Colossenses 2:3

Nele estão ocultos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento.

Comentário A. R. Fausset

Traduza na ordem grega: “Em quem (não como Alford, em que ‘) mistério; Cristo é o próprio ‘mistério’ (Colossenses 2:2; 1Timóteo 3:16), e para Cristo o referente refere-se a todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento ocultos. ”O“ tudo ”aqui, responde a“ todos ”em Colossenses 2:2; como “tesouros” resposta às “riquezas”; é dos tesouros que as riquezas (Colossenses 2:2) são derivadas. “Are” é o predicado da sentença; todos os tesouros estão nele; oculto é predicado do estado ou maneira em que eles estão nele. Como uma mina de riqueza desconhecida e inesgotável, os tesouros da sabedoria estão todos nEle escondidos, mas não para permanecer assim; eles só precisam ser explorados para você alcançar “as riquezas” neles (Colossenses 2:2); mas até que você, Colossenses, pressione depois de atingir o pleno conhecimento (veja em Colossenses 2:2) deles, eles permanecem “ocultos”. Compare a parábola, Mateus 13:44, “tesouro escondido”. Esse sentido se adapta ao escopo do apóstolo, e deixa de lado a objeção de Alford de que “os tesouros não estão ocultos, mas revelados”. “Oculto” claramente responde ao “mistério” (Colossenses 2:2), que é designado por Deus, se formos fiéis aos nossos privilégios , para não permanecer escondido, mas para ser revelado (compare 1Coríntios 2:7, 1Coríntios 2:8). Ainda assim, como a mina é insondável, haverá, através da eternidade, sempre novos tesouros Nele para serem extraídos de seu estado oculto.

sabedoria – geral, e quanto à verdade experimental e prática; de onde vem a “compreensão” (Colossenses 2:2).

conhecimento – especial e intelectual, em relação à verdade doutrinária; de onde vem “o pleno conhecimento” (Colossenses 2:2).[JFB, aguardando revisão]

Comentário de L. B. Radford

Nele, ou seja, Cristo. King James mg. em que, ou seja, em que mistério. Como o mistério é Cristo, as duas construções significam praticamente a mesma coisa. Se for feita uma distinção entre o mistério como desígnio divino e Cristo como a pessoa divina em quem se realiza, então (1) com a tradução em que mistério, “sabedoria e conhecimento” podem denotar as verdades objetivas, os conteúdos positivos de o mistério, (2) com a tradução em quem, a sabedoria e o conhecimento denotariam antes Sua mente na qual Seus discípulos podem entrar (1Coríntios 2:16), ou Sua própria sabedoria e conhecimento (cp. Isaías 11:2) que Ele comunica a eles. A segunda dessas interpretações sugere uma ideia mais ampla. Toda verdade espiritual é, em última instância, pessoal. É a comunhão da mente do homem com a mente de Deus, uma comunhão realizada em grau máximo somente em Cristo. E em vista da unidade do universo como uma expressão da mente de Deus, toda verdade, científica e espiritual, centra-se em Cristo, epístola Colossenses 1:17, Efésios 1:10.

