Colossenses 1:16

porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam domínios, sejam governos, sejam autoridades; todas as coisas foram criadas por ele e para ele.

Comentário A. R. Fausset

Porque – Isto dá a prova de que Ele não está incluído nas coisas criadas, mas é o “primogênito” antes de “toda criatura” (Colossenses 1:15), gerado como “o Filho do amor de Deus” (Colossenses 1:13), antes de todas as outras emanações: “porque” todas essas outras emanações vieram dEle, e tudo o que foi criado, foi criado por Ele.

nele – como o elemento condicional, preexistente e todo-incluído: a criação de todas as coisas por Ele é expressa depois, e é um fato diferente do presente, embora implícito nele (Alford). Deus revelou-se no Filho, a Palavra do Pai, antes de toda a existência criada (Colossenses 1:15). Essa Palavra Divina carrega em Si mesmo os arquétipos de todas as existências, de modo que “Nele todas as coisas que estão no céu e na terra foram criadas”. O “Nele” indica que a Palavra é a base ideal de toda a existência; o “por Ele”, abaixo, que Ele é o instrumento de realmente perceber a ideia divina (Neander). Sua natureza essencial como a Palavra do Pai não é um mero apêndice de Sua encarnação, mas é a base dela. A relação original da Palavra Eterna com os homens “feitos à Sua imagem” (Gênesis 1:27) é a fonte da nova relação com eles pela redenção, formada em Sua encarnação, pela qual Ele os restaura à Sua imagem perdida. “Nele” implica algo antes de “por” e “por Ele” logo depois: as três preposições marcam em sucessão o começo, o progresso e o fim (Bengel).

todas as coisas – grego, “o universo das coisas”. Que a nova criação não é significada neste verso (como os socinianos interpretam), é clara; porque os anjos, incluídos na relação, não eram novos criados por Cristo; e ele não fala da nova criação até Colossenses 1:18. A criação “das coisas que estão nos céus” (de modo grego) inclui a criação dos próprios céus: os primeiros são nomeados, uma vez que os habitantes são mais nobres do que suas moradas. O céu e a terra e tudo o que eles são (1Crônicas 29:11; Neemias 9:6; Apocalipse 10:6).

invisível – o mundo dos espíritos.

sejam governos, sejam autoridades – os primeiros são mais fortes do que os últimos (compare nota em Efésios 1:21). O último par refere-se a ofícios em relação às criaturas de Deus: “tronos e domínios” expressam relação exaltada com Deus, sendo eles carruagens sobre os quais Ele corre mostrando Sua glória (Salmo 68:17). A existência de várias ordens de anjos é estabelecida por essa passagem.

todas as coisas – grego, “todo o universo das coisas”.

por ele – como o agente instrumental (Jo 1:3).

para ele – como o grande fim da criação; contendo em si mesmo a razão pela qual a criação é, e porque é como é (Alford). Ele é a causa final e também a causa eficiente. A pontuação de Lachmann em Colossenses 1:15-18 é a melhor, segundo a qual “o primogênito de toda criatura” (Colossenses 1:15) responde ao “primogênito dos mortos” (Colossenses 1:18), o todo formando uma frase com as palavras (“Todas as coisas foram criadas por Ele e para Ele, e Ele é antes de todas as coisas, e por Ele todas as coisas consistem, e Ele é a Cabeça do corpo, a Igreja”) intervindo como um parêntese. Assim Paulo coloca primeiro, a origem por Ele da criação natural; em segundo lugar, da nova criação. O parêntese divide-se em quatro sentenças, dois e dois: os dois primeiros sustentam a primeira afirmação, “o primogênito de toda criatura”; os dois últimos nos preparam para “o primogênito dos mortos” ‘; os dois primeiros correspondem aos dois últimos em sua forma – “Todas as coisas por Ele … e Ele é” e “Por Ele todas as coisas … e Ele é”. [JFB]

