão, e sobre o dedo polegar de sua mão direita, e sobre o dedo polegar de seu pé direito.

Comentário Ellicott

E degolou-o. Melhor, e ele matou, como a mesma palavra é traduzida na Versão Autorizada em Lev. 8:19, isto é, Moisés o matou.

e pôs sobre a ponta da orelha direita de Arão. Ensiná-lo que, como mediador entre Deus e Seu povo, era seu dever obedecer aos mandamentos do Senhor.

sobre o dedo polegar de sua mão direita. Para lembrá-lo de que daqui em diante ele deve executar a vontade de Deus e andar no caminho de Seus mandamentos. [Ellicott, aguardando revisão]

24 Fez chegar logo os filhos de Arão, e pôs Moisés do sangue sobre a ponta de suas orelhas direitas, e sobre os polegares de suas mãos direitas, e sobre os polegares de seus pés direitos:e espargiu Moisés o sangue sobre o altar em derredor;

Comentário Ellicott

Fez chegar logo os filhos de Arão. Tendo realizado esses atos simbólicos no sumo sacerdote, Moisés agora repete o mesmo no caso dos quatro sacerdotes comuns. Os membros certos foram escolhidos para esses atos simbólicos porque são representados como os mais fortes e, portanto, são os mais capazes de executar a vontade de Deus (ver também Êxodo 29:20). O leproso curado teve as mesmas partes do corpo tocadas com o sangue da oferta pela culpa. (Ver Lev. 14:14-17.) [Ellicott, aguardando revisão]

25 E depois tomou a gordura, e a cauda, e toda a gordura que estava sobre os intestinos, e o redenho do fígado, e os dois rins, e a gordura deles, e a coxa direita;

Comentário Cambridge

Moisés então coloca nas mãos de Arão e seus filhos (1) a gordura e outras partes do sacrifício que sempre foram queimadas sobre o altar (cp. Levítico 3:9-10), (2) a coxa direita e (3) uma de cada uma das oblações que estavam no cesto trazidas de acordo com as injunções de Exodo 29:1-37,Êxodo 29:323 (cp. Levitico 7:12-14, e a nota lá). O todo é agitado como uma oferta movida diante do Senhor e queimado sobre o altar. As partes (2) e (3) são porções sacerdotais (Levítico 7:1432), mas como nesta ocasião Arão e seus filhos não tinham direito a elas (pois sua consagração ainda não estava completa), elas são oferecidas ao Senhor.

O ato de colocar essas porções nas mãos de Arão e seus filhos parece indicar que elas foram designadas aos sacerdotes para certos propósitos; aquelas porções que foram reservadas para o altar deveriam ser oferecidas por eles sobre ele, aquelas que eram taxas sacerdotais deveriam ser retidas por eles mesmos.

O nome do sacrifício – o carneiro da consagração – está relacionado com esta ação de Moisés. O termo usual para nomear um sacerdote é “encher sua mão” (Juízes 17:5; Juízes 17:12), onde a palavra consagrar é traduzida na margem “encheu a mão de”. [Cambridge, aguardando revisão]

26 E do cesto dos pães ázimos, que estava diante do SENHOR, tomou uma torta sem levedura, e uma torta de pão de azeite, e um bolo, e o pôs com a gordura e com a coxa direita;

Comentário Whedon

pão de azeite. Aqui estão todos os elementos da mincha, oferta de carne ou oferta de farinha, exceto o olíbano. Levítico 2:1. [Whedon, aguardando revisão]

27 E o pôs tudo nas mãos de Arão, e nas mãos de seus filhos, e o fez mover:oferta agitada diante do SENHOR.

Compare com Êxodo 29:24.

28 Depois tomou aquelas coisas Moisés das mãos deles, e as fez arder no altar sobre o holocausto:as consagrações em cheiro suave, oferta acesa ao SENHOR.

Comentário de Genebra

Depois tomou aquelas coisas Moisés das mãos deles. Depois de terem sido movidas diante do Senhor.

e as fez arder no altar sobre o holocausto; do outro carneiro; ou depois espádua oferta queimada, como Jarchi, que observa, que não achamos que a coxa das ofertas pacíficas foi oferecido em qualquer lugar, mas este pertencia ao sacerdote; mas estando isto na consagração dos sacerdotes, foi oferecido ao Senhor por Moisés, a quem parece ter pertencido, como o peito também, mas que não foi queimado, mas comido; e o mesmo escritor afirma, que Moisés ministrou todos os sete dias da consagração em camisa branca, ou sobrepeliz; e que ele pudesse usar um casaco de linho, como os sacerdotes faziam, não é improvável, visto que ele agora oficiava como um.

as consagrações em cheiro suave; aceitável ao Senhor, e também aos sacerdotes, Arão e seus filhos também, por conta de quem foram feitos.

oferta acesa ao SENHOR; a gordura, a espádua e os bolos. [Genebra, aguardando revisão]

29 E tomou Moisés o peito, e moveu-o, oferta movida diante do SENHOR:do carneiro das consagrações aquela foi a parte de Moisés; como o SENHOR o havia mandado a Moisés.

Comentário Cambridge

O sacrifício oferecido a Moisés abana o peito e é reservado como sua porção. Tem sido perguntado por que, se Moisés recebe o peito como um sacerdócio devido, ele não recebe também a coxa direita e bolos? Em resposta, pode-se dizer que toda a cerimônia é dupla. É uma inauguração do sacerdócio e ao mesmo tempo uma instrução aos futuros sacerdotes sobre como devem exercer as suas funções. A cerimônia de agitar o seio prescrita para todas as ofertas de paz é observada por Moisés. A posse dos sacerdotes, tanto como ofertantes de sacrifícios e recebedores de taxas sacerdotais, é indicada pelo caráter composto daquilo que é colocado em suas mãos, e a primeira oferta movida é dada inteiramente ao Senhor para mostrar que tudo pertence a Ele e que Ele é o verdadeiro doador das taxas sacerdotais ou, como se diz, Ele ‘é a herança deles’ (Deuteronômio 18:2). [Cambridge, aguardando revisão]

30 Logo tomou Moisés do azeite da unção, e do sangue que estava sobre o altar, e espargiu sobre Arão, e sobre suas vestiduras, sobre seus filhos, e sobre as vestiduras de seus filhos com ele; e santificou a Arão, e suas vestiduras, e a seus filhos, e as vestiduras de seus filhos com ele.

Comentário Whedon

O óleo da unção. Para seus elementos, veja Êxodo 30:23-24. Essas especiarias tipificam lindamente os dons e graças do Espírito Santo, que não conferem nenhuma aspereza de disposição, nenhum temperamento ácido, mas apenas qualidades gentis e afeições benevolentes.

E do sangue. Visto que o óleo e o sangue prefiguram, o primeiro a consagração e o segundo a purificação da alma, sua união tipifica a fusão do ofício do Salvador expiatório, que nos redimiu por seu sangue, com o do Espírito Santo, que transforma e santifica pelo seu poder purificador. Portanto, visto que, segundo o Evangelho, todos os crentes são dignificados como sacerdotes, somos exortados a “aproximar-nos com um coração verdadeiro, em plena certeza da fé, tendo os nossos corações aspergidos de uma má consciência”, pelo sangue do Cordeiro, “e nossos corpos lavados com água pura ”, o símbolo da purificação pelo Espírito Santo.

Hebreus 10:22; veja Levítico 14:5, nota. O sacrifício pelo pecado sozinho não é suficiente; deve haver uma limpeza interior pelo Espírito. Perdoar o pecado é deixar a casa varrida e enfeitada, mas desocupada; encher com o Espírito Santo é colocar um guardião.

Sobre Aarão e sobre suas vestes. A pessoa e as vestes foram borrifadas para prefigurar a purificação interna e externa, santidade de coração e de vida. Quando o sangue e o óleo podiam ser conectados, Aarão e seus filhos podiam ser ungidos e santificados juntos. Assim, Jesus se separou como um sacrifício sangrento para a compra da santa unção para todos os crentes, feitos sacerdotes para Deus. Isso explica Jo 17:19. [Whedon, aguardando revisão]

31 E disse Moisés a Arão e a seus filhos:Comei a carne à porta do tabernáculo do testemunho; e comei-a ali com o pão que está no cesto das consagrações, segundo eu mandei, dizendo:Arão e seus filhos a comerão.