ocultos. A posição da palavra no grego no final da frase indica que não é um epíteto, mas um predicado; não são ‘todos os tesouros escondidos’, mas ali estão todos os tesouros, escondidos’. E o fato de que a palavra grega não é um particípio passivo (como em 1Coríntios 2:7 e Efésios 3:9), mas um adjetivo indica que os tesouros não foram escondidos da descoberta, mas estão simplesmente aguardando descoberta, ‘de modo que cada um deve peça a Ele; Ele é quem dá sabedoria e conhecimento’ (Crisóstomo). A palavra grega apócrifos usada aqui é usada para tesouros escondidos na Septuaginta. Isaías 45:3 e 1 Macc. 1:23 (ambos os tempos de tesouros saqueados por um conquistador); de coisas ocultas que devem ser manifestadas, por exemplo. a luz do Evangelho ou da fé no Evangelho, Marcos 4:22, Lucas 8:17. Lightfoot refere-se ao seu uso pelos gnósticos para descrever seus escritos esotéricos, cuidadosamente guardados de publicação, e talvez também suas doutrinas esotéricas, reveladas apenas a uns poucos selecionados; e conclui que o Apóstolo (como com a palavra ‘perfeito’, teleios, em 1:28) aqui ‘adota um termo favorito dos mestres gnósticos, apenas para que ele possa refutar uma doutrina favorita’. ‘Todos os tesouros mais ricos’, assim ele parafraseia, daquela sabedoria secreta na qual você tanto enfatiza, estão sepultados em Cristo, e sendo sepultados ali são acessíveis a todos os que O buscam’. É duvidoso que este uso gnóstico da palavra fosse corrente nesta data inicial. A paráfrase de Lightfoot é verdadeira o suficiente em substância, mas Paulo está se dirigindo não aos professores gnósticos, mas aos cristãos colossenses que correm o risco de ouvir uma espécie de gnosticismo.

todos. Lightfoot observa que a recorrência de todos (por exemplo, 2:2, 1:28) serve ‘para enfatizar o caráter do Evangelho, que é completo em si mesmo, pois é universal em sua aplicação’. Mas talvez devêssemos ver aqui antes uma insistência na supremacia de Cristo como a revelação única e completa da verdade, em oposição à tendência do ensino falso predominante de quebrar o pleroma (1:19, 2:10) e distribuir revelação entre uma série de seres espirituais e quase divinos, seja como rivais virtuais de Cristo, ou como intermediários entre Cristo e o homem.

tesouros. A palavra grega thesauros significava (1) um receptáculo para guardar objetos de valor, literalmente os caixões dos magos, Mateus 2:11; metaforicamente, o coração do homem como repositório de bons e maus pensamentos, Mateus 12:35, Lucas 6:45; a mente do verdadeiro escriba do reino, produzindo coisas novas e velhas, Mateus 13:52; (2) tesouros coletados e armazenados; riqueza material, Mateus 6:19, Hebreus 11:26, ou riqueza espiritual, ‘tesouros no céu’, Mateus 6:20, Marcos 10:21, Mateus 19:21, Lucas 12:33, 18:22; o tesouro da glória do Evangelho contrastado com o ‘jarro de barro’ do corpo ou personalidade de um apóstolo, 2Coríntios 4:7. Pode haver uma reminiscência da parábola do tesouro escondido em um campo, embora a idéia dominante seja a alegria da descoberta e a ânsia da aquisição, Mateus 13:44. compare com Eclus. 1:25 (26), e Prov. 2:2-5.

sabedoria e do conhecimento. A sabedoria (sophia) corresponde ao entendimento (synesis) no versículo 2, e o conhecimento (gnosis) aqui ao conhecimento (epignosis) ali. Quanto à distinção, a nota de Lightfoot ainda é citada pelos comentaristas como conclusiva. Enquanto a gnose é simplesmente intuitiva, sophia também é raciocinadora. Enquanto a gnose se aplica principalmente à apreensão das verdades, sophia acrescenta o poder de raciocinar sobre elas e traçar suas relações. Há algo, no entanto, a ser dito ainda para a distinção mais simples que veio a ser reconhecida entre as duas palavras inglesas: a sabedoria é mais ampla e mais profunda que o conhecimento; conhecimento é informação, sabedoria é inspiração; conhecimento é ciência, sabedoria é filosofia. O acoplamento das duas palavras no grego sob um artigo definido indica uma estreita conexão entre si, o que talvez seja uma advertência contra o perigo de sobredistinção. Em Romanos 11:33 eles ocorrem juntos na descrição da mente de Deus; em 1Coríntios 12:8 eles aparecem como dons do Espírito para diferentes membros da Igreja. [Radford, aguardando revisão]

< Colossenses 2:2 Colossenses 2:4 >

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – janeiro de 2021.