Gênesis 2:7

Formou, pois, o SENHOR Deus ao homem do pó da terra, e assoprou em seu nariz sopro de vida; e foi o homem em alma vivente.

Comentário de Genebra

Formou, pois, o SENHOR Deus ao homem do pó da terra. Ele mostra de onde o corpo do homem foi criado com a intenção de que este não se glorie na excelência de sua própria natureza. [Genebra, 1599]

Comentário de Carl F. Keil

“Então Jeová Deus formou o homem do pó da terra”. עָפָר é o acusativo do material empregado (Ewald e Gesenius). O Vav consecutivo imperfeito em Genesis 2:7-9, não indica a ordem do tempo, nem do pensamento; de modo que o significado não é que Deus plantou o jardim no Éden depois que Ele criou Adão, nem que Ele fez as árvores crescerem depois que Ele plantou o jardim e colocou o homem lá. Este último se opõe a Gênesis 2:15; o primeiro é totalmente improvável. O processo de criação do homem é descrito minuciosamente aqui, porque serve para explicar sua relação com Deus e com o mundo circundante. Ele foi formado de pó (não de limo terrae, de um torrão de terra, pois עפר não é uma massa sólida, mas a parte mais fina do material da terra), e em suas narinas um sopro de vida foi soprado, por que ele se tornou um ser animado. Portanto, a natureza do homem consiste em uma substância material e um princípio imaterial de vida. “O sopro da vida”, isto é, o sopro que produz a vida, não denota o espírito pelo qual o homem se distingue dos animais, ou a alma do homem daquela dos animais, mas apenas o sopro da vida (vid, 1Reis 17: 17). É verdade, נְשָׁמָה geralmente significa a alma humana, mas em Gênesis 7:22 חַיִּים נִשְׁמַת־רוּחַ é usado tanto para homens quanto para animais; e se alguém explicar isso, com base em que a alusão é principalmente aos homens, e os animais estão conectados por zeugma, ou ele deve pressionar o ruach anexado, e deduzir disso o uso de neshamah em relação a homens e animais, não há existem várias passagens em que neshamah é sinônimo de ruach (por exemplo, Isaías 42:5; Jó 32:8; Jó 33:4), ou חיים רוח aplicado a animais (Gênesis 6:17; Gênesis 7:15), ou novamente neshamah usado como equivalente a nephesh (por exemplo, (Josué 10:40, compare com Josué 10:28,30,32). Para neshamah, a respiração, πνοή, é “a ruach em ação” (Auberlen). Além disso, o homem formado do pó tornou-se, pelo sopro do “sopro da vida”, um חַיָּה נֶפֶשׁ, um ser animado e, como tal, um ser vivo; expressão que também se aplica a peixes, pássaros e animais terrestres (Gênesis 1:20 -21,24,30), e não há prova de preeminência por parte do homem. Como חַיָּה נֶפֶשׁ, ψυχὴ ζῶσα, não se refere apenas à alma, mas ao homem todo como um ser animado, então נְשָׁמָה não denota o espírito do homem como distinto do corpo e da alma. Sobre a relação da alma com o espírito do homem, nada pode ser deduzido desta passagem; as palavras, corretamente interpretadas, não mostram que a alma é uma emanação, uma exalação do espírito humano, nem que a alma foi criada antes do espírito e meramente recebeu sua vida dele. A formação do homem do pó e o sopro do sopro da vida não devemos entender em um sentido mecânico, como se Deus primeiro construísse uma figura humana do pó e depois, soprando o sopro da vida no torrão de terra que ele havia moldado na forma de um homem, transformou-o em um ser vivo. As palavras devem ser entendidas θεοπρεπῶς. Por um ato de onipotência divina o homem surgiu do pó; e no mesmo momento em que o pó, em virtude da onipotência criativa, se moldou em uma forma humana, foi impregnado pelo sopro divino da vida, e criou um ser vivo, de modo que não podemos dizer que o corpo era anterior à alma. O pó da terra é meramente o substrato terrestre, que foi formado pelo sopro da vida de Deus em um ser animado, vivo e auto-existente. Quando se diz: “Deus soprou em suas narinas o fôlego da vida”, é evidente que essa descrição apenas dá destaque ao sinal peculiar da vida, ou seja, a respiração; já que é óbvio que o que Deus soprou no homem não poderia ser o ar que o homem respira; pois não é o que respira, mas simplesmente o que é respirado. Conseqüentemente, respirar pela narina só pode significar que “Deus, por meio de seu próprio fôlego, produziu e combinou com a forma corpórea aquele princípio de vida, que foi a origem de toda a vida humana, e que constantemente manifesta sua existência na respiração inalada e exalado pelo nariz” (Delitzsch, Psychol. p. 62). Respirar, no entanto, é comum tanto ao homem quanto ao animal; de modo que este não pode ser o análogo sensorial da vida espiritual super-sensorial, mas simplesmente o princípio da vida física da alma. No entanto, o princípio vital no homem é diferente do animal, e a alma humana da alma da besta. Esta diferença é indicada pela forma como o homem recebeu o sopro da vida de Deus, e assim se tornou uma alma vivente. “As bestas surgiram pela palavra criadora de Deus, e nenhuma comunicação do espírito é mencionada mesmo em Gênesis 2:19; a origem de sua alma era coincidente com a de sua corporeidade, e sua vida era apenas a individualização da vida universal , com o qual toda a matéria foi preenchida no princípio pelo Espírito de Deus.

Por outro lado, o espírito humano não é uma mera individualização do sopro divino que soprou sobre a matéria do mundo, ou do espírito universal da natureza; nem é seu corpo meramente uma produção da terra quando estimulado pela palavra criadora de Deus. A terra não produz seu corpo, mas o próprio Deus põe Sua mão na obra e o forma; nem a vida já dada ao mundo pelo Espírito de Deus se individualiza nele, mas Deus sopra diretamente nas narinas de um homem, em toda a plenitude de sua personalidade, o fôlego de vida, que de uma maneira correspondente a personalidade de Deus, ele pode tornar-se uma alma vivente” (Delitzsch). Este foi o fundamento da preeminência do homem, de sua semelhança com Deus e sua imortalidade; pois assim ele foi formado em um ser pessoal, cuja parte imaterial não era apenas alma, mas uma alma soprada inteiramente por Deus, pois espírito e alma foram criados juntos por inspiração de Deus. Assim como a natureza espiritual do homem é descrita simplesmente pelo ato de respirar, que é discernível pelos sentidos, assim nome que Deus lhe dá (Gênesis 5:2) é fundamentado no lado terreno de seu ser: Adão, de אדמה (adamah), terra, o elemento terreno, como o homo do humus, ou de χαμά, χαμαί, χαμᾶθεν, para protegê-lo da auto-exaltação, não da cor vermelha de seu corpo, pois esta não é uma característica distintiva do homem, mas comum a ele e a muitas outras criaturas. O nome homem (Mensch), por outro lado, do sânscrito mânuscha, manuschja, do homem para pensar, manas = mens, expressa a interioridade espiritual de nossa natureza. [Keil, aguardando revisão]

< Gênesis 2:6 Gênesis 2:8 >

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – janeiro de 2021.