Colossenses 2:10

E vós vos tornais plenos nele, que é o cabeça de todo governo e autoridade.

Comentário A. R. Fausset

E – e portanto; e entao. Traduza na ordem grega: “Estais Nele (em virtude da união com Ele) cheio” de tudo o que você precisa (Jo 1:16). Os crentes recebem da unção divina que flui da sua Divina Cabeça e Sumo Sacerdote (Salmo 133:2). Ele está cheio da “plenitude” em si; nós, cheio dele. Paulo implica, Portanto, os colossenses não precisam de fontes suplementares de graça, como os falsos mestres sonham. Cristo é “o cabeça de todo governo e autoridade” (assim o grego), Efésios 1:10; Ele, portanto, sozinho, não este sujeito “autoridades” também, deve ser adorado (Colossenses 2:18). [JFB, aguardando revisão]

Comentário de L. B. Radford

E vós vos tornais plenos nele. Alguns eruditos fazem dois predicados desta sentença: (1) você está Nele, (2) você está preenchido por ele ou já está preenchido. A separação não é inadequada. Paulo pode estar insistindo que, em vista de sua união com Cristo, qualquer inclinação para outras fontes possíveis de ajuda significa incorrer na culpa da deslealdade ou no risco de desastre. Mas a ênfase do contexto não está em sua união com Cristo em si, mas em sua consequência, o dom de sua vida espiritual. A repetição de nEle é significativa; Cristo é o ponto de encontro de Deus e do homem, a personificação da vida de Deus e o enriquecimento da vida do homem a partir da riqueza dessa vida divina assim incorporada.

Este processo de preenchimento da vida do cristão é visto sob várias luzes. (1) João 1:16, de Sua plenitude todos nós recebemos’ pode referir-se à missão terrena de Cristo vista em retrospecto, ou à entrada de cada indivíduo na vida cristã. Aqui o particípio passivo perfeito parece denotar que a experiência do cristão da graça divina em Cristo é completa e permanente. Em Efésios 1:23 o presente particípio parece denotar que é um processo gradual, a realização progressiva de Cristo na vida da Igreja. Em Efésios 3:19 esse enchimento é o fim do processo, o objetivo distante da oração do Apóstolo por seus leitores. (2) A relação do processo com o pleroma divino é dupla. O pleroma é o tesouro sobre o qual o cristão recorre, João 1:16, e também o padrão para o qual ele está se desenvolvendo, Efésios 3:19, 4:13.

Uma palavra de cautela é necessária. A plenitude da vida cristã deve ser distinguida da plenitude da vida de Cristo. Cristo não é ‘enchido’ em nenhum sentido que implique um processo gradual de ser enchido; a plenitude de Deus habita Nele desde a eternidade, antes e depois da Encarnação. A natureza humana é preenchida gradualmente, não com toda a plenitude de Deus, mas dessa plenitude, até os limites de sua capacidade, até o cumprimento de seu destino ideal. Não há sugestão aqui de o homem se tornar divino, mas apenas de ser aperfeiçoado como homem pelo influxo do amor divino. A consciência da união com Deus e a correspondência com a vontade de Deus não são deificação, embora a linguagem da experiência mística cristã às vezes tenha dado ocasião ou corrente à idéia de tal identificação com Deus.

ue é o cabeça de todo governo e autoridade. Das duas idéias sugeridas pelo termo cabeça, em outras palavras (1) soberana ou superior em posição, (2) fonte e centro de vida e energia, a primeira está aqui principalmente, se não exclusivamente, na mente do apóstolo, como também em 1Coríntios 11:3 e talvez Efésios 5:23. A segunda está implícita com referência a seres angélicos em 1:16-17 e talvez aqui; os anjos a quem os colossenses foram tentados a procurar assistência e sustento deviam seu próprio lugar no mundo da vida a Cristo. Mas aqui a ênfase parece estar mais no fato de que eles são subordinados que Lhe devem fidelidade e, portanto, não têm o direito de receber fidelidade de Seus outros súditos. É digno de nota que, embora Cristo seja descrito como sua cabeça, eles não são descritos como Seu corpo; que a relação mais íntima entre cabeça e membros é reservada para a Igreja e os santos. [Radford, aguardando revisão]

< Colossenses 2:9 Colossenses 2:11 >

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – janeiro de 2021.