Números 30

A regulamentação dos votos

1 E falou Moisés aos príncipes das tribos dos filhos de Israel, dizendo: Isto é o que o SENHOR mandou.

Comentário de Robert Jamieson

Isto é o que o SENHOR mandou – O assunto deste capítulo refere-se ao voto, que parece ter sido um uso antigo, permitido pela lei permanecer, e pelo qual algumas pessoas declararam sua intenção de oferecer algum presente no altar. ou abster-se de artigos específicos de carne ou bebida, de observar um jejum privado, ou de fazer algo para a honra ou a serviço de Deus, acima do que era autoritativamente requerido. Em Números 29:39, foi feita menção de “votos e ofertas voluntárias”, e é provável, pela natureza explicativa das regras estabelecidas neste capítulo, que estas foram dadas para a remoção de dúvidas e dificuldades que as pessoas conscienciosas tiveram. sentiram sobre sua obrigação de realizar seus votos em certas circunstâncias que surgiram. [JFB, aguardando revisão]

2 Quando alguém fizer voto ao SENHOR, ou fizer juramento ligando sua alma com obrigação, não violará sua palavra: fará conforme tudo o que saiu de sua boca.

Comentário de Robert Jamieson

Quando alguém fizer voto ao SENHOR – Um mero propósito secreto da mente não foi suficiente para constituir um voto; tinha que ser realmente expresso em palavras; e embora um ato puramente voluntário, ainda quando uma vez o voto foi feito, o desempenho dele, como o de qualquer outra promessa, tornou-se um dever indispensável – ainda mais porque, referindo-se a uma coisa sagrada, não poderia ser negligenciada sem o culpa de prevaricação e infidelidade a Deus.

não violará sua palavra – literalmente, “profanar a sua palavra” – torná-lo vaidoso e desprezível (Salmo 55:20; 89:34). Mas como frequentemente aconteceria que os partidos prometessem fazer coisas que não eram boas em si mesmas nem em seu poder de realizar, a lei ordenava que seus superiores naturais tivessem o direito de julgar a propriedade desses votos, com poder discricionário. sancionar ou interditar o seu cumprimento. Os pais deveriam determinar, no caso de seus filhos, e os maridos, no de suas esposas – sendo, no entanto, permitido apenas um dia para deliberação após o assunto se tornar conhecido para eles; e seu julgamento, se desfavorável, libertou o devoto de toda obrigação [Números 30:3-8]. [JFB, aguardando revisão]

3 Mas a mulher, quando fizer voto ao SENHOR, e se ligar com obrigação em casa de seu pai, em sua juventude;

Comentário de Robert Jamieson

Somente as garotas são especificadas; mas os menores do outro sexo, que residiam sob o teto dos pais, foram incluídos, segundo escritores judeus, que também consideram o nome “pai” como compreendendo todos os guardiões da juventude. Também nos é dito que a idade em que os jovens eram considerados capazes de fazer votos era treze para meninos e doze para meninas. O julgamento de um pai ou guardião sobre o voto de qualquer um sob sua responsabilidade pode ser dado por uma aprovação expressa ou por silêncio, que deveria ser interpretado como aprovação. Mas no caso de um marido que, após o silêncio do dia-a-dia, deveria desaprovar ou prejudicar o voto de sua esposa, o pecado do descumprimento deveria ser imputado a ele e não a ela [Números 30:15]. [JFB, aguardando revisão]

4 Se seu pai ouvir seu voto, e a obrigação com que ligou sua alma, e seu pai calar a isso, todos os votos dela serão firmes, e toda obrigação com que houver ligado sua alma, firme será.

