Colossenses 2:13

E quando vós estáveis mortos em pecados, na incircuncisão da vossa carne, Deus vos deu vida juntamente com ele, perdoando-vos todas as ofensas.

Comentário A. R. Fausset

vós estáveis mortos – anteriormente (Efésios 2:1, Efésios 2:2); assim como Cristo estava entre os mortos, antes Deus O ressuscitou “dos mortos” (Colossenses 2:12).

pecados – um pouco como o grego é traduzido no final deste verso, “transgressões”, literalmente, “falhas à parte” dos caminhos de Deus; transgressões reais, como a de Adão.

incircuncisão da vossa carne – não tendo adiado a velha natureza carnal, o prepúcio carnal ou pecado original, que agora pela circuncisão espiritual, isto é, conversão e batismo, você adiou.

ele acelerou – Deus “vivificou juntamente com Ele (Cristo)”. Assim como a ressurreição de Cristo provou que Ele foi liberto do pecado posto nEle, assim nossa vivificação espiritual prova que fomos perdoados de nossos pecados (1Pedro 3:22 1Pedro 4:1, 2).

perdoando-vos – Então Vulgata e Hilary. Mas os manuscritos mais antigos dizem “nós”, passando das pessoas em particular, os colossenses, para a Igreja geral (Colossenses 1:14; Efésios 1:7).

todas as ofensas – grego, “todas as nossas ofensas” [JFB, aguardando revisão]

Comentário de L. B. Radford

E quando vós, ou seja, vocês também, (1) ‘vocês gentios’, bem como os judeus, epístola 3:7, 8, Efésios 1:13, 2:1 ss, 11, 13, 17, 22, 3:2, 4 :17, mas sem qualquer antítese afiada para cristãos judeus, ou (2) ‘você também, assim como Cristo’, a ressurreição espiritual dos gentios foi outra prova do poder de Deus manifestado na ressurreição de Cristo.

mortos. A ideia é sugerida pela ocorrência da palavra na frase anterior. Mas ali a palavra se refere implicitamente à sua morte simbólica ou mística à antiga vida no batismo. Aqui se refere àquele estado de morte moral em que eles estavam antes de sua conversão, compare com Mateus 8:22, ‘deixe os mortos enterrarem seus próprios mortos’, e João 5:25, os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus, e os que ouvirem viverão’.

em pecados, na incircuncisão da vossa carne. (1) King James em seus pecados, etc, seguindo o texto tradicional de Grego que tem a preposição em, omitida em todos os textos revisados, ou (2) ‘em relação aos seus pecados’, ou muito mais provavelmente (3) ‘através de seu pecados’. Mas a distinção entre as circunstâncias, a extensão e a causa de sua morte espiritual é mais lógica do que prática. A distinção entre transgressões e incircuncisão é mais importante. É virtualmente a distinção entre pecado real e pecado original, entre atos pecaminosos e um estado de tendência ao pecado, comparar com pecados e maldade na Confissão Geral. Mas a frase incircuncisão de sua carne serve a mais de um propósito. Denota paganismo gentio; mas o descreve em termos de referência espiritual e ritual. Sua condição física era simbólica de sua condição moral.

vos deu vida. O sujeito do verbo é quase certamente Deus, compare com o paralelo Efésios 2:5. A ressurreição de Cristo é quase sempre no Novo Testamento considerada como um ato de Deus. Deus ainda é o sujeito em ‘ter apagado o vínculo’ como também em ‘ter perdoado’. Mas o versículo 15 parece claramente referir-se a Cristo, e Cristo é, portanto, provavelmente o assunto em ‘ele tirou o vínculo do caminho’.

