Jonas 3:10

E Deus viu a atitude deles, que se converteram de seu mau caminho; então Deus se arrependeu do mal que tinha dito que lhes faria, e não o fez.

Comentário de A. R. Fausset

Deus se arrependeu do mal – Quando a mensagem foi enviada para eles, eles estavam tão prontos para o julgamento que um propósito de destruição ter efeito em quarenta dias foi a única palavra que a justa aversão a Deus pelo pecado admitiu a eles. Mas quando eles se arrependeram, a posição em que eles estavam em relação à justiça de Deus foi alterada. Portanto, o modo de Deus lidar com eles deve ser alterado de acordo com isso, para que Deus não seja inconsistente com Seu próprio caráter imutável de lidar com os homens de acordo com suas obras e estado de coração, tomando vingança finalmente sobre o impenitente endurecido, e deleitando-se em mostrar misericórdia para com o penitente. Compare o raciocínio de Abraão, Gênesis 18:25; Ezequiel 18:21-25; Jeremias 18:7-10. O que foi realmente uma mudança neles e nas relações correspondentes de Deus é, em condescendência às concepções humanas, representado como uma mudança em Deus (compare Êxodo 32:14), que, em Sua justiça e misericórdia essenciais, não muda (Números 23:19; 1Samuel 15:29; Malaquias 3:6; Tiago 1:17). A razão pela qual o anúncio da destruição foi feito absoluto, e não dependente da impenitência continuada de Nínive, era que essa forma era a única calculada para despertá-los; e ao mesmo tempo era uma representação verdadeira do propósito de Deus em relação a Nínive, sob o estado atual, e de Nínive, devido. A razão pela qual o anúncio da destruição foi tornado absoluto, e não dependente da contínua impenitência de Nínive, foi que esta forma era a única calculada para despertá-los; e ao mesmo tempo era uma representação verdadeira do propósito de Deus para com Nínive sob seu estado existente, e do devido de Nínive. Quando esse estado cessou, uma nova relação de Nínive com Deus, não contemplada na mensagem, entrou, e foi criado espaço para que a palavra tivesse efeito, “a maldição sem causa não virá” (Fairbairn). A profecia não é meramente para provar a onisciência de Deus pela verificação das predições do futuro, mas é projetada principalmente para vindicar a justiça e misericórdia de Deus ao lidar com o impenitente e penitente respectivamente (Romanos 11:22). A Bíblia sempre atribui o primeiro lugar aos princípios eternos da justiça, enraizados no caráter de Deus, subordinando a eles todos os arranjos divinos. Deus poupa Nínive, quando nas garras da destruição, no primeiro alvorecer do arrependimento encoraja o tímido penitente, e mostra de antemão que a destruição de Israel, logo após o cumprimento, deve ser atribuída, não à relutância em perdoar da parte de Deus, mas à sua própria impenitência obstinada. [Jamieson; Fausset; Brown]

< Jonas 3:9 Jonas 4:1 >

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – janeiro de 2021.