Colossenses 1:29

Para isso eu também trabalho, lutando conforme a eficácia dele, que age em mim com poder.

Comentário A. R. Fausset

Para isso – ou seja, “apresentar todo homem perfeito em Cristo”.

eu também trabalho – sim, “eu também trabalho” (2Coríntios 6:51). Eu não apenas “proclamo” (Colossenses 1:28), mas também trabalho.

lutando – em “conflito” (Colossenses 2:1) de espírito (compare Romanos 8:26). A mesma palavra grega é usada de Epafras (Colossenses 4:12), “trabalhando fervorosamente por você em orações”: literalmente, “agonizando”, “esforçando-se como na agonia de uma disputa”. Assim, Jesus no Getsêmani quando orava (Lucas 22:44): assim “esforçar-se” (a mesma palavra grega, “agonizar”), Lucas 13:24. Então Jacó “lutou” em oração (Gênesis 32:24-29).

conforme a eficácia dele – Paulo declara ter poder para “esforçar-se” em espírito por seus convertidos, na medida em que Cristo energiza nele e por ele (Efésios 3:20; Filipenses 4:13). [JFB][/su_spoiler]

Comentário de L. B. Radford

Para isso – isto é, com este fim em vista, em outras palavras, o aperfeiçoamento de todo homem cristão pela apresentação fiel e plena do Evangelho e da Pessoa de Cristo. Lightfoot considera o fim como sendo a vindicação da universalidade do Evangelho; ‘se Paulo tivesse se contentado em pregar um evangelho exclusivo, ele poderia ter se salvo de mais da metade dos problemas de sua vida’. É verdade que a oposição de judeus e gnósticos foi dirigida contra a universalidade do Evangelho, o judeu insistindo no privilégio racial, o gnóstico na capacidade intelectual. Mas a que se refere não à característica especial da universalidade do Evangelho, mas à sua pregação e aplicação em geral; e é duvidoso que a ideia de tal oposição seja proeminente ou mesmo presente no trabalho e conflito de que Paulo fala aqui.

eu também trabalho. A King James eu também trabalho; pode significar ‘eu também’, assim como outros apóstolos e mestres. o R. V. [King James, Versão Revisada] é mais fiel ao grego, no qual não há ‘eu’ enfático, e ‘também’ claramente pertence ao verbo, indicando ou (1) o preço de sua pregação, ‘eu não apenas prego, mas pregue até o ponto ou ao custo de pura labuta’, ou (2) a ampla gama de trabalho envolvido em sua missão, ‘eu não apenas prego, mas trabalho de todas as maneiras’. Lightfoot rastreia o trabalho aqui e em Filipenses 2:16, 1 Timóteo 4:10, à severidade do treinamento atlético, e parafraseia isso ‘eu me treino na disciplina da abnegação’, em preparação e como condição do ‘esforço ‘, que ele parafraseia ‘Eu me comprometo com a arena do sofrimento e da labuta’. Mas o trabalho e o esforço parecem ser coincidentes, se não idênticos. Nem é este sentido restrito de ‘trabalho’ apoiado por seu uso em outro lugar no Novo Testamento. :28; da labuta do trabalho apostólico e ministerial de Paulo em 1Coríntios 15:10, Gálatas 4:11, Filipenses 2:16, e de outros em 1Tessalonicenses 5:12, Romanos 16:6, 12, 1Coríntios 16:16. O substantivo kopos, do qual deriva o verbo, é trabalho fatigante, distinto de ergon, que é simplesmente trabalho ativo. compare com 1Tessalonicenses 1:3, a atividade da fé e a labuta do amor, e Apocalipse 14:13, onde os fiéis partiram descansam da labuta, mas seu trabalho continua.

lutando. O verbo grego, nosso agonizar, originalmente lutar em uma competição atlética (Grego agon), como em 1Coríntios 9:25, passou a significar (1) lutar em qualquer conflito, por exemplo. uma batalha, um processo judicial, uma causa política, (2) para exercer qualquer esforço extenuante. No Novo Testamento a ideia de rivalidade está ausente; a única ideia é esforço interno ou dificuldade externa. É – usado em Lucas 13:24 da luta para entrar na porta estreita; em 1Timóteo 6:12, 2Timóteo 4:7 do combate do bom combate, ‘o esforço persistente da vida cristã’ (Parry); em Judas 3 da defesa da fé; em Hebreus 12:4 do conflito com o pecado que pode terminar em martírio; em hebr. 11:33 da vitória da fé hebraica sobre os reinos pagãos; em Colossenses 4:12 e Romanos 15:30 de luta em intercessão. Aqui e em 1 Timóteo 4:10 (onde trabalho e luta ocorrem juntos como aqui) parece denotar todo o esforço extenuante do ministério de Paulo, a tensão do trabalho e o estresse do conflito, compare com 2Coríntios 7:5, ‘lutas externas, medos dentro’. Veja nota em Colossenses 2:1.

