Mateus 22:39

E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.

Comentário Barnes

O segundo, semelhante a este. Levítico 19:18. Ou seja, se assemelha a ele em importância, dignidade, pureza e utilidade. Isto não havia sido solicitado pelo advogado, mas Jesus aproveitou a ocasião para familiarizá-lo com a substância de toda a lei. Compare com Romanos 13:9. Marcos acrescenta: “não há outro mandamento maior do que estes”. A circuncisão e o sacrifício não são maiores do que estes. Eles são a fonte de todos. [Barnes]

Comentário Schaff

O segundo, semelhante a este. Nosso Senhor, portanto, exalta a segunda taboa da Lei a uma igualdade com a primeira. A lei moral de Deus tem unidade: embora uma taboa seja ‘grande e primeira’, a ‘segunda’ é ‘semelhante a ela’ O farisaísmo coloca a segunda em um lugar inferior, pensando que o aparente serviço de Deus pode expiar a falta de caridade para com os homens. Mas o amor supremo a Deus deve se manifestar em amor aos homens. Da mesma forma, os dois são correspondentes, não contraditórios. O erro do humanismo é fazer do “segundo” “o grande e primeiro” mandamento.

Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Levítico 19:18. “O homem deve amar o seu próximo, 1. não como ama a si mesmo, mas como deve amar a si mesmo; 2. não no mesmo grau, mas da mesma maneira, isto é, livre e prontamente, sincera e não fingida, ternamente e compassivamente, constantemente e perseverantemente” (W. Burkitt). Surgem casos em que o homem deveria amar seu próximo mais do que sua vida, sua vida física, e o fez, sacrificando-a por seus semelhantes, seu país e a igreja, imitando o exemplo de Cristo e dos mártires. [Schaff]

Comentário Whedon

O segundo, semelhante a este. Tal como em ser fundado no amor; tal como em ser de fato incluído no primeiro. Pois, se amamos a Deus completamente, cumpriremos todos os nossos deveres para com suas criaturas.

como a ti mesmo – para que possamos nos amar. As Escrituras ensinam a abnegação, mas não ensinam a auto aniquilação. Eles proíbem o egoísmo, mas não proíbem o amor-próprio. O amor ao próximo pode não ser da mesma espécie com o amor a nós mesmos. Pode ser mais de natureza moral e menos instintiva. Portanto, o amor que temos pelo nosso próximo é diferente do amor que temos pelos nossos contatos mais próximos. As relações parentais e conjugais exigem de nós deveres e sentimentos peculiares.

Se eu quiser amar meu próximo como a mim mesmo, não devo exigir que ele faça por mim ou por minha família os deveres que tenho comigo mesmo ou com minha família; visto que não desejo cumprir tais deveres por ele ou por sua família. Se eu amar meu próximo como a mim mesmo, estarei disposto a cumprir todos os meus deveres em meu próprio lugar e permitir que ele cumpra os deveres e desfrute dos bens que lhe cabem.

Esta lei é, portanto, a mesma que a regra de ouro, a primeira sendo declarada como a lei do homem interior, a última sua regra de ação externa. [Whedon]

< Mateus 22:38 Mateus 22:40 >

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – janeiro de 2021.