Colossenses 2:23

Elas realmente têm aparência de sabedoria em culto voluntário, humildade, e tratamento severo ao corpo; mas não têm valor algum contra a satisfação da carne.

Comentário A. R. Fausset

têm grego “, estão tendo”; implicando a característica permanente que essas ordenanças devem ter.

demonstração de sabedoria – em vez disso, “uma reputação de sabedoria” (Alford).

adoração de vontade – culto arbitrariamente inventado: adoração em voga, concebida pela própria vontade do homem, não por Deus. Tão ciumento é Deus da adoração da vontade humana, que Ele matou Nadabe e Abiú mortos por queimarem incenso estranho (Levítico 10:1-3). Assim Uzias foi acometido de lepra por usurpar o ofício de sacerdote (2Crônicas 26:16-21). Compare a adoração de Saul (1Samuel 13:8-14 ) pela qual ele estava condenado a perder seu trono. Essa “adoração voluntária” é a contrapartida de sua “humildade voluntária” (Colossenses 2:18): ambos são falsos na aparência, os primeiros parecendo fazer mais do que Deus exige (como nos dogmas das igrejas grega e romana). ; mas realmente deixando de lado a vontade de Deus para o próprio homem; o último, aparentemente auto-humilhante, mas realmente orgulhoso da “humildade” voluntária do homem (grego, “humildade mental”), enquanto virtualmente rejeita a dignidade da comunhão direta com Cristo, a Cabeça; adorando os anjos.

negligência do corpo grego “, não poupando do corpo.” Este asceticismo parece ter descansado sobre a teoria oriental de que a matéria é a fonte do mal. Isso também parecia plausível (compare 1Coríntios 9:27).

não têm valor algum – do corpo. Como “negligenciar o corpo” descreve positivamente o ascetismo; então esta cláusula, negativamente. Não pagando nada dessa “honra” que é devida ao corpo como redimido por tal preço como o sangue de Cristo. Nós não devemos degradar, mas ter uma estimativa justa de nós mesmos, não em nós mesmos, mas em Cristo (Atos 13:46; 1Coríntios 3:21; 1Coríntios 6:15; 1Coríntios 7:23; 1Coríntios 12:23, 1Coríntios 12:24, 1Tessalonicenses 4:4). A verdadeira abnegação diz respeito ao espírito, e não às formas de automortificação ascética nas “carnes que não aproveitam as que nele estão ocupadas” (Hebreus 13:9), e é consistente com o respeito próprio cristão, a “honra” que pertence o crente como dedicado ao Senhor. Compare “em vão”, Colossenses 2:18.

contra a satisfação da carne – Isto expressa a tendência real de suas ordenanças humanas de ascetismo corporal, humildade voluntária e adoração de anjos. Enquanto parecem negar a si mesmos e ao corpo, eles realmente estão mimando a carne. Assim, a “satisfação da carne” responde a “inchaços da sua mente carnal” (Colossenses 2:18), de modo que “carne” é usada em seu sentido ético, “a natureza carnal” em oposição à “espiritual”; não no sentido, “corpo”. O grego para “satisfazer” implica saciar a plenitude, ou em excesso. “Um excesso do sentido carnal é tradição humana” [Hilary the Deacon, em Bengel]. Tradição incha; entope as percepções celestiais. Colocam fora a verdadeira “honra” para que possam “saciar em toda a carne”. As ordenanças auto-impostas gratificam a carne (a saber, a justiça própria), embora parecendo mortificá-la. [JFB, aguardando revisão]

Comentário de L. B. Radford

Elas, ou seja, as próprias ordenanças ou os preceitos e doutrinas dos homens sobre os quais se baseiam. Há uma diferença entre os parentes gregos neste e no anterior que coisas no versículo 22; isso significa ‘que coisas particulares’, ou seja, os objetos específicos das proibições, as coisas proibidas; isso significa ‘que tipo de coisa’, ou seja, essas ordenanças vistas como uma linha de conduta, um princípio de vida.

têm aparência de sabedoria. A palavra grega traduzida como show é logos, que significa (1) razão, (2) teoria, (3) reputação. Uma demonstração de sabedoria pode significar, portanto, (1) uma base racional do ponto de vista de sua filosofia, (2) uma teoria da filosofia, ou seja, uma teoria ou concepção filosófica por trás deles, (3) mais provavelmente, uma reputação de sabedoria, isto é, uma aparência plausível, uma justificativa aparente.

em culto voluntário. A preposição denota os fundamentos em que se baseou a reputação de sabedoria. Vontade de adoração é uma reprodução exata de um substantivo composto grego, um de um grupo de palavras em que o prefixo will denota voluntarioso ou ofício ou auto-imposto ou afetativo. A adoração em questão é a observância de dias santos em si mesma ou a adoração de anjos com a qual estava associada. O prefixo will pode ter a intenção de sugerir que o culto foi gratuito porque não foi ordenado ou exigido. Mas mais provavelmente aponta para a presunção de um culto auto-imposto, uma espécie de orgulho de supererrogação, ou a afetação de superioridade na força de um tipo auto-escolhido de devoção supostamente superior. A palavra é encontrada tanto no bom quanto no mau sentido; aqui é ambíguo. Paulo está citando o que é dito por eles mesmos ou admitindo o que pode ser dito por outros em nome desse sistema de religião, mas parece haver um toque de ironia em sua linguagem.

humildade. Compare com nota sobre a palavra no versículo 18. Aqui novamente a palavra é uma citação das reivindicações da nova religião. Mas não é certo se se refere à modéstia e reverência que eles reivindicavam por sