Bíblia, Revisar

Neemias 10

Os nomes daqueles que selaram o pacto

1 E os que selaram foram: Neemias o governador, filho de Hacalias, e Zedequias,

Neemias o governador – Seu nome foi colocado em primeiro lugar no rolo por conta de sua alta posição oficial, como vice do monarca persa. Todas as classes foram incluídas na assinatura; mas as pessoas eram representadas pelos seus anciãos (Ne 10:14), como teria sido impossível para todos no país terem sido admitidos no selamento.

2 Seraías, Azarias, Jeremias,
3 Pasur, Amarias, Malquias,
4 Hatus, Sebanias, Maluque,
5 Harim, Meremote, Obadias,
6 Daniel, Ginetom, Baruque,
7 Mesulão, Abias, Miamim,
8 Maazias, Bilgai, Semaías: estes eram o sacerdotes.
9 E os Levitas: Jesua filho de Azanias, Binui dos filhos de Henadade, Cadmiel;
10 E seus irmãos Sebanias, Hodias, Quelita, Pelaías, Hanã;
11 Mica, Reobe, Hasabias,
12 Zacur, Serebias, Sebanias,
13 Hodias, Bani, e Beninu.
14 Os líderes do povo: Parós, Paate-Moabe, Elão, Zatu, Bani,
15 Bani, Azgade, Bebai,
16 Adonias, Bigvai, Adim,
17 Ater, Ezequias, Azur,
18 Hodias, Hasum, Besai,
19 Harife, Anatote, Nebai,
20 Magpias, Mesulão, Hezir,
21 Mesezabel, Zadoque, Jadua,
22 Pelatias, Hanã, Anaías,
23 Oseias, Hananias, Hassube,
24 Haoés, Pílea, Sobeque,
25 Reum, Hasabna, Maaseias,
26 Aías, Hanã, Anã,
27 Maluque, Harim, e Baaná.
28 E o resto do povo, os sacerdotes, os levitas, os porteiros, os cantores, os servos do templo, e todos os que se haviam se separado dos povos das terras para a lei de Deus, suas mulheres, seus filhos e suas filhas, e todo o que tinha compreensão e entendimento,

Aqueles que não estavam presentes no selamento ratificaram o pacto dando seu consentimento, seja em palavras ou levantando as mãos, e se comprometeram, por um juramento solene, a andar na lei de Deus, imprecando uma maldição sobre si mesmos no caso de violá-lo.

29 Firmemente se juntaram a seus irmãos, os mais nobres dentre eles, e se comprometeram em um juramento sujeito a maldição, que andariam na lei de Deus, que foi dada por meio de Moisés, servo de Deus, e que guardariam e cumpririam todos os mandamentos do SENHOR nosso Senhor, e seus juízos e seus estatutos;

guardariam e cumpririam todos os mandamentos – Este pacto nacional, além de conter um juramento solene de obediência à lei divina em geral, especificava seu compromisso com alguns deveres particulares, que o caráter e a exigência dos tempos imprimiam com grande urgência e importância. e que pode ser resumido sob as seguintes cabeças: que eles se abstêm de contrair alianças matrimoniais com os pagãos; que eles observariam rigidamente o sábado; que eles deixariam a terra descansar e remeter dívidas a cada sete anos; que eles iriam contribuir para a manutenção do serviço do templo, cujas despesas necessárias anteriormente haviam sido custeadas fora do tesouro do templo (1Cr 26:20), e quando foi drenada, distribuída da casa do rei bolsa (2Cr 31:3); e que eles fariam um pagamento ordenado das dívidas dos padres. Uma enumeração minuciosa e particular das primícias foi feita, para que todos pudessem ter plena consciência de suas obrigações, e que ninguém pudesse se desculpar sob pretexto de ignorância de impostos retidos na fonte, que a pobreza de muitos e a irreligiosidade de outros tinham. tornou-os extremamente propensos a fugir.