conforme a eficácia dele. A preposição grega denota correspondência; A atividade de Paulo não é meramente o resultado do poder divino, mas a resposta ao poder divino. Trabalhar (Grego energeia) é poder em ação distinto de dunamis, energia potencial. No Novo Testamento, onde é peculiar a Paulo, é sempre uma atividade divina ou sobre-humana (Arm. Rob. Efésios, p. 242). As exceções são apenas aparentes; por exemplo. em Efésios 4:16 a energeia de cada parte do Corpo de Cristo é derivada da Cabeça. Seu trabalho pode se referir a Deus ou a Cristo. Energeia é a operação de Deus em Efésios 1:19 como visto na ressurreição (cp. Colossenses 2:12) e ascensão de Cristo; em Efésios 3:7 como visto na graça dada ao Apóstolo. Em Filipenses 3:21 é a obra de Cristo vista na transformação do ‘corpo da nossa humilhação’ à semelhança do ‘corpo da sua glória’. Aqui a adjacência do nome de Cristo no contexto aponta para ser ‘a operação de Cristo’. compare com 2Coríntios 12:9, Filipenses 4:13.

que age em mim. Lightfoot em Gálatas 5:6 e 1Tessalonicenses 2:13 insiste que este verbo (Grego energoumenen pres. partic. aqui) em Paulo nunca é passivo, mas sempre intermediário, trabalhando em si mesmo’. Armitage Robinson em um estudo exaustivo do grupo de palavras ‘energia’ em grego (Efésios, pp. 241-7) decide pelo passivo, ‘ser posto em operação’. A distinção não é meramente gramatical; ‘o passivo serve para nos lembrar que a operação não é auto-originada’. Mas esta explicação, embora verdadeira onde Paulo está falando da palavra de Deus (1 Tessalonicenses 2:13), fé (Gálatas 5:6), o mistério da iniqüidade (2Ts 2:7), o espírito do mal nos filhos de desobediência (Efésios 2:2), conforto (2Coríntios 1:6), (cp. Tiago v. 16, oração de um homem justo), é pouco conclusivo ou relevante onde a ‘energia’ é direta ou obviamente divina, a operação de Deus ou Cristo na vida humana. Aqui o passivo é menos apropriado e menos vívido do que o meio, “está se desenvolvendo” ou “está encontrando expressão”.

com poder. A R. V. [King James, Versão Revisada] mg. no poder. (1) Tem sido sugerido que o poder (dunamis) aqui se refere a milagres operados pelo Apóstolo. É usado nesse sentido em 2Coríntios 12:12, 1Coríntios 12:10, Gálatas 3:5, Heb. 2:2, compare com Romanos 15:19, 2 Ts. 2:9. Mas não há menção de milagres nas últimas epístolas de Paulo. Pode ter havido pouca ou nenhuma oportunidade para milagres em seu confinamento; ou podem ter sido menos apropriados no ministério posterior de pastoreio sobre as igrejas do que no ministério anterior de pregação à multidão. Aqui o poder é claramente algo relacionado com a labuta e a tensão do ministério e não com suas realizações milagrosas. (2) Surge a questão se o poder é o poder de Cristo ou de Paulo. Em Romanos 1:4, onde Cristo é ‘declarado Filho de Deus com poder… pela ressurreição dos mortos’, pode ser o poder de Deus manifestado na ressurreição de Cristo, ou o poder que Cristo foi visto possuir sobre o mundo moral e físico. Mas principalmente a frase em poder ou com poder no Novo Testamento refere-se ao poder não em relação à sua fonte divina, mas em sua atuação na experiência humana, por exemplo. 1Tessalonicenses 1:5, 2 Ts. 1:11, 1Coríntios 4:20, 15:43. É o poder visível, o dunamis humano criado ou inspirado pela energia divina. Aqui parece ser o reforço do poder físico e espiritual do Apóstolo. compare com 2Coríntios 12:9, 10, onde a força de Cristo que repousa sobre ele o torna forte apesar de sua fraqueza natural. [Radford, aguardando revisão]

< Colossenses 1:28 Colossenses 2:1 >

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – janeiro de 2021.