Comentário de Daniel Steele

seu paicalar a isso. Fique em silêncio e não interponha nenhuma objeção. O princípio envolvido é que o pai e a filha são um em responsabilidade, e o voto não declarado da filha torna-se positivamente obrigatório para a filha e permissivamente obrigatório para o pai. A ausência de uma lei semelhante a respeito do filho em sua menoridade, juntamente com o seguinte estatuto que coloca o voto da esposa sob a arbitragem de seu marido, marca uma etapa imperfeita da liberdade religiosa que culminou na perfeita emancipação da mulher por Cristo. Gálatas 3:28. [Steele, aguardando revisão]

5 Mas se seu pai lhe vedar no dia que ouvir todos os seus votos e suas obrigações, com que ela houver ligado sua alma, não serão firmes; e o SENHOR a perdoará, porquanto seu pai lhe vedou.

Comentário de C. J. Ellicott

o SENHOR a perdoará – ou seja, ela não incorreria na culpa ou punição que, de outra forma, teria sido incorrida por negligenciar o cumprimento do voto que havia feito. [Ellicott, aguardando revisão]

6 Porém se for casada, e fizer votos, ou pronunciar de seus lábios coisa com que obriga sua alma;

Comentário de C. J. Ellicott

Melhor, E se ela se casar com um marido enquanto seus votos estão sobre ela, ou a expressão precipitada de seus lábios com os quais ela ligou sua alma. O caso aqui contemplado parece ser o de uma mulher que se casou sob um voto. Por outro lado, o caso de uma mulher que faz um voto após o casamento é tratado mais adiante em Números 30:10-13. O verbo cognato da palavra mibta, expressão precipitada, ocorre em Levítico 5:4 e parece denotar algo que é proferido sem reflexão. [Ellicott, aguardando revisão]

7 Se seu marido o ouvir, e quando o ouvir calar a isso, os votos dela serão firmes, e a obrigação com que ligou sua alma, firme será.

Comentário de Keil e Delitzsch

Números 30:3-15 contém as regras relativas aos votos positivos e negativos feitos por uma mulher, e são dados quatro exemplos diferentes. O primeiro caso (Números 30:3-5) é o de uma mulher jovem, ainda solteira, e morando na casa de seu pai. Se ela fizesse um voto de desempenho ou abstinência, e seu pai soubesse disso e permanecesse em silêncio, era para ficar de pé, ou seja, permanecer em vigor. Mas se seu pai a retivesse quando soube disso, ou seja, proibiu-a de cumpri-lo, não era para permanecer ou permanecer em vigor, e Jeová a perdoaria por causa da recusa de seu pai. A obediência a um pai era mais alta do que um serviço religioso auto-imposto. – O segundo caso (Números 30:6-8) foi o de um voto de desempenho ou abstinência, feito por uma mulher antes de seu casamento, e trazido com ela (עליה, “sobre si mesma”) em seu casamento. Nesse caso, o marido tinha que decidir sobre sua validade, da mesma forma que o pai antes do casamento. No dia em que soube disso, ele poderia reter sua esposa, ou seja, dissolver seu voto; mas se ele não fizesse isso de uma vez, ele não poderia impedir seu cumprimento depois. שׂפתיה מבטא, […], que é proferida sem pensar ou sem reflexão (compare com Levítico 5: 4). Esta expressão implica que os votos de abstinência eram muitas vezes feitos por mulheres solteiras sem pensamento ou reflexão. – O terceiro caso (Números 30:9) foi o de um voto feito por uma viúva ou mulher divorciada. Tal voto tinha força total, porque a mulher não dependia de um marido. – O quarto caso (Números 30:10-12) foi o de um voto feito por uma esposa em seu estado de casada. Tal voto deveria permanecer em vigor se o marido permanecesse em silêncio ao ouvi-lo e não a restringisse. Por outro lado, não teria força se o marido a dissolvesse imediatamente. Depois disso segue a declaração geral (Números 30:13-16), que um marido pode estabelecer ou dissolver todo voto de desempenho ou abstinência feito por sua esposa. Se, porém, se calava “dia a dia”, confirmava-o com o seu silêncio; e se depois ele o declarasse nulo, ele deveria suportar a iniquidade de sua esposa. עונה, o pecado que a esposa teria que suportar se ela tivesse quebrado o voto por vontade própria. Isso consistia em uma oferta pelo pecado para expiar seu pecado (Levítico 5:4); ou se isso foi omitido, no castigo que Deus suspendeu sobre o pecado (Levítico 5:1). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

8 Porém se quando seu marido o ouviu, lhe vedou, então o voto que ela fez, e o que pronunciou de seus lábios com que ligou sua alma, será nulo; e o SENHOR o perdoará.

