Livro

Epístola aos Colossenses

A epístola aos Colossenses foi escrita por Paulo em Roma durante sua primeira prisão lá (At 28:16,30), provavelmente na primavera de 57 dC, ou, como alguns pensam, em 62 dC, e logo depois ele escreveu sua epístola aos Efésios. Como algumas de suas outras epístolas (por exemplo, as aos Corinto), esta parece ter sido escrita em consequência de informações que de alguma forma lhe tinham sido transmitidas do estado interno da igreja ali existente (Cl 1:4-8). Seu objetivo era neutralizar o falso ensino. Uma grande parte dela é dirigida contra certos especuladores que tentaram combinar as doutrinas do misticismo oriental e ascetismo com o cristianismo, prometendo assim aos discípulos o desfrutar de uma vida espiritual mais elevada e uma visão mais profunda do mundo dos espíritos. Paulo argumenta contra tal ensinamento, mostrando que em Cristo Jesus eles tinham todas as coisas. Ele expõe a majestade de sua redenção. A menção da “lua nova” e dos “sábados” (Cl 2:16) mostra também que haviam aqui mestres judaizantes que buscavam afastar os discípulos da simplicidade do evangelho.

Como a maioria das epístolas de Paulo, essa consiste em duas partes, uma doutrinal e uma prática.

(1) A parte doutrinal compreende os dois primeiros capítulos. Seu tema principal é desenvolvido no capítulo 2. Paulo os adverte contra serem afastados d’Aquele em quem habita toda a plenitude da Divindade, e que é a cabeça de todos os poderes espirituais. Cristo é a cabeça do corpo do qual eles são membros; e se eles estavam verdadeiramente unidos a ele, do que mais precisavam?

(2) A parte prática da epístola (3-4) impõe vários deveres fluindo naturalmente das doutrinas expostas. Eles são exortados a pensar nas coisas que estão acima (Cl 3:1-4), a mortificar todos os princípios malignos de sua natureza e a revestir-se do novo homem (Cl 3:5-14). Muitos deveres especiais da vida cristã também são insistidos como a prova apropriada do caráter cristão. Tíquico era o portador da carta, como também era dos efésios e à Filemom, e lhes contaria do estado do apóstolo (Cl 4:7-9). Depois de cumprimentos amistosos (Cl 4:10-14), ele ordena que eles troquem esta carta com a que ele enviou para a igreja vizinha de Laodiceia. Encerra então esta breve mas impressionante epístola com sua habitual saudação autógrafa. Há uma semelhança notável entre esta epístola e a dos Efésios. A genuinidade desta epístola nunca foi questionada.

Adaptado de: Illustrated Bible Dictionary (Colossian, Epistle to the).