Comentário de L. B. Radford

porque nele foram criadas todas as coisas. Esta declaração deveria, por si só, ter descartado qualquer idéia de Cristo ser incluído entre os seres criados. Longe de ser Ele mesmo uma criatura, mesmo o primeiro em ordem e o primeiro em ordem de coisas criadas, Ele é a fonte, o agente, o objetivo de toda a criação. Duas questões surgem aqui: (1) o conteúdo do universo, (2) a relação do universo com Cristo. Sobre esta última questão, ver nota adicional, p. 171. O mundo das coisas criadas é descrito de duas maneiras. (a) É considerado como um todo. A palavra grega todas as coisas sem artigo denota todas as coisas consideradas individualmente; com o artigo, como aqui, denota todas as coisas coletivamente, e pode ser traduzido como ‘o universo’ ou ‘toda a ordem das coisas’. (b) É então classificado. O universo inclui o próprio céu e a terra, mas Paulo está pensando principalmente em poderes e seres, e os classifica primeiro por sua morada e depois por seu caráter, (1) coisas nos céus e coisas na terra, o plural ‘céus’ provavelmente se referindo à idéia de sete céus (cf. a própria referência de Paulo ao ‘terceiro céu’ em 2Coríntios 12:2) comum na literatura apocalíptica judaica e talvez proeminente na heresia colossense; (2) coisas visíveis e coisas invisíveis, uma divisão familiar à filosofia grega desde Platão. As duas classificações não devem ser pressionadas rigidamente. Eles se sobrepõem ou se cruzam. Sol, lua e estrelas são visíveis, mas nos céus. A alma humana é invisível, mas na terra. Mas os seres humanos podem ser incluídos, alma e corpo, entre os visíveis. Fica claro pelas seguintes palavras que por mundo invisível Paulo quer dizer o mundo dos seres e poderes espirituais, angélicos ou astrais ou ambos.

tronos, sejam domínios, sejam governos, sejam autoridades. Estes foram tomados como referindo-se a governantes e autoridades terrestres, compare com e.g. ‘os governantes deste mundo’ em 1Coríntios 2:6, 8. Mesmo aí a referência pode ser à hierarquia dos poderes celestes, epístola Efésios 6:12. Essa é quase certamente a referência aqui. Os potentados terrenos talvez possam ser incluídos, mas a referência primária do Apóstolo é ao mundo dos seres e forças espirituais. Não há garantia aqui para atribuir a Paulo qualquer idéia de uma gradação distinta e rígida ou uma enumeração exaustiva e precisa dos poderes celestes. As listas variam. Em Romanos 8:38 entre as forças que são impotentes para separar os cristãos do amor de Deus são mencionados ‘anjos, principados, potestades’ (Grego dunameis). Em 1Coríntios 15:24 entre as forças a serem abolidas pela soberania de Cristo são mencionadas ‘toda (toda) regra (principado) e toda (toda) autoridade (Grego exousia) e poder’ (Grego dunamis). Em Efésios 6:12, as forças contra as quais o cristão tem que lutar são descritas como “os principados, as potestades (Grego exousiai), os governantes mundiais desta escuridão, as hostes espirituais da maldade nas regiões celestiais”. Mais pertinente de tudo, em Efésios 1:21, um paralelo óbvio com a presente passagem, as forças acima das quais o Cristo ascendido é entronizado são descritas como ‘todo (todo) governo (principado) e autoridade (Grego exousia) e poder (Grego dunamis) e domínio’. Trono é peculiar à passagem atual, poder (dunamis) para Efésios 1:21. E a ordem dos nomes é diferente nas duas passagens. Tampouco há qualquer garantia para atribuir a Paulo uma aceitação deliberada da crença em tal hierarquia ordenada. Em Efésios 1:21 ele acrescenta e todo nome que é nomeado não apenas neste mundo, mas também no que está por vir’, ou seja, ‘toda dignidade ou título (real ou imaginário) que é reverenciado’ (Lightfoot). As várias listas que ele produz provavelmente nada mais são do que ecos ou repetições das descrições do mundo dos espíritos correntes na linguagem da época (M. Jones, Expositor, maio de 1918). Essas descrições variam muito. Tanto os nomes quanto suas sequências variam nas listas fornecidas nos escritos apócrifos judaicos e na literatura cristã, de Orígenes ao pseudônimo Dionísio Areopagítico. O único acordo parece ser que, em geral, tronos e domínios estão à frente das ordens, e principados e poderes vêm em uma segunda classe. Provavelmente, os diferentes nomes usados ​​por Paulo são selecionados ou pretendidos por ele para denotar diferentes aspectos da ação sobre-humana, em vez de diferentes ordens de agentes sobre-humanos.

