Êxodo 11

Morte dos primogênitos é anunciada

1 E o SENHOR disse a Moisés: Uma praga trarei ainda sobre Faraó, e sobre o Egito; depois da qual ele vos deixará ir daqui; e seguramente vos expulsará daqui de todo.

Comentário de R. Jamieson

E o SENHOR disse – antes, “disse a Moisés”. Pode-se inferir, portanto, que ele estava informado de que a crise tinha chegado agora, que a próxima praga tão eficazmente humilharia e alarmaria a mente do Faraó, que ele “Expulsá-los de lá completamente”; e assim a palavra de Moisés (Êx 10:29), deve ser considerada como uma previsão. [JFB, aguardando revisão]

2 Fala agora ao povo, e que cada um peça a seu vizinho, e cada uma à sua vizinha, objetos de prata e de ouro.

Comentário de R. Jamieson

Fala agora ao povo – Esses versículos, descrevendo a comunicação que havia sido feita em particular a Moisés, são inseridos aqui como um parêntese, e serão considerados (Êx 12:35). [JFB, aguardando revisão]

3 E o SENHOR fez o povo ser favorecido aos olhos dos egípcios. Também Moisés era muito grande homem na terra do Egito, aos olhos dos servos de Faraó, e aos olhos do povo.

Comentário de R. Jamieson

Também Moisés era muito grande homem na terra do Egito. Isso é adicionado historicamente como uma razão especial da liberalidade mostrada aos hebreus em sua partida. A primeira e principal foi a disposição favorável para com eles, com a qual Deus se agradou em inspirar o povo egípcio; a segunda e subordinada, mas ainda poderosa, porque a razão externa era a veneração e o temor nutrido por seu líder. “Com fidelidade histórica”, diz Kalisch, “Moisés faz essas observações sobre sua própria pessoa:são fatos históricos; e ele os relaciona com a mesma imparcialidade objetiva com que Xenofonte fala de si mesmo na ‘Anábase’, ou César em seus ‘Comentários’. [JFU, aguardando revisão]

4 E disse Moisés:o SENHOR disse assim:À meia noite eu sairei por meio do Egito,

Comentário de R. Jamieson

Aqui está registrado o anúncio da última praga feita da maneira mais solene ao rei, em cujo coração endurecido toda a sua dolorosa experiência até então não produzia amolecimento, pelo menos nenhum efeito permanentemente bom.

À meia noite eu sairei por meio do Egito – linguagem usada à maneira dos homens. [JFB, aguardando revisão]

5 E morrerá todo primogênito na terra do Egito, desde o primogênito de Faraó que se assenta em seu trono, até o primogênito da serva que está atrás do moinho; e todo primogênito dos animais.

Comentário de R. Jamieson

E morrerá todo primogênito na terra do Egito – O tempo, a rapidez, a severidade terrível desta calamidade vindoura, e a descrição peculiar das vítimas, entre homens e animais, sobre quem cairia, contribuiriam para agravar seu caráter.

da serva que está atrás do moinho – A moagem da refeição para uso diário em todos os lares é comumente feita por escravas e é considerada o emprego mais baixo. Duas pedras de moer portáteis são usadas para esse propósito, das quais a mais alta é girada por uma pequena empunhadura de madeira, e durante a operação a empregada fica atrás do moinho. [JFB, aguardando revisão]

6 E haverá grande clamor por toda a terra do Egito, qual nunca foi, nem jamais será.

Comentário de R. Jamieson

E haverá grande clamor por toda a terra – No caso de uma morte, as pessoas no Oriente fazem gritos altos, e a imaginação pode conceber o que “um grande grito” seria levantado quando a morte invadisse todas as famílias do reino. [JFB, aguardando revisão]

7 Mas entre todos os filhos de Israel, desde o homem até o animal, nem um cão moverá sua língua; para que saibais que o SENHOR fará diferença entre os egípcios e os israelitas.

Comentário de R. Jamieson

Mas entre todos os filhos de Israel, desde o homem até o animal, nem um cão moverá sua língua – Nenhuma cidade ou aldeia no Egito ou no Oriente geralmente está livre do incômodo de cães, que rondam pelas ruas e fazem o barulho mais hediondo em qualquer transeuntes à noite. Que significância enfática o conhecimento desta circunstância dá a este fato no registro sagrado, que na horrível noite que estava chegando, quando o ar deveria se rasgar com os gritos estridentes de enlutados, tão grande e universal seria o pânico inspirado? pelas mãos de Deus, que nem um cachorro movesse a língua contra os filhos de Israel! [JFB, aguardando revisão]

8 E descerão a mim todos estes teus servos, e inclinados diante de mim dirão:Sai tu, e todo o povo que está abaixo de ti; e depois disto eu sairei. E saiu-se muito irado da presença de Faraó.

Comentário de R. Jamieson

inclinados diante de mim – Este seria o efeito do terror universal; os corações dos mais orgulhosos seriam humilhados e reverenciariam a Deus, na pessoa de Seu representante.

