Colossenses 3:24

Pois sabeis que recebereis do Senhor a recompensa da herança; servi ao Senhor Cristo.

Comentário A. R. Fausset

a recompensa da herança – “Sabendo que é do Senhor (a fonte última de recompensa), que recebereis a compensação (ou recompensa, que fará amplas reparações por não terdes agora posse terrena como escravos) consistindo da herança”. (Um termo excluindo a noção de merecimento pelas obras: é tudo da graça, Romanos 4:14; Gálatas 3:18). [JFB]

Comentário de L. B. Radford

recebereis. O verbo grego é um composto que denota (1) receber como devido, por exemplo. Lucas 6:34, ou (2) para receber na íntegra, por exemplo, Lucas 16:25. Ambas as idéias são misturadas em Romanos 1:27 na retribuição do pecado. Então eles estão aqui. A herança é tanto a plenitude de um dom divino quanto o devido cumprimento da promessa divina.

a recompensa da herança, ou seja, a recompensa que consiste na herança. Para a idéia da herança, a glória divinamente destinada da humanidade redimida, veja nota em 1:12. Tanto a recompensa quanto a herança são um contraste marcante com as condições de vida de um escravo. Ele não recebeu nenhuma recompensa por seu trabalho na forma de salários. Ele não tinha direito legal de herança; daí o contraste entre o escravo e o herdeiro em Mateus 21:35, 38, Romanos 8:15-17, Gálatas 4:1, 7. Em Cristo o escravo é tanto um homem liberto (1Coríntios 7:22) quanto um filho e um herdeiro (Gálatas 4:7).

servi ao Senhor Cristo. Em vista da óbvia antítese entre o mestre (senhor grego) e Cristo nesta seção, talvez devêssemos traduzir Senhor aqui como Mestre ou parafrasear como Senhor e Mestre. A sequência do pensamento, no entanto, é difícil de determinar. (1) Existem variações no texto grego. O texto tradicional tem para você servir aqui. Nesse caso, a conexão é: ‘o que quer que você receba de seu mestre terreno, do Senhor você receberá uma recompensa eterna, pois Cristo é, em última análise, o Senhor e Mestre de quem você é servo’. E a próxima partícula de conexão no texto tradicional é mas. Nesse caso, a linha de pensamento procede assim: ‘mas lembre-se, há outra certeza de retribuição no futuro, retribuição para o escravo que ofende seu senhor; não há parcialidade de julgamento em favor de um malfeitor que alega sua posição de sujeição como justificação ou mitigação de seu delito. (2) O texto revisado omite antes de servir, e lê para aquele que faz o mal. Nesse caso, o serviço pode ser indicativo ou imperativo. (A) Se for indicativo, o sentido do versículo 24 funciona como antes. A ausência de for apenas coloca a base da certeza de sua recompensa em relevo mais ousado: ‘vocês são servos de Cristo e Ele é o seu verdadeiro Mestre’. Mas aí Paulo deixa a perspectiva da recompensa futura pela fidelidade ao dever, e o retorno à responsabilidade do serviço presente indica que o fracasso no dever também tem uma perspectiva a enfrentar. ‘Trabalhe com entusiasmo’, ele parece dizer mais uma vez, ‘pois o servo que prejudica seu mestre negligenciando ou estragando seu trabalho colherá os frutos de seu erro, etc. (B) Se servir é imperativo, então ‘servir a Cristo como seu verdadeiro Mestre’ é uma continuação do lembrete do dever presente, uma continuação de ‘trabalhar de todo o coração como para o Senhor’. A questão então surge se o próximo versículo se refere ao servo injusto ou ao mestre injusto. (a) Neste último caso, a linha de pensamento deve ser ‘servir a Cristo, seu verdadeiro Mestre, e nunca permitir que a injustiça de um mestre terreno o tente a retaliar; pois ele colherá os frutos de sua injustiça; não há classe favorecida com Deus’. Em Efésios 6:9 esse é o significado de ‘respeito às pessoas’, que vem aí na advertência aos mestres. Mas aqui a palavra inicial ‘mestres’ em 4:1 parece indicar que tudo antes dessa palavra pertence às advertências aos escravos. (b) Se o malfeitor é o escravo, a conexão de pensamento será: ‘sirva a Cristo, seu verdadeiro Mestre, e deixe que Seu serviço o torne fiel no serviço de seu mestre terreno, pois se você o prejudicar, você colha os frutos do seu erro; Deus não tem um padrão inferior, nenhuma clemência especial, para escravos como tal você será julgado como cristão e pelo mesmo padrão que outros cristãos. A palavra grega para fazer o mal aqui é usada para Onésimo em Filemom 18; e a ênfase mais completa de Paulo no dever de fidelidade do escravo aqui pode ser devido à sua ansiedade “para que, em seu amor pelo ofensor, ele parecesse tolerar a ofensa”. (c) É possível que Paulo tenha em mente aqui todo mal por parte do escravo ou mestre, compare com Efésios 6:8, onde a recompensa do bem é certa, ‘seja ele escravo ou livre’. Essa interpretação mais ampla dá força adicional à negação de acepção de pessoas. [Radford, aguardando revisão]

< Colossenses 3:23 Colossenses 3:25 >

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – janeiro de 2021.