30 E que não daríamos nossas filhas aos povos da região, nem tomaríamos suas filhas para nossos filhos.
31 E que, se os povos da região trouxessem para vender mercadorias e comida no dia de sábado, nada tomaríamos deles no sábado, nem em dia santo; e deixaríamos livre o sétimo ano, inclusive toda e qualquer cobrança.
32 Também pusemos preceitos sobre nós, impondo-nos a cada ano dar a terça parte de um siclo, para a obra da casa de nosso Deus;

a terça parte de um siclo, para a obra da casa de nosso Deus – A lei exigia que cada indivíduo acima de vinte anos de idade pagasse meio shekel ao santuário. Mas, em consequência da pobreza geral do povo, ocasionada pela guerra e pelo cativeiro, esse tributo foi reduzido a uma terceira parte de um shekel.

33 Para os pães da proposição, para a oferta contínua de alimentos, e para o holocausto contínuo, dos sábados, das novas luas, e das festas solenes, e para as coisas sagradas, e para os sacrifícios pelo pecado para reconciliar a Israel, e para toda a obra da casa de nosso Deus.
34 Também lançamos as sortes entre os sacerdotes, os levitas, e o povo, acerca da oferta da lenha, que havia de se trazer à casa de nosso Deus, segundo as casas de nossos pais, em tempos determinados, a cada ano, para queimar sobre o altar do SENHOR nosso Deus, como está escrito na lei.

Também lançamos as sortesacerca da oferta da lenha – O transporte da madeira tinha sido anteriormente o trabalho dos Nethinims. Mas poucos deles retornaram, o dever foi atribuído como indicado no texto. A prática depois se tornou de grande importância, e Josefo fala [As Guerras dos Judeus, 2.17, seita. 6] da xiloforia, ou certos tempos declarados e solenes em que as pessoas trouxeram madeira para o templo.

35 E que a cada ano traríamos as primícias de nossa terra, e todos os primeiros frutos de toda árvore, para a casa de SENHOR;
36 E também os primogênitos de nossos filhos e de nossas animais, como está escrito na lei; e que traríamos os primogênitos de nossas vacas e de nossas ovelhas à casa de nosso Deus, aos sacerdotes que ministram na casa de nosso Deus;
37 E que traríamos as primícias de nossas massas, e nossas ofertas alçadas, e do fruto de toda árvore, do suco de uva e do azeite, aos sacerdotes, às câmaras da casa de nosso Deus, e os dízimos de nossa terra aos levitas; e que os levitas receberiam os dízimos em todas as cidades onde trabalhamos.
38 E que um sacerdote, filho de Arão, estaria com os levitas, quando os levitas recebessem os dízimos; e que os levitas trariam o dízimo dos dízimos à casa de nosso Deus, às câmaras da casa do tesouro.

um sacerdote, filho de Arão, estaria com os levitas, quando os levitas recebessem os dízimos – Esse foi um arranjo prudencial. A presença de um sacerdote digno asseguraria a entrega pacífica dos dízimos; pelo menos sua superintendência e influência tenderiam a impedir o cometimento de qualquer erro na transação, pelo povo enganando os levitas, ou os levitas fraudando os sacerdotes.

o dízimo dos dízimos – Os levitas, tendo recebido um décimo de toda a produção de terra, eram obrigados a dar um décimo disso aos sacerdotes. Os levitas foram encarregados da obrigação adicional de levar os dízimos quando recebidos e depositá-los nas lojas do templo, para uso dos sacerdotes.

39 Porque para aquelas câmaras os filhos de Israel, e os filhos de Levi, devem trazer a oferta de grão, de suco de uva, e de azeite; e ali estarão os vasos do santuário, como também os sacerdotes que ministram, os porteiros, e os cantores; e assim não abandonaríamos a casa de nosso Deus.

não abandonaríamos a casa de nosso Deus – Este solene juramento foi repetido no final do pacto como uma expressão do intenso zelo pelo qual as pessoas neste tempo eram animadas para a glória e a adoração de Deus. Sob os sentimentos pungentes de tristeza e arrependimento por seus pecados nacionais, dos quais a apostasia do serviço do Deus verdadeiro era o chefe, e sob a memória ainda fresca e dolorosa de seu cativeiro prolongado, eles juraram, e (sentindo o impulso de ardente) devoção, bem como de gratidão por sua restauração) lisonjeado-se que nunca iria esquecer o seu voto, para ser do Senhor.

<Neemias 9 Neemias 11>

Leia também uma introdução ao livro de Neemias.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.