Comentário de Keil e Delitzsch

Números 30:3-15 contém as regras relativas aos votos positivos e negativos feitos por uma mulher, e são dados quatro exemplos diferentes. O primeiro caso (Números 30:3-5) é o de uma mulher jovem, ainda solteira, e morando na casa de seu pai. Se ela fizesse um voto de desempenho ou abstinência, e seu pai soubesse disso e permanecesse em silêncio, era para ficar de pé, ou seja, permanecer em vigor. Mas se seu pai a retivesse quando soube disso, ou seja, proibiu-a de cumpri-lo, não era para permanecer ou permanecer em vigor, e Jeová a perdoaria por causa da recusa de seu pai. A obediência a um pai era mais alta do que um serviço religioso auto-imposto. – O segundo caso (Números 30:6-8) foi o de um voto de desempenho ou abstinência, feito por uma mulher antes de seu casamento, e trazido com ela (עליה, “sobre si mesma”) em seu casamento. Nesse caso, o marido tinha que decidir sobre sua validade, da mesma forma que o pai antes do casamento. No dia em que soube disso, ele poderia reter sua esposa, ou seja, dissolver seu voto; mas se ele não fizesse isso de uma vez, ele não poderia impedir seu cumprimento depois. שׂפתיה מבטא, […], que é proferida sem pensar ou sem reflexão (compare com Levítico 5: 4). Esta expressão implica que os votos de abstinência eram muitas vezes feitos por mulheres solteiras sem pensamento ou reflexão. – O terceiro caso (Números 30:9) foi o de um voto feito por uma viúva ou mulher divorciada. Tal voto tinha força total, porque a mulher não dependia de um marido. – O quarto caso (Números 30:10-12) foi o de um voto feito por uma esposa em seu estado de casada. Tal voto deveria permanecer em vigor se o marido permanecesse em silêncio ao ouvi-lo e não a restringisse. Por outro lado, não teria força se o marido a dissolvesse imediatamente. Depois disso segue a declaração geral (Números 30:13-16), que um marido pode estabelecer ou dissolver todo voto de desempenho ou abstinência feito por sua esposa. Se, porém, se calava “dia a dia”, confirmava-o com o seu silêncio; e se depois ele o declarasse nulo, ele deveria suportar a iniquidade de sua esposa. עונה, o pecado que a esposa teria que suportar se ela tivesse quebrado o voto por vontade própria. Isso consistia em uma oferta pelo pecado para expiar seu pecado (Levítico 5:4); ou se isso foi omitido, no castigo que Deus suspendeu sobre o pecado (Levítico 5:1). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

9 Mas todo voto de viúva, ou repudiada, com que ligar sua alma, será firme.

Comentário de Robert Jamieson

todo voto de viúva – No caso de uma mulher casada que, em caso de separação do marido, ou de sua morte, retornou, como não era incomum, à casa de seu pai, uma dúvida poderia ter sido entreteve-se se ela não era, como antes, sujeita à jurisdição paterna e obrigada a agir com o consentimento paterno. A lei ordenava que o voto fosse obrigatório se tivesse sido feito na vida do marido, e ele, ao ser informado disso, não havia interposto seu veto [Números 30:10-11]; como, por exemplo, ela poderia ter prometido, quando não viúva, que iria atribuir uma parte de sua renda a usos piedosos e caritativos, dos quais ela poderia se arrepender quando, na verdade, fosse viúva; mas por este estatuto ela era obrigada a cumprir a obrigação, desde que suas circunstâncias lhe permitissem redimir o compromisso. As regras estabelecidas devem ter sido extremamente úteis para a prevenção ou cancelamento de votos precipitados, bem como para dar uma sanção adequada aos que eram legítimos em sua natureza e feitos em um espírito devoto e reflexivo. [JFB, aguardando revisão]