A vivificação, como a ressurreição, é parte da experiência de união do convertido com o Cristo ressuscitado. Mas enquanto a ressurreição é um lado de um processo místico ou sacramental, a contrapartida do sepultamento da velha vida no batismo, por outro lado, o contraste entre a vivificação e o estado precedente da morte moral aponta não apenas para um novo começo, mas para uma nova energia, compare com a seqüência de ressurreição e reavivamento em João 5:21, ‘como o Pai ressuscita e vivifica’ os espiritualmente mortos. Lightfoot desaprova o dilema de escolha na interpretação entre imortalidade e regeneração; para Paulo “a futura vida glorificada é apenas a continuação da vida moral e espiritual presente”. com o senso de perdão nascido da crença na ressurreição de Cristo que ‘morreu por nossos pecados’, compare com João 14:19, ‘porque eu vivo, vós também vivereis’.

A palavra grega traduzida vivificar ou dar vida ou vivificar é usada em uma variedade instrutiva de contextos. Em Romanos 8:11, 1Coríntios 15:22 é usado para a ressurreição do corpo mortal; em João 5:21 da ressurreição de almas espiritualmente mortas. Em três casos muito diferentes denota um reavivamento ou liberação de força vital. Em Romanos 4:17 é a renovação dos poderes físicos de Abraão e Sara. Em 1Coríntios 15:36 é a liberação do princípio da vida na semente pela desintegração de seus átomos materiais. Em 1Pedro 3:18 descreve a nova atividade da alma de Cristo na qual ele também foi e pregou aos espíritos em prisão’ enquanto Seu corpo estava pendurado morto na Cruz. Em três outros casos denota o espiritual em contraste com o material ou literal ou legal. Em João 6:63 descreve a fecundidade da interpretação espiritual do ensino e pessoa de nosso Senhor, ‘o espírito que vivifica’ enquanto ‘a carne para nada aproveita’. A lei não pode inspirar a vida, Gálatas 3:21. A letra, a lei escrita, mata a esperança e o esforço; somente o espírito do Evangelho pode dar um novo propósito e poder à vida da alma, 2Coríntios 3:6. Essa doação da vida em seu sentido mais amplo é obra de Cristo. “O último Adão tornou-se um espírito vivificante’, 1Coríntios 15:45. Assim como o Pai ressuscita e vivifica os mortos’, os mortos espiritualmente, ‘assim o Filho vivifica a quem quer’, João 5:21. No entanto, o poder vivificador é o Espírito que habita, Romanos 8:11, onde a fonte última do poder vivificador é colocada em Deus Pai. compare com o Credo Niceno, onde o Espírito Santo é descrito como Senhor (isto é, Deus) e Doador de vida, literalmente ‘o vivificador ‘.

perdoando-vos. Compare com a mudança de você para nós em 1:10-13, 3:3, 4, Efésios 2:2, 3, 13, 14, 4:31, 32, 5:2, e 1Tessalonicenses 5:5. Quando Paulo chega ao coração da experiência cristã, ele se apressa em incluir a si mesmo e a todos os cristãos, em parte porque sua própria conversão era uma consciência permanente e em parte talvez porque ele se encolheu diante de qualquer coisa que pudesse parecer um tom de superioridade para seus leitores. Perdoar representa duas palavras gregas: (1) a palavra aqui que denota o amor que é a fonte do perdão, compare com Lucas 7:42 ss, 2Coríntios 2:7, 10, 12:13, Colossenses 3:13, Efésios 4 :32, em outras palavras, conceder um favor, presentear uma dívida, tolerar uma ofensa; (2) uma palavra mais comum que denota a liberdade que é o resultado do perdão, em outras palavras, remeter, cancelar. O E. V. ter perdoado sugere que o perdão é anterior à vivificação. Essa é a sequência lógica. O próprio perdão é fruto da Paixão expiatória. Mas seu efeito na vida do perdoado é fruto da Ressurreição, e o próprio perdão pode, em certo sentido, ser considerado como parte da vivificação, ‘perdoar assim’. [Radford, aguardando revisão]

< Colossenses 2:12 Colossenses 2:14 >

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – janeiro de 2021.