tronos. Este nome foi interpretado como significando) espíritos ocupando tronos ao redor do trono de Deus, os assentos de maior honra na corte do Rei celestial, compare com os tronos dos apóstolos ao redor do trono de Cristo, Mateus 19:28, Lucas 22 :30, e os tronos dos vinte e quatro anciãos que representam a Igreja Judaica e Cristã em Apocalipse 4:4 (cf. também 11:16, 20:4); (2) espíritos apoiando ou formando o trono de Deus, como Sua carruagem repousa sobre os querubins em Ezequiel 1:26, 9:1 ss, 11:22, Salmo 18:10, 99:1, 1 Crônicas 28:18; (3) mais provavelmente, de acordo com os outros nomes, um tipo de posto e poder, neste caso vice-real ou judicial, ‘Paulo talvez preferindo personificações de termos abstratos a denominações pessoais diretas, como mais adequadas à natureza vaga e misteriosa de esses seres exaltados’ (L. Williams).

domínios, ou seja, dominações, senhorios; a palavra grega é derivada de kurios, senhor. Tem sido sugerido que, como a palavra kurios era o equivalente grego do título imperial romano dominus, a palavra domínio aqui transmite uma idéia de despotismo sem trono (Williams, p. 45). Em 2 animais de estimação. 2:10 e Judas 8 é usado de autoridade legítima, seja divina ou humana, desprezada e desconsiderada por falsos mestres. Aqui se refere como tronos a poderes angelicais, compare com Ascension of Isaiah, vii. 21, ‘não adore nem anjos, nem senhorios, nem tronos’.

sejam governos, sejam autoridades. Compare com Efésios 1:21. As palavras gregas assim traduzidas ocorrem frequentemente em conjunção. Referem-se (1) às autoridades humanas em Lucas 12:11, onde, juntamente com as sinagogas, referem-se aos tribunais judaicos e romanos; em Lucas 20:20 (no singular) ‘o governo e autoridade do governador (romano)’; Peito. 3:1, todas as autoridades civis; (2) aos poderes espirituais; (a) às vezes bons espíritos; Cristo é ‘a cabeça de todo (todo) principado e potestade’, Colossenses 2:10; a Igreja é uma revelação viva da sabedoria de Deus ‘aos principados e potestades nos lugares celestiais’, Efésios 3:10; (b) às vezes espíritos malignos; os inimigos invisíveis da alma cristã, Efésios 6:12; os poderes hostis conquistados por Cristo na Cruz, Colossenses 2:15; (c) por vezes indeterminado ou neutro, e. Romanos 8:38, 1Coríntios 15:24, embora a referência a inimigos neste último contexto sugira hostilidade a Cristo. Sobre a palavra grega traduzida aqui poder (exousia) veja nota no versículo 13. A palavra grega aqui para principado (arche), como o latim princeps e seus derivados, significa (a) começo ou primeira causa, (b) primeiro lugar no cargo ou poder. Em Apocalipse 3:14 é usado para Cristo como ‘o princípio da criação’; em Judas 6 da posição perdida pelos anjos desobedientes. O R. V. [King James, Versão Revisada] não é consistente em suas traduções dos três termos gregos arche, exousia, dunamis. Essa consistência é difícil de manter em contextos variados. Tampouco é fácil encontrar ou seguro fazer distinções entre os significados das palavras gregas usadas em referência aos poderes espirituais. Na verdade, Paulo parece esgotar todos os sinônimos disponíveis para tais poderes, a fim de insistir mais fortemente na verdade de que todas as forças, poderes e seres, seja qual for o universo, qualquer que seja seu caráter e capacidade, são subordinados e sujeitos ao Filho de Deus. [Radford, aguardando revisão]

< Colossenses 1:15 Colossenses 1:17 >

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – janeiro de 2021.