Colossenses 2:2

para que os seus corações sejam consolados, e estejam unidos em amor, e em todas as riquezas da pleno entendimento, para conhecimento do mistério de Deus: Cristo.

Comentário A. R. Fausset

Traduzir: “Para que seus corações possam ser consolados”. O “seu”, comparado com “você” (Colossenses 2:4), prova que em Colossenses 2:1 as palavras “não vi o meu rosto na carne” uma designação geral daqueles para quem Paulo declara ter “conflito”, incluindo as espécies particulares, “vocês (colossenses) e eles em Laodiceia”. Pois é claro, a oração “para que seus corações sejam consolados”, deve incluir Colossenses para quem ele expressamente diz: “Eu tenho conflito.” Assim, é um modo abreviado de expressão para: “Que você e seus corações podem ser consolados.” Alford traduz, “confirmado”, ou permite “confortado” em sua sentido radical original fortalecido. Mas o grego apóia a versão em inglês: o sentido também é claro: consolado com o consolo daqueles que Paulo não tinha visto e para quem, em consequência, ele lutava com mais fervor em conflito de oração; na medida em que estamos mais ansiosos em favor de amigos ausentes do que presentes [Davenant]. Seus corações seriam confortados por “saber que conflito ele tinha” e o quanto está interessado em seu bem-estar; e também sendo liberado das dúvidas sobre o aprendizado do apóstolo, que a doutrina que eles tinham ouvido de Epafras era verdadeira e certa. Ao escrever para as igrejas que ele instruiu cara a cara, ele entra em detalhes particulares a respeito delas, como um pai dirigindo seus filhos. Mas para aqueles entre os quais ele não esteve pessoalmente, ele trata das verdades mais gerais da salvação.

Sendo – Traduza como grego nos manuscritos mais antigos, “Eles estão sendo unidos.”

em amor – o vínculo e elemento de perfeito tricô juntos; o antídoto para o efeito cismático divisor da falsa doutrina. Amor a Deus e uns aos outros em Cristo.

até – o objeto e o fim do seu ser “unidos”.

todas as riquezas – grego, “todas as riquezas da plena certeza (1Tessalonicenses 1:5; Hebreus 6:11; Hebreus 10:22) do entendimento (cristão).” O acúmulo de frases, não apenas “entendimento”, mas “A plena garantia de compreensão”; não apenas isso, mas “as riquezas”, etc., não apenas isso, mas “todas as riquezas”, etc., implica em como ele deseja impressioná-los com a importante importância do assunto em questão.

para – Traduzir “até”.

reconhecimento – O grego implica, “conhecimento completo e preciso”. É uma palavra grega distinta de “conhecimento”, Colossenses 2:3. Alford traduz: “conhecimento profundo…”. O reconhecimento dificilmente é forte o suficiente; eles fizeram em certa medida reconhecer a verdade; o que eles queriam era o conhecimento completo e exato dele (compare Notas, veja em Colossenses 1:9, Colossenses 1:10; veja em Filemom 1:9).

de Deus, e do Pai e de Cristo – Os manuscritos mais antigos omitem “e do Pai e de”; em seguida, traduza: “De Deus (a saber), Cristo”. Dois manuscritos muito antigos e a Vulgata leram: “De Deus, o Pai de Cristo”.[JFB, aguardando revisão]

Comentário de L. B. Radford

para que os seus corações sejam consolados, ou seja, encorajados e confirmados. O verbo grego tem dois significados em Paulo, (1) exortar, (2) confortar, no sentido não de consolação, mas de confirmação; conforto no Novo Testamento não é um anódino, mas um tônico, não um alívio, mas um reforço, compare com seu acoplamento com o estabelecido em 1Tessalonicenses 3:2, 2 Ts. 2:17. É o trabalho de professores e amigos humanos, 1Tessalonicenses 3:2, 4:18, 2Coríntios 1:4, Colossenses 4:8, Efésios 6:22; a obra de Deus, 2Tessalonicenses 2:17, 2Coríntios 1:4. Em Colossenses 4:8 e Efésios 6:22 refere-se à garantia quanto ao bem-estar de Paulo. Ellicott comenta aqui: “certamente aqueles que foram expostos à triste prova do ensino errôneo precisavam de consolo”. Mas o contexto não sugere que os fiéis em Colossos estivessem preocupados com a heresia de outros, mas que eles mesmos estavam sendo tentados a cometer heresia. ‘Não era o consolo que era necessário, mas a confirmação na fé correta’ (Abbott). Esta confirmação é definida com as seguintes palavras: deve ser encontrada no amor e no conhecimento, em uma unidade mais estreita e em uma convicção mais profunda.