10 E se houver feito voto em casa de seu marido, e houver ligado sua alma com obrigação de juramento,

Comentário de C. J. Ellicott

E se houver feito voto em casa de seu marido, e houver ligado sua alma. . . – isto é, se ela fez voto de realização ou de abstinência enquanto estava na casa de seu marido. [Ellicott, aguardando revisão]

11 Se seu marido ouviu, e calou a isso, e não lhe vedou; então todos os seus votos serão firmes, e toda obrigação com que houver ligado sua alma, firme será.

Comentário de Keil e Delitzsch

Números 30:3-15 contém as regras relativas aos votos positivos e negativos feitos por uma mulher, e são dados quatro exemplos diferentes. O primeiro caso (Números 30:3-5) é o de uma mulher jovem, ainda solteira, e morando na casa de seu pai. Se ela fizesse um voto de desempenho ou abstinência, e seu pai soubesse disso e permanecesse em silêncio, era para ficar de pé, ou seja, permanecer em vigor. Mas se seu pai a retivesse quando soube disso, ou seja, proibiu-a de cumpri-lo, não era para permanecer ou permanecer em vigor, e Jeová a perdoaria por causa da recusa de seu pai. A obediência a um pai era mais alta do que um serviço religioso auto-imposto. – O segundo caso (Números 30:6-8) foi o de um voto de desempenho ou abstinência, feito por uma mulher antes de seu casamento, e trazido com ela (עליה, “sobre si mesma”) em seu casamento. Nesse caso, o marido tinha que decidir sobre sua validade, da mesma forma que o pai antes do casamento. No dia em que soube disso, ele poderia reter sua esposa, ou seja, dissolver seu voto; mas se ele não fizesse isso de uma vez, ele não poderia impedir seu cumprimento depois. שׂפתיה מבטא, […], que é proferida sem pensar ou sem reflexão (compare com Levítico 5: 4). Esta expressão implica que os votos de abstinência eram muitas vezes feitos por mulheres solteiras sem pensamento ou reflexão. – O terceiro caso (Números 30:9) foi o de um voto feito por uma viúva ou mulher divorciada. Tal voto tinha força total, porque a mulher não dependia de um marido. – O quarto caso (Números 30:10-12) foi o de um voto feito por uma esposa em seu estado de casada. Tal voto deveria permanecer em vigor se o marido permanecesse em silêncio ao ouvi-lo e não a restringisse. Por outro lado, não teria força se o marido a dissolvesse imediatamente. Depois disso segue a declaração geral (Números 30:13-16), que um marido pode estabelecer ou dissolver todo voto de desempenho ou abstinência feito por sua esposa. Se, porém, se calava “dia a dia”, confirmava-o com o seu silêncio; e se depois ele o declarasse nulo, ele deveria suportar a iniquidade de sua esposa. עונה, o pecado que a esposa teria que suportar se ela tivesse quebrado o voto por vontade própria. Isso consistia em uma oferta pelo pecado para expiar seu pecado (Levítico 5:4); ou se isso foi omitido, no castigo que Deus suspendeu sobre o pecado (Levítico 5:1). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

12 Mas se seu marido os anulou no dia que os ouviu; tudo o que saiu de seus lábios quanto a seus votos, e quanto à obrigação de sua alma, será nulo; seu marido os anulou, e o SENHOR a perdoará.

