Colossenses 4:2

Perseverai na oração, vigiando nela com gratidão.

Comentário A. R. Fausset

Perseverai – Grego: “Continue perseverantemente”, “persevere” (Efésios 6:18), “vigiando”; aqui, “vigiai na mesma”, ou “nela”, isto é, em oração: observando a indolência quanto à oração, e em oração, de nossas vontades corruptas.

com gratidão – por tudo, seja alegre ou triste, misericórdias temporais e espirituais, nacionais, familiares e individuais (1Coríntios 14:17; Filipenses 4:6 ; 1Tessalonicenses 5:18). [JFB, aguardando revisão]

Comentário de L. B. Radford

Perseverai. Uma única palavra no Grego, usada para atendimento constante a uma pessoa, por exemplo, Marcos 3:9, Atos 8:13, 10:7, ou atenção constante a um dever, por exemplo. a adesão dos primeiros cristãos ao ensino dos apóstolos e à comunhão, ao partir do pão e às orações, Atos 2:42; a concentração dos apóstolos na oração e pregação, Atos 6:4; os discípulos em oração no cenáculo, Atos 1:14. Romanos 12:12 tem a mesma frase que aqui, ‘continuando firmemente em oração’.

vigiando nela. Crisóstomo observa que a oração contínua é passível de relaxar em desatenção e, portanto, mesmo no ato da oração, devemos estar em guarda contra pensamentos errantes. A ligação entre oração e vigilância remonta à própria advertência do Senhor. Os contextos desse aviso ‘vigiar e orar’ nos Evangelhos sugerem duas razões para vigilância, (1) Marcos 13:33 (Mateus 24:42, 25:13), em preparação para o dia desconhecido da vinda do Senhor, (2) Marcos 14:38 (Mateus 26:41), em precaução contra a entrega do espírito à carne. As duas razões são combinadas em Lucas 21:36. Nas exortações apostólicas à vigilância em conexão com a oração, há três palavras gregas traduzidas como vigia. (1) Um, agrupnein, originalmente para ficar acordado sem conseguir dormir, é a vigília da vigilância adormecida, Marcos 13:33, Lucas 21:36, Efésios 6:18, tudo de oração, compare com Hebreus 13:17, do responsabilidade pastoral pelo cuidado das almas. (2) Outra, gregorein (daí o nome Gregory), originalmente para acordar do sono, é a vigilância da alma desperta contra a recaída no sono da indiferença ou da insensibilidade, por exemplo. Marcos 14:38, Mateus 26:41, e aqui, de oração; e freqüentemente no Novo Testamento em um sentido mais geral. (3) O terceiro, nephein, originalmente sóbrio e não bêbado, denota um estado mental livre de todas as perturbações e estupefações, claro, calmo, vigilante” (Hort em 1Pedro 1:13). Milligan em 1Tessalonicenses 5:6 sugere que enquanto gregorein é uma atitude mental, ‘nephein aponta antes para um estado de alerta moral, os sentidos sendo tão exercitados e disciplinados que todo o medo de dormir novamente é removido’. É usado para oração em 1Pedro 4:7, e combinado com gregorein em 1Tessalonicenses 5:6 e 1Pedro 5:8. Em 1 Tessalonicenses 5:6 e 1Pedro 4:7 o dever de vigilância é instado em preparação para a vinda do Senhor, em 1Pedro 5:8 em precaução contra a tentação presente, um eco das duas razões dadas por nosso Senhor. Os três sinônimos indicam três aspectos ou condições da oração. (1) A própria prática da oração precisa de atenção vigilante, sem a qual não pode ser sustentada e eficaz. (2) A oração é o resultado de uma consciência desperta sem a qual nunca será tentada ou renovada, compare com Atos 10:11, de Paulo após sua conversão, ‘eis que ele ora’. (3) A oração pressupõe uma autodisciplina moral, sem a qual é passível de negligência fatal.

com gratidão. O dever de ação de graças ‘nesta epístola assume especialmente uma proeminência especial ao ser feito um refrão’, Lightfoot compare com 2:7, 3:15, 17, 4:2. Em 2:7, a ação de graças é uma condição do crescimento da fé . Aqui e em Filipenses 4:6 é a coroa de toda oração’, Lightfoot, a nota que salva a oração do egoísmo ou da dúvida. Em 1 Timóteo 2:1 as ações de graças são uma parte necessária das devoções comuns da Igreja. Em Efésios 5 :20 e Colossenses 3:17 a ação de graças é percorrer todas as experiências da vida. Em Efésios 5:4 é a nota dominante das relações sociais cristãs. Dificilmente pode haver a oração de ação de graças, pode haver um jogo de duplo sentido do adjetivo grego eucharistos, ou seja, agradecido e gracioso. bela na vida. compare com Romanos 1:21, onde P aul traça a degradação moral da sociedade pagã de volta à recusa em ‘glorificar e agradecer a Deus pela revelação de Seu caráter no mundo da natureza’. Em 1 Timóteo 4:3-4 a ação de graças é a prova dos prazeres da vida; nada precisa ser recusado que possa ser ‘tomado com ação de graças’, compare com Romanos 14:6, 1Coríntios 10:30. Em 2Coríntios 1:11, 4:15, 9:11-12 é um vínculo de comunhão espiritual; a graça de Deus vista em ação na vida do Apóstolo ou de seus convertidos encontra reconhecimento e resposta nas ações de graças de todos os cristãos próximos e distantes. [Radford, aguardando revisão]

< Colossenses 4:1 Colossenses 4:3 >

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – janeiro de 2021.