Colossenses 2:9

Pois nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade.

Comentário A. R. Fausset

Pois – “Porque”. Sua “filosofia” (Colossenses 2:8) não é “depois de Cristo”, como toda filosofia verdadeira é, tudo o que vem não vem, e não tende a Ele, sendo uma ilusão; “Pois nele (só) habita” como em um templo, etc.

a plenitude – (Colossenses 1:19; Jo 14:10).

da divindade – O grego (“theotes}) significa a essência e a natureza da divindade, não apenas as perfeições e atribuições divinas da divindade (em grego, “{theiotes}”). Ele, como homem, não era apenas divino, mas no sentido mais pleno, Deus.

corporalmente – não meramente como antes de Sua encarnação, mas agora “corporalmente Nele” como a palavra encarnada (Jo 1:14, Jo 1:18). Os crentes, pela união com Ele, participam da Sua plenitude da natureza divina (Jo 1:16; 2Pedro 1:4; veja Efésios 3:19). [JFB, aguardando revisão]

Comentário de L. B. Radford

Pois nele habita. Sobre a permanência desta habitação, veja nota em 1:19. A conexão de pensamento parece funcionar assim: ‘Cuidado para não ser arrastado por uma filosofia que gira em torno de uma teoria dos poderes cósmicos e não em torno do fato de Cristo. Eles não podem lhe dar o que você precisa. A Cristo e somente a Cristo você deve olhar, pois é em Cristo e somente em Cristo que a vida de Deus em toda a sua plenitude se torna disponível para a vida do homem.’

corporalmente. Várias interpretações foram sugeridas: (1) essencialmente, ou seja, uma presença real da natureza divina, e não uma mera influência como a que inspirou os santos e profetas; (2) real ou literalmente, não em sentido figurado como na frase ‘um templo feito por mãos’; (3) em sua totalidade, ou seja, não parcialmente ou apenas em alguns aspectos – uma resposta ao falso ensino que distribuiu o pleroma entre Cristo e os anjos – ‘em Cristo habitava toda a plenitude indivisa da Deidade, não fragmentariamente, mas como um inteiro’ (Jones). Todas essas interpretações colocam uma tensão não natural sobre a palavra grega. (4) A referência mais natural é ao corpo humano de Cristo. Crisóstomo sugere que Paulo pode ter deliberadamente evitado dizer em Seu corpo, o que poderia ter dado a ideia de que a Divindade poderia estar confinada ou contida em Seu corpo; ele usou em vez disso uma palavra que simplesmente diz em forma corpórea. As palavras anteriores tomadas sozinhas podem parecer se referir à habitação da natureza divina no Verbo Eterno, o Filho pré-encarnado, compare com nota em 1:19. A adição corporal refere-se àquela habitação claramente à Encarnação; a habitação continuou em toda a sua completude no Filho Encarnado. Lightfoot observa que as palavras anteriores correspondem à frase inicial de João ‘o Verbo era Deus’, e a palavra corporalmente à declaração posterior ‘o Verbo se fez carne’. (5) O único rival real a esta interpretação é a sugestão de que corporalmente se refere à Igreja como o Corpo de Cristo. ‘Em Cristo habita toda a plenitude da Divindade, expressando-se através de um corpo: um corpo no qual você está incorporado, para que nele a plenitude seja sua’ (Arm. Robinson, Efésios, p. 88). Mas essa interpretação parece envolver a inversão da idéia do Corpo, pois representa o Corpo como habitando em Cristo, enquanto a essência do Corpo é que ele é habitado por Cristo. E é duvidoso que Paulo tivesse introduzido um pensamento tão remoto de forma tão abrupta e obscura sem nenhuma explicação adicional.

toda a plenitude da divindade. A idéia da natureza divina (diferente da personalidade de Deus) ocorre apenas duas vezes em Paulo. Em Romanos 1:20 a palavra Grego é theiotes, Lat. divinitas, o caráter ou qualidade de ser divino, Grego theios. Aqui é theotes, a essência ou conteúdo do ser divino (ou seja, o que constitui Deus, Grego theos), para o qual os pais latinos posteriores cunharam a palavra deitas, para evitar a ambiguidade envolvida no uso de divinitas para traduzir ambas as palavras gregas. A distinção é da mais alta importância prática. A palavra divina tanto em latim quanto em inglês sempre incluiu todos os graus de super-humanidade. Em algumas fases do ensino teológico e da crença popular, Cristo é reconhecido como divino, mas não como Deus. Sua divindade é reconhecida, mas Sua divindade é negada ou posta em dúvida. Foi esta distinção que dividiu os teólogos da era nicena. A ‘disputa por um iota’ era uma luta pela divindade de Cristo como contra qualquer mera divindade. Homoiousios significava uma natureza semelhante ou semelhante à do Pai; homoousios a mesma natureza do Pai, ‘sendo de uma substância com o Pai’, como afirma o Credo de Nicéia. [Radford, aguardando revisão]

< Colossenses 2:8 Colossenses 2:10 >

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – janeiro de 2021.