Biografia

Rei Uzias

Mensagem importante
Olá visitante do Apologeta! Vou direto ao ponto: peço que você me ajude a manter este projeto. Atualmente a renda gerada através dos anúncios são insuficientes para que eu me dedique exclusivamente a ele. Se cada pessoa que ler essa mensagem hoje, doar o valor de R$10.00, eu poderia me dedicar integralmente ao Apologeta pelo próximo ano e ainda remover todas as propagandas do site (que eu sei que são um pouco incômodas). Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade. O que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Faça parte deste projeto e o ajude a continuar crescendo. Obrigado!

Uzias foi um dos filhos de Amazias, a quem o povo fez rei de Judá em lugar de seu pai (2Rs 14:21; 2Cr 26:1). Seu longo reinado de cerca de cinquenta e dois anos foi “o mais próspero, exceto o de Jeosafá desde o tempo de Salomão”. Ele era um governante vigoroso e capaz, e “o seu nome espalhou-se até a entrada do Egito” (2Cr 26:8,14). Na parte inicial de seu reinado, sob a influência de Zacarias, ele foi fiel a Jeová e “fez o que era reto aos olhos do Senhor” (2Rs 15:3; 2Cr 26:4-5) ; mas no final de sua longa vida “seu coração se enalteceu até corromper-se”, e ele violou propositalmente o ofício do sacerdote (2Cr 26:16), entrando no santuário começou a oferecer incenso no altar de ouro. Azarias, o sumo sacerdote, com um grupo de oitenta sacerdotes resistiu a ele (2Cr 26:17), dizendo: “Não é certo que você, Uzias, queime incenso ao Senhor”. Uzias foi repentinamente ferido de lepra durante o ato de oferecer incenso (2Cr 26:19-21), e ele foi expulso do templo e obrigado a residir em “uma casa separada” até o dia de sua morte (2Rs 15:5,27; 2Cr 26:3). Ele foi enterrado em uma sepultura separada “no campo dos sepulcros reais” (2Rs 15:7; 2Cr 26:23). “Essa sepultura solitária na necrópole real testemunharia eloquentemente às gerações vindouras que toda autoridade terrestre deve se curvar diante da ordem inviolável da vontade divina, e que nenhuma interferência seria tolerada à aquele desdobramento dos propósitos de Deus, que, na plenitude dos tempos, revelaria o Cristo, o verdadeiro Sumo Sacerdote e Rei para sempre”  (Dr. Green’s Kingdom of Israel, etc.).

Adaptado de: Illustrated Bible Dictionary.

Conteúdos recomendados