E saiu-se muito irado – indignação santa e justa ante a duplicidade, falsidade repetida e impenitência endurecida do rei; e essa forte emoção foi despertada no seio de Moisés, não com a má recepção dada a si mesmo, mas com a desonra feita a Deus (Mt 19:8; Ef 4:26). [JFB, aguardando revisão]

9 E o SENHOR disse a Moisés: Faraó não vos ouvirá, para que minhas maravilhas se multipliquem na terra do Egito.

Comentário do Púlpito

Deus havia avisado a Moisés que o coração de Faraó ficaria endurecido (Êxodo 4:21; Êxodo 7:3), e que, apesar de todos os milagres que ele estava autorizado a realizar diante dele, ele não deixaria o povo ir (Êxodo 3:19; Êxodo 4:21). Só depois que Deus tomou a punição de Faraó em suas próprias mãos, e ele mesmo desceu e feriu todos os primogênitos, que a obstinação do rei foi superada e ele passou a “expulsar o povo”.

que minhas maravilhas se multipliquem. Compare Êxodo 3:20; Êxodo 7:3. Se Faraó tivesse cedido no primeiro, ou mesmo depois de dois ou três milagres, a grandeza e o poder de Deus não teriam sido mostrados de maneira notável. Nem os egípcios nem as nações vizinhas ficariam muito impressionados. As circunstâncias logo teriam sido esquecidas. Do jeito que estava, a dureza do coração de Faraó, embora atrasasse a partida dos israelitas por um ano, e assim aumentasse seus sofrimentos, foi vantajosa para eles de várias maneiras:

1. Deu-lhes tempo para se organizarem fazendo todos os preparativos necessários para uma partida repentina.

2. Isso impressionou profundamente os egípcios e os levou a se abster de toda interferência com os israelitas por mais de três séculos.

3. Também impressionou as nações vizinhas até certo ponto, e os impediu de oferecer oposição aos israelitas, ou os fez contender com menos ânimo e, portanto, com menos sucesso contra eles. [Pulpit, aguardando revisão]

10 E Moisés e Arão fizeram todos estes prodígios diante de Faraó; mas o SENHOR havia endurecido o coração de Faraó, e não permitiu que os filhos de Israel saíssem da sua terra.

Comentário de R. Jamieson

Moisés e Arão fizeram todos estes prodígios diante de Faraó. Na narrativa das dez pragas, o que é notável é, não apenas seu caráter como ocorrências naturais especiais do país, embora trazidas de uma forma e com uma intensidade regularmente crescente evidentemente sobrenatural, mas a ordem consecutiva de sua ocorrência. Ambas essas características, particularmente a última, exibem a mão punitiva de Deus estendida na imposição judicial tão claramente quanto quaisquer eventos já demonstraram a agência de um Governante Providencial. A série começando com o Nilo, que, como a principal fonte material da fertilidade do Egito, era tão estimado que suas águas eram consideradas sagradas – a poluição de seu rio favorito, atingiu o povo com espanto e horror. A destruição dos peixes no rio gerou uma raça de vermes; e os eflúvios pestilentos que surgiam das carcaças putrefactas das rãs produziram um grande aumento de outros vermes, que logo foi seguido por um murrain destrutivo entre o gado e uma doença cutânea repugnante nos corpos das pessoas. Nas pragas subsequentes do granizo, gafanhotos e escuridão, embora a causa física não seja tão distintamente rastreável, suas características também foram baseadas no estado do país e no clima.

A ocorrência dessas pragas isoladamente era adequada para chamar a atenção. Mas vistos como um todo, eles devem ter produzido uma sensação profunda entre os observadores inteligentes e reflexivos, que não podiam deixar de ver o Deus dos hebreus afirmando sua supremacia por esses fenômenos maravilhosos sobre todo o curso da natureza dentro do território do Egito. Não, não só; mas ao empregar, como meio de castigo, flagelos que, em uma forma mais leve e em um grau mais limitado, são de ocorrência frequente no Egito, Yahweh não só deu provas contundentes de Seu poder supremo, mas demonstrou que esses eventos naturais também procediam de Ele não apenas temporariamente, mas permanentemente Governante Divino no Egito, como em todo o mundo.

Os racionalistas, que sustentam a imutabilidade das leis naturais e negam que o Todo-Poderoso tenha interferido para infligir essas pragas, atribuem o que há de milagroso nelas aos enfeites tradicionais de uma época posterior (Davidson). Mas para todos os que aceitam a verdade histórica dessa narrativa, o caráter milagroso dessas pragas parece claro e inconfundível. A intensidade, a extensão, a sucessão ordenada dessas pragas, sua ocorrência e cessação por ordem de Moisés, e a notável isenção do distrito de Gósen da operação das visitações destrutivas, provam, sem dúvida, que eles prosseguiram imediatamente da mão de Deus. [JFU, aguardando revisão]

<Êxodo 10 Êxodo 12>

Visão geral de Êxodo

Em Êxodo 1-18, “Deus resgata os Israelitas de uma vida de escravidão no Egito e confronta o mal e as injustiças do Faraó” (BibleProject). (6 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Em Êxodo 19-40, “Deus convida os Israelitas a um relacionamento de aliança e vive no meio deles, no Tabernáculo, mas Israel age em rebeldia e estraga o relacionamento” (BibleProject). (6 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro do Êxodo.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.