Colossenses 2:12

sepultados com ele no batismo, no qual também com ele fostes ressuscitados pela fé no poder de Deus, que o ressuscitou dos mortos.

Comentário A. R. Fausset

Traduza: “Tendo sido sepultado com Ele em seu batismo.” O particípio passado está aqui coincidente no tempo com o verbo anterior, “vós fostes circuncidados (gregos).” O batismo é considerado como o sepultamento da velha vida carnal, à qual o ato de imersão simbolicamente corresponde; e em climas quentes onde a imersão é segura, é o modo mais consentâneo com o significado da ordenança; mas o espírito da ordenança é mantido por aflição, onde a imersão seria inconveniente ou perigosa; insistir na imersão literal em todos os casos seria mero cerimonialismo legal (Romanos 6:3, Romanos 6:4).

são ressuscitados – mais como gregos, “foram ressuscitados com ele.”

pela fé etc. – por meio de sua fé na operação de Deus; assim, “fé de”, para “fé em” (Efésios 3:12; Filipenses 3:9). Fé na poderosa operação de Deus para ressuscitar Jesus é a fé salvadora (Romanos 4:24; Romanos 10:9); e é operado na alma por Sua mesma “obra poderosa”, pela qual Ele “ressuscitou Jesus dos mortos” (Efésios 1:19, Efésios 1:20). Bengel parece-me (não como Alford o entende) para expressar o último sentido, ou seja, “Através da fé, que é uma obra da operação de Deus que”, etc Efésios 1:19, Efésios 1:20 concorda com isso; o mesmo poder poderoso de Deus é exercido em ressuscitar um espiritualmente morto para a vida de fé, como foi “feito em Cristo quando Deus o ressuscitou literalmente dos mortos”. Contudo, “fé de” geralmente é “fé em” (Romanos 3). :22); mas não há impropriedade gramatical em entendê-lo “a fé que é o efeito da operação de Deus” (Efésios 2:8; 1Tessalonicenses 2:13). Como Sua ressurreição literal é a base do poder apresentado em nossa ressurreição espiritual agora, então é uma promessa de nossa ressurreição literal no futuro (Romanos 8:11). [JFB, aguardando revisão]

Comentário de L. B. Radford

sepultados com ele no batismo. Há duas palavras gregas para batismo no Novo Testamento, baptisma, e. g. em Mateus 21:25, Marcos 10:38, Lucas 12:50, 1Pedro 3:21, e baptismos aqui e em Marcos 7:4, Hebreus 9:10 (em ambos os casos a lavagem de vasos ou pessoas) e Hebreus 6: 2, onde pode se referir a essas limpezas cerimoniais ou a batismos judaicos e cristãos. Estritamente baptismos é o acto em processo, e baptisma é o acto consumado. Aqui o primeiro é particularmente apropriado, pois o significado simbólico está nos estágios do próprio processo, compare com Apost. Const. 3:17, ‘a imersão é morrer com Cristo, a imersão é ressuscitar com ele’. compare com Romanos 6:4, ‘fomos sepultados com Ele pelo batismo na morte’. Na ordem natural, o enterro é a sequela da morte; na ordem sacramental, o sepultamento vem primeiro como símbolo visível, e depois a morte como sequela invisível na experiência espiritual. “O batismo é a sepultura do velho e o nascimento do novo. Ao afundar nas águas batismais, o crente enterra ali todas as suas afeições corruptas e pecados passados; quando ele emerge dali, ele se levanta regenerado, vivificado para novas esperanças e uma nova vida” (Lightfoot. p. 182). Uma correção deve ser feita aqui: a antítese da sepultura não é o nascimento, mas a ressurreição.

A proeminência da ‘justificação’ e a predominância da ‘fé’ em Paulo têm sido amplamente permitidas para obscurecer seu sacramentalismo. (1) Alguns críticos protestantes recentes, no entanto, reconheceram francamente que Paulo acreditava que os sacramentos do Evangelho eram canais e instrumentos de uma graça objetiva real, um poder ou influência espiritual em ação; mas eles audaciosamente referiram esse realismo do ensinamento sacramental à influência dos cultos de mistérios greco-orientais. Esta teoria está aberta a várias objeções. (a) O ensino sacramental mais forte ocorre no primeiro grupo de epístolas, onde Paulo, intransigentemente hostil à reação judaica contra a liberdade cristã, ainda é bastante positivo sobre o assunto das origens judaicas e precedentes dos sacramentos cristãos. (b) Este ensino está ligado estreita e imediatamente com a paixão e ressurreição de Cristo. Esses dois fatos não deixam espaço para qualquer influência dos mistérios na formação do sacramentalismo de Paulo. (c) O elemento sacramental nos cultos de mistério e sua semelhança com o ensinamento sacramental de Paulo foram muito exagerados. O estudo dos mistérios foi viciado por uma curiosa incapacidade de ver as diferenças que superam e anulam as aparentes analogias. (2) Definitivamente sacramental como é Paulo, seu sacramentalismo é equilibrado por uma constante insistência nas condições espirituais. É um sacramentalismo moral em contraste inequívoco com o sacramentalismo quase mágico dos mistérios. Graça e fé são complementares. Aqui, por exemplo, o sepultamento e a ressurreição atribuídos ao batismo são objetivos; são operações divinas logicamente antes de serem experiências humanas. No entanto, eles dependem de uma ação humana, a profissão de fé aberta no batismo, e de uma atitude humana, a fé que reconhece o poder de Deus operando em Cristo e assim o libera para trabalhar no homem.

no qual também com ele fostes ressuscitados, ou seja, no batismo. Enganados pela identidade das três palavras gregas com ‘em quem também’ no versículo 11, alguns estudiosos marcam um paralelo traduzindo aqui também ‘em quem (Cristo) também’. Mas a ressurreição para uma nova vida não é apresentada aqui como um paralelo à circuncisão, mas como complemento do sepultamento dentro do rito do batismo. Há de fato um paralelo entre a circuncisão e o batismo, mas também há uma diferença. A circuncisão espiritual é recebida em Cristo, ou seja, pela união com Cristo efetuada no batismo. O próprio batismo não é em Cristo, mas em Cristo; e seus resultados, em outras palavras, sepultamento e ressurreição, embora experimentados em Cristo, são descritos como participação com Cristo.

pela fé no poder de Deus. O grego é paciente da tradução pela fé como resultado da operação de Deus’. Mas o genitivo depois de ‘fé’ denota principalmente não a origem, mas o objeto da fé, e. g. Romanos 3:22, 26, Gálatas 3:22, Efésios 3:12, Filipenses 1:27, 3:9, 2Tessalonicenses 2:13; e essa é a construção mais natural aqui também. Crisóstomo observa: ‘vocês creram que Deus é capaz de ressuscitá-los, e assim vocês foram ressuscitados’. compare com Romanos 10:9. Crisóstomo traz o ponto de sua fé corretamente. Não é meramente a crença de que Deus ressuscitou Cristo dos mortos, mas a crença de que Deus está operando na natureza humana, ressuscitando-a para uma nova vida como Ele ressuscitou Cristo dentre os mortos, e como resultado da ressurreição de Cristo. Esta ressurreição espiritual da natureza humana é experimentada na renovação moral, Romanos 6:4, 8:10; na libertação da escravidão moral, Colossenses 2:20; em um acesso de força moral, 2Coríntios 13:4, Filipenses 3:10; na glória final do destino humano, Romanos 8:17. [Radford, aguardando revisão]

< Colossenses 2:11 Colossenses 2:13 >

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – janeiro de 2021.