Bíblia, Revisar

Êxodo 37

Mensagem importante
Olá visitante do Apologeta! Vou direto ao ponto: peço que você me ajude a manter este projeto. Atualmente a renda gerada através dos anúncios são insuficientes para que eu me dedique exclusivamente a ele. Se cada pessoa que ler essa mensagem hoje, doar o valor de R$10.00, eu poderia me dedicar integralmente ao Apologeta pelo próximo ano e ainda remover todas as propagandas do site (que eu sei que são um pouco incômodas). Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade. O que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Faça parte deste projeto e o ajude a continuar crescendo. Obrigado!

A arca da aliança

1 Fez também Bezalel a arca de madeira de acácia: seu comprimento era de dois côvados e meio, e de côvado e meio sua largura, e sua altura de outro côvado e meio:

Fez também Bezalel a arca – A descrição aqui dada das coisas dentro do edifício sagrado é quase palavra por palavra, a mesma que a contida em Êx 25:1-40. Não é, portanto, considerado como uma repetição inútil de detalhes minuciosos; pois pela enumeração desses detalhes, pode-se ver exatamente como tudo foi feito de acordo com o “padrão mostrado no monte” [Êx 25:40]; e o conhecimento dessa exata correspondência entre a prescrição e a execução era essencial para os propósitos do tecido.

2 E cobriu-a de ouro puro por de dentro e por de fora, e fez-lhe uma borda de ouro em derredor.
3 Fez-lhe também de fundição quatro anéis de ouro a seus quatro cantos; em um lado dois anéis e no outro lado dois anéis.
4 Fez também as varas de madeira de acácia, e cobriu-as de ouro.
5 E meteu as varas pelos anéis aos lados da arca, para levar a arca.
6 Fez também a coberta de ouro puro: seu comprimento de dois côvados e meio, e sua largura de côvado e meio.

Fez também a coberta de ouro puro – Para construir uma figura, seja o corpo de um animal ou um homem, com duas asas estendidas, medindo de dois a três pés de ponta a ponta, com o martelo, de um sólido pedaço de ouro foi o que poucos artesãos dos dias atuais puderam realizar.

7 Fez também os dois querubins de ouro, os fez lavrados a martelo, aos duas extremidades do propiciatório:
8 Um querubim desta parte ao um extremo, e o outro querubim da outra parte ao outro extremo do propiciatório: fez os querubins a suas duas extremidades.
9 E os querubins estendiam suas asas por cima, cobrindo com suas asas o propiciatório: e seus rostos um em frente do outro, até o propiciatório os rostos dos querubins.

Leia também um estudo sobre a arca da aliança.

A mesa e seus utensílios

10 Fez também a mesa de madeira de acácia; seu comprimento de dois côvados, e sua largura de um côvado, e de côvado e meio sua altura;
11 E cobriu-a de ouro puro, e fez-lhe uma borda de ouro em derredor.
12 Fez-lhe também uma moldura ao redor, da largura de uma mão, à qual moldura fez a borda de ouro ao redor.
13 Fez-lhe também de fundição quatro anéis de ouro, e os pôs aos quatro cantos que correspondiam aos quatro pés dela.
14 Diante da moldura estavam os anéis, pelos quais se metessem as varas para levar a mesa.
15 E fez as varas de madeira de acácia para levar a mesa, e cobriu-as de ouro.
16 Também fez os utensílios que haviam de estar sobre a mesa, seus pratos, e suas colheres, e suas tigelas e suas bacias com que se havia de fazer libações, de ouro fino.

O candelabro de ouro

17 Fez também o candelabro de ouro puro, e o fez lavrado a martelo: seu pé e sua haste, seus copos, seus botões e suas flores eram do mesmo.

Fez também o candelabro de ouro puro – Leitores práticos estarão aptos a dizer: “Por que tais trabalhos com o martelo, quando eles poderiam ter sido moldados muito mais facilmente – um processo que eles estavam bem familiarizados?” A única resposta que pode ser Dado é, que foi feito de acordo com a ordem. Não temos dúvidas, mas havia razões para uma ordem tão distinta, algo significativo, que não nos foi revelado [Napier]. Todo esse edifício sagrado foi organizado com o objetivo de inculcar em todas as partes de seu aparato os grandes princípios fundamentais da revelação. Todos os objetos simbolizavam a verdade importante – cada peça de mobiliário era feita como hieróglifo de uma doutrina ou um dever – no chão e ao longo dos lados daquele edifício móvel, exibiam-se, por sinais emblemáticos dirigidos aos olhos, todo o esquema de reparação o Evangelho. Até que ponto essa instrução espiritual foi recebida por toda geração sucessiva dos israelitas, pode não ser fácil determinar. Mas o tabernáculo, como a lei da qual fazia parte, era um professor para Cristo [Gl 3:24-25]. Assim como as paredes das escolas são vistas repletas de figuras pictóricas, pelas quais as crianças, em um nível de suas capacidades e adequado para prender suas mentes voláteis, são mantidas em lembrança constante e familiar das lições de piedade e virtude, o tabernáculo era pretendido por seus móveis e todos os seus arranjos para servir como uma “sombra das coisas boas por vir” [Hb 10:1]. Nessa visão, a minuciosa descrição dada neste capítulo a respeito do assento da arca e da misericórdia, a mesa dos pães da proposição, o castiçal, o altar de incenso e o óleo sagrado, eram de grande utilidade e importância; e embora existam algumas coisas que são apenas apêndices ornamentais, tais como os nós e as flores, ainda, ao introduzi-las no tabernáculo, Deus mostrou a mesma sabedoria e bondade que Ele fez introduzindo flores reais no reino da natureza. envolver e gratificar o olho do homem.

18 De seus lados saíam seis braços; três braços de um lado do candelabro, e outros três braços do outro lado do candelabro:
19 Em um braço, três copos forma de amêndoas, um botão e uma flor; e no outro braço três copos forma de amêndoas, um botão e uma flor: e assim nos seis braços que saíam do candelabro.
20 E no candelabro havia quatro copos forma de amêndoas, seus botões e suas flores:
21 E um botão debaixo dos dois braços do mesmo, e outro botão debaixo dos outros dois braços do mesmo, e outro botão debaixo dos outros dois braços do mesmo, conforme os seis braços que saíam dele.
22 Seus botões e seus braços eram do mesmo; tudo era uma peça lavrada a martelo, de ouro puro.
23 Fez também suas sete lâmpadas, e seus tenazes, e seus apagadores, de ouro puro;
24 De um talento de ouro puro o fez, com todos os seus utensílios.

O altar do incenso

25 Fez também o altar do incenso de madeira de acácia: um côvado seu comprimento, e outro côvado sua largura, era quadrado; e sua altura de dois côvados; e suas pontas da mesma peça.
26 E cobriu-o de ouro puro, sua mesa e suas paredes ao redor, e suas pontas: e fez-lhe uma coroa de ouro ao redor.
27 Fez-lhe também dois anéis de ouro debaixo da coroa nos dois cantos aos dois lados, para passar por eles as varas com que havia de ser conduzido.
28 E fez as varas de madeira de acácia, e cobriu-as de ouro.
29 Fez também o azeite santo da unção, e o fino incenso aromático, de obra de perfumista.
<Êxodo 36 Êxodo 38>

Leia também uma introdução ao livro do Êxodo.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

Conteúdos recomendados