Comentário de Keil e Delitzsch

Números 30:3-15 contém as regras relativas aos votos positivos e negativos feitos por uma mulher, e são dados quatro exemplos diferentes. O primeiro caso (Números 30:3-5) é o de uma mulher jovem, ainda solteira, e morando na casa de seu pai. Se ela fizesse um voto de desempenho ou abstinência, e seu pai soubesse disso e permanecesse em silêncio, era para ficar de pé, ou seja, permanecer em vigor. Mas se seu pai a retivesse quando soube disso, ou seja, proibiu-a de cumpri-lo, não era para permanecer ou permanecer em vigor, e Jeová a perdoaria por causa da recusa de seu pai. A obediência a um pai era mais alta do que um serviço religioso auto-imposto. – O segundo caso (Números 30:6-8) foi o de um voto de desempenho ou abstinência, feito por uma mulher antes de seu casamento, e trazido com ela (עליה, “sobre si mesma”) em seu casamento. Nesse caso, o marido tinha que decidir sobre sua validade, da mesma forma que o pai antes do casamento. No dia em que soube disso, ele poderia reter sua esposa, ou seja, dissolver seu voto; mas se ele não fizesse isso de uma vez, ele não poderia impedir seu cumprimento depois. שׂפתיה מבטא, […], que é proferida sem pensar ou sem reflexão (compare com Levítico 5: 4). Esta expressão implica que os votos de abstinência eram muitas vezes feitos por mulheres solteiras sem pensar ou refletir. – O terceiro caso (Números 30:9) foi o de um voto feito por uma viúva ou mulher divorciada. Tal voto tinha força total, porque a mulher não dependia de um marido. – O quarto caso (Números 30:10-12) foi o de um voto feito por uma esposa em seu estado de casada. Tal voto deveria permanecer em vigor se o marido permanecesse em silêncio ao ouvi-lo e não a restringisse. Por outro lado, não teria força se o marido a dissolvesse imediatamente. Depois disso segue a declaração geral (Números 30:13-16), que um marido pode estabelecer ou dissolver todo voto de desempenho ou abstinência feito por sua esposa. Se, porém, se calava “dia a dia”, confirmava-o com o seu silêncio; e se depois ele o declarasse nulo, ele deveria suportar a iniquidade de sua esposa. עונה, o pecado que a esposa teria que suportar se ela tivesse quebrado o voto por vontade própria. Isso consistia em uma oferta pelo pecado para expiar seu pecado (Levítico 5:4); ou se isso foi omitido, no castigo que Deus suspendeu sobre o pecado (Levítico 5:1). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

13 Todo voto, ou todo juramento obrigando-se a afligir a alma, seu marido o confirmará, ou seu marido o anulará.

Comentário de Daniel Steele

a afligir a alma. Isso geralmente era feito em jejum. Os mestres judeus deduzem deste versículo que, embora o pai possa anular todos os votos de sua filha, ainda assim o marido só tem autoridade sobre o voto de sua esposa de afligir sua alma. [Steele, aguardando revisão]

14 Porém se seu marido calar a isso de dia em dia, então confirmou todos os seus votos, e todas as obrigações que estão sobre ela: confirmou-as, porquanto calou a isso o dia que o ouviu.

Comentário de Daniel Steele

de dia em dia. Seu poder de anular o voto de sua esposa expirou após o dia em que o ouviu. Números 30:8. [Steele, aguardando revisão]

15 Mas se as anular depois de havê-las ouvido, então ele levará o pecado dela.

Comentário de Daniel Steele

ele levará o pecado dela. A punição pelo voto quebrado de sua esposa. Uma oferta pelo pecado deve ser apresentada por ele para expiar o pecado dela. [Steele, aguardando revisão]

16 Estas são as ordenanças que o SENHOR mandou a Moisés entre o homem e sua mulher, entre o pai e sua filha, durante sua juventude em casa de seu pai.
<Números 29 Números 31>

Visão geral de Números

Em Números, “Israel viaja no deserto a caminho da terra prometida a Abraão. A sua repetida rebelião é retribuída pela justiça e misericórdia de Deus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (7 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro dos Números.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.