e estejam unidos em amor. Vulgata, instrui, ou seja, ensinado ou equipado. O verbo Grego significa instruir em 1Coríntios 2:16 (da Septuaginta. Isaías 40:13) e talvez Atos 19:33; talvez aqui, também, uma contrapartida para ‘falar a verdade em amor’, Efésios 4:15. Mas a referência ao amor aponta antes para o significado unido, que é o significado original da palavra “reunido”. Seu uso no sentido de instrução é derivado disso por vários estágios, (1) juntando as coisas e assim inferindo, Atos 16:10, (2) provando, Atos 9:22, (3) instruindo. O sentido original é encontrado também em Efésios 4:16, onde todo o corpo’ de Cristo é ‘adequadamente moldado e unido por meio daquilo que toda junta fornece’.

e em todas as riquezas. A linguagem é condensada: ‘e assim reunida e ligada em toda a riqueza da convicção’. “A riqueza conota não apenas a abundância” dessa convicção “mas também seu valor essencial” (Williams). Para a dependência do avanço da verdade cristã sobre a unidade do amor cristão, compare com Efésios 3:17, 18, ‘enraizados e fundados em amor, para que sejais fortalecidos para compreender com todos os santos’, etc. A ideia de riqueza moral e espiritual é um tema constante com Paulo. Dos trinta e cinco exemplos desse uso do grupo de palavras ‘riqueza’ no Novo Testamento, vinte e nove ocorrem nas epístolas de Paulo e nove em Colossenses e Efésios. Talvez a ampla experiência do longo trabalho missionário e depois o reflexo concentrado dos dias de confinamento tenham dado destaque ao pensamento do esplendor de Deus e da vida cristã. Talvez também o pensamento de riqueza espiritual tenha sido motivado pelo fato de ele estar escrevendo para um grupo de congregações em cidades ricas, cp.o julgamento sobre a Igreja de Laodicéia em Apocalipse 3:(1) ‘Riqueza’ é usado para descrever a natureza da Deus, (a) sua infinidade de recursos, Romanos 11:33, Efésios 3:8, (b) sua generosidade de amor e graça, Romanos 2:4, 9:23, 10:12, Efésios 1:7, 2: 4, 7, 3:16, Colossenses 1:27, Tito 3:6; as duas idéias são mescladas em 2Coríntios 8:9, Efésios 1:18. (2) Riqueza também é usada para descrever as experiências e atividades da vida cristã; o enriquecimento do mundo pela rejeição e ainda mais a restauração de Israel, Romanos 11:12; a generosidade da caridade cristã, 2Coríntios 8:2, 9:11; a abundância de dons espirituais, 1Coríntios 1:5, e aqui; a riqueza das boas obras, 1 Timóteo 6:18; o enriquecimento espiritual dos convertidos da pobreza material dos apóstolos, 2Coríntios 6:10; o contraste entre a riqueza espiritual da congregação pobre de Esmirna e a pobreza espiritual da congregação rica de Laodicéia, Apocalipse 2:9 e 3:17, 18; compare com o homem rico que ‘não é rico para com Deus’, Lucas 12:21.

da pleno entendimento. A palavra grega plerophoria traduzida como ‘plena certeza’ significa estritamente ‘cumprimento’ ou ‘plenitude’. É usado para esperança em Hebreus 6:11, de fé em Hebreus 10:22. Mas em 1 Tessalonicenses 1:5, onde o Evangelho é descrito como vindo “não apenas em palavras, mas em poder e no Espírito Santo e muita pleroforia”, pode significar cumprimento, mas provavelmente mais segurança e confiança, como o verbo em Romanos 4 :21, 14:5 ‘totalmente garantido’. ‘Garantia’ às vezes tem uma pitada de mera confiança; ‘convicção’ é talvez uma tradução melhor, ou seja, não o processo de ser convencido nem o conteúdo da convicção resultante, mas sua completude e certeza. De Wette considera a riqueza como quantitativa, ou seja, a ampla variedade e as ricas implicações de sua convicção, e a convicção como qualitativa, ou seja, a profundidade e a força de sua convicção como um estado de espírito. Pode haver uma nota mais profunda. À luz de 1 Tessalonicenses 1:5 (cp. Clemente de Roma, Cor. 1:42, ‘com a certeza do Espírito Santo’) este ‘entendimento’, tão seguro em seu domínio e tão amplo em seu alcance, pode significar deve ser considerado como dado não por um processo meramente intelectual, mas pela experiência espiritual, pelo testemunho interior do Espírito Santo. Sobre o significado da compreensão (Grego synesis) veja nota em 1:9. Aqui não é (1) a faculdade da mente pela qual as coisas são compreendidas, mas sim (2) o estado da mente em que as coisas são compreendidas.

