Aramaico

Aramaico é o nome dado a uma forma semítica de linguagem, intimamente relacionada ao Hebraico e ao Fenício, mas exibindo características distintas e existindo em diferentes dialetos. Sua origem pode ter sido na Mesopotâmia (Arã), mas se espalhou para o Norte e Oeste, tornando-se a língua principal em extensas regiões. Após o retorno do Cativeiro, substituiu o Hebraico como a língua falada pelos judeus na Palestina. Em sua forma oriental, é conhecido como Siríaco. Em sua ocorrência no Antigo Testamento, antigamente, embora incorretamente, era geralmente chamada de Caldeu. Este artigo lida principalmente com suas relações no Antigo Testamento.

Primeiras menções do aramaico na Escritura

Se desconsiderarmos duas palavras que aparecem em Gênesis 31:47, a primeira menção do uso desta língua na Escritura ocorre no pedido feito pelos representantes de Ezequias a Rabsaqué: “Por favor, fale com estes seus servos em aramaico” (‘aramith, 2Reis 18:26, NAA; Isaías 36:11). A narrativa da qual fizemos esta citação, mesmo que estivesse sozinha, provaria que o aramaico, “a língua síria”, era tão diferente do Hebraico, “a língua dos judeus”, que não era entendido pelos habitantes de Jerusalém. Além disso, mostra que o aramaico era a língua comum da diplomacia assíria. Em seguida, encontramos o aramaico em Jeremias 10:11, que parece ser uma resposta colocada nas bocas dos judeus como uma réplica a qualquer tentativa de seduzi-los à adoração de ídolos. Se assumirmos que a data tradicional de Daniel está correta, os seis capítulos deste livro (Dn 2:4 — 7:28), que formam a maior parte do todo, são a próxima e mais importante ocorrência do aramaico na Escritura. Além disso, há passagens em Esdras 4:8; Esdras 7:12-26, totalizando aproximadamente três capítulos, nas quais o aramaico é usado. No Novo Testamento, várias palavras e frases aramaicas aparecem, embora modificadas por terem passado pelo Grego.

Evidências extrabíblicas do aramaico

Anteriormente, nosso conhecimento do aramaico anterior aos Targuns e à Peshita estava restrito às passagens das Escrituras mencionadas acima. No entanto, descobertas nos colocaram em uma posição diferente. Na última década do século XiX, extensas inscrições foram descobertas em Sibbaldia, nas proximidades de Aleppo, datadas dos reinados de Tiglate-Pileser e dos monarcas Sargonidas, e uma que parece mais antiga. Houve também a descoberta dos papiros de Assuã; esses papiros têm datas que sincronizam com os livros de Esdras e Neemias. Antes dessas descobertas, mas entre elas na data de origem, estão pesos do reinado de Sargão, com duas inscrições, uma oficial, em cuneiforme, que não apenas fornece a designação do peso, mas relata o nome e os títulos do rei; a outra, popular, em aramaico, que apenas informa o peso. É ainda mais notável o fato de que, frequentemente, em relação a tabuletas de contratos, enquanto o documento vinculativo está em caracteres cuneiformes e em língua assíria, a inscrição no envelope de argila, que servia como súmula, está em aramaico, língua e escrita. Isso comprova que, pelo menos antes do reinado de Tiglate-Pileser, o aramaico era a língua geral para comércio e diplomacia em todo o sudoeste da Ásia.

Conteúdo exclusivo para assinantes. Clique aqui e conheça todos os benefícios de assinar o Apologeta.