Comentário Cambridge

Qualquer um que não fosse impuro poderia comer as porções da oferta pacífica que sobraram quando as partes para o sacrifício e para os sacerdotes foram levadas. Nesta ocasião, a carne é comida apenas por Arão e seus filhos, e à porta da tenda de reunião. As cerimônias do primeiro dia são repetidas em cada um dos seis dias seguintes. O que resta do sacrifício de cada dia deve ser queimado, conforme ordenado no Levítico 7:15. [Cambridge, aguardando revisão]

32 E o que sobrar da carne e do pão, queimareis ao fogo.

Comentário Ellicott

E o que sobrar. Ou seja, se alguma carne ou bolos não fossem comidos no dia em que o sacrifício fosse oferecido, eles deveriam ser queimados, o que era a lei no caso da oferta pacífica. (Ver Lev. 7:15; Lev. 7:17; Êxodo 29:34.) [Ellicott, aguardando revisão]

33 Da porta do tabernáculo do testemunho não saireis em sete dias, até o dia que se cumprirem os dias de vossas consagrações:porque por sete dias sereis consagrados.

Comentário de Robert Jamieson

Depois de todas essas preliminares, eles ainda tinham que passar por uma provação de uma semana na corte do tabernáculo antes que eles obtivessem permissão para entrar no interior do tabernáculo. edifício sagrado. Durante todo esse período, os mesmos ritos de sacrifício foram observados como no primeiro dia, e eles foram expressamente admoestados que a menor violação de qualquer das observâncias indicadas levaria ao certo confisco de suas vidas (Levítico 8:35). [JFB, aguardando revisão]

34 Da maneira que hoje se fez, mandou fazer o SENHOR para expiar-vos.

Comentário Ellicott

Isto é, os ritos de consagração que foram realizados em você hoje, ou no primeiro dia, o Senhor ordenou que sejam repetidos todos os dias durante sete dias. [Ellicott, aguardando revisão]

35 À porta, pois, do tabernáculo do testemunho estareis dia e noite por sete dias, e guardareis a ordenança diante do SENHOR, para que não morrais; porque assim me foi mandado.

Comentário Whedon

À porta, pois, do tabernáculo – Os candidatos foram encarregados de permanecer no tribunal sagrado durante esta provação. Eles não podiam entrar no lugar sagrado ou aposento dos sacerdotes porque sua consagração não estava completa; eles não podiam entrar em contato com coisas não santificadas sem o invólucro, porque sua consagração havia começado. “Aqui temos um excelente tipo de Cristo e seu povo alimentando-se juntos dos resultados da expiação realizada. Arão e seus filhos, tendo sido ungidos com base no sangue derramado, são aqui apresentados à nossa vista como encerrados no recinto do tabernáculo por sete dias. Uma figura notável da posição atual de Cristo e seus membros durante todo o período desta dispensação, fechado com Deus, e esperando a manifestação de sua glória. ” Veja Levítico 9:23.

a ordenança diante do SENHOR. Este foi o cumprimento exato dos mandamentos encontrados em Êxodo 29.

para que não morrais. A obediência é a melhor preparação para o serviço. A omissão de qualquer uma das cerimônias prescritas, ou o acréscimo de qualquer invenção humana, seria fatal. Esse rigor foi projetado para manter este importante serviço livre de qualquer mistura pagã. Foi esse versículo que sugeriu a Charles Wesley aquele lindo hino agora cantado por toda a cristandade:“Tenho um encargo para mantê-lo”. [Whedon, aguardando revisão]

36 E Arão e seus filhos fizeram todas as coisas que mandou o SENHOR por meio de Moisés.

Comentário de John Gill

Eles se submeteram a que eles fizessem a eles, e por eles, o que foi feito no primeiro dia de sua consagração, em todo o resto dos dias; e eles permaneceram dentro do tabernáculo todo aquele tempo, como lhes fora ordenado. [Gill, aguardando revisão]

<Levítico 7 Levítico 9>

Visão geral de Levítico

Em Levítico, “o Deus santo de Israel convida o povo a viver na Sua presença, apesar de serem pecadores, através de uma série de rituais e instituições sagradas”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro do Levítico.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.