para conhecimento do mistério, literalmente como em King James ‘para o reconhecimento do mistério’; mas “reconhecimento” agora significa reconhecimento declarado, enquanto a palavra grega, epignosis, significa simplesmente reconhecimento ou conhecimento. Sobre esta palavra, veja nota em 1:9; sobre ‘mistério’ veja nota em 1:26.

do mistério de Deus: Cristo, ou melhor ‘a saber, Cristo’. Há dois problemas nesta frase. (i) O primeiro é a determinação do texto grego. Existem sete variações principais nos manuscritos antigos. Deus em Cristo. Mas é difícil ver por que uma frase tão simples como qualquer uma dessas deve ter sido alterada por copistas. Todas as outras leituras variantes, exceto uma que omite ‘Cristo’, parecem apontar para ‘Cristo’ como parte do texto original. Eles são (1) que é Cristo, (2) e Cristo, (3) Deus o Pai de Cristo, (4) o Deus e Pai de Cristo, (5) Deus o Pai e Cristo, (6) Deus e o Pai e Cristo, a leitura seguida pela King James. Tudo isso parece ser uma correção do que parecia ser uma frase única e difícil, ou seja, o mistério de Deus, Cristo. A R. V. [King James, Versão Revisada] mantém isso e o torna convincentemente inteligível. (ii) O segundo problema é a interpretação desta leitura. (1) ‘Cristo’ foi tomado em oposição a ‘Deus’, em outras palavras, o mistério de Deus, isto é, de Cristo. Se isso significa que é o mistério de Cristo, é teologicamente admissível, mas tal descrição alternativa do mistério parece supérflua. Se significa Deus, isto é, Cristo, é teologicamente insustentável; não descreve Cristo como Deus, que é uma descrição verdadeira, mas Deus como Cristo, ‘ignorando assim a distinção de Pessoas’ (Abbott). (2) Se a vírgula for omitida, temos o Deus Cristo, uma expressão que ‘parece inconsistente com o monoteísmo estrito’ (Abbott), pois ao definir Deus como Cristo, ‘sugere que outras definições são possíveis’. E, de qualquer forma, a frase é dura em si mesma e sem paralelo no Novo Testamento (3) Cristo’ foi tomado como dependente de ‘Deus’, ou seja, o Deus de Cristo. Esta é uma expressão abrupta que dificilmente pode ser defendida por referência a João 20:17, ‘meu Deus e seu Deus’ ou à frase mais completa ‘o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo’ em Romanos 15:6, 2Coríntios 1:3 , 11:31, Efésios 1:3, 17, Colossenses 1:3. A explicação de Meyer de que o mistério só é revelado para aqueles que reconhecem Deus como o Deus de Cristo, uma vez que Cristo é a encarnação e revelação do mistério, é uma idéia muito complicada para ser extraída ou lida na descrição simples ‘o Deus de Cristo’ ou seu contexto. (4) Ficamos com a tradução da R.V. [King James, Versão Revisada] que toma ‘Cristo’ em oposição ao ‘mistério’. A afirmação de Hort de que ‘em outras partes do Novo Testamento Cristo sempre aparece como o sujeito do mistério, não como o mistério em si’ dificilmente é justificada em face de Colossenses 1:27 e 1Timóteo 3:16. Lightfoot considera que o mistério não é a Pessoa de Cristo, mas “Cristo contendo em Si mesmo todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento”. Mas a sentença assim ligada a ‘Cristo’ soa como uma descrição suplementar do próprio Cristo, em vez de uma limitação do mistério a um aspecto particular de Cristo. E afinal, é o próprio Cristo, e não qualquer verdade ou corpo de verdade revelado por Cristo ou implícito em Cristo, que constitui o único grande mistério ou revelação de Deus. Veja nota sobre o significado cristão de ‘mistério’ (p. 205.) “A vida de Jesus, como está diante de nós nos Evangelhos, é o verdadeiro mistério… O único propósito da vinda de Cristo foi revelar-se” (E. F. Scott, The Apologetic of the N.T., pp. 182, 208). Essa grande doutrina paulina também é joanina, compare com João 1:17, ‘a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo’. Em Sua vinda e em Seu caráter, como Filho de Deus e Verbo Eterno, Cristo é o mistério de mistérios, a fonte e a soma da revelação. [Radford, aguardando revisão]

< Colossenses 2:1 Colossenses 2:3 >

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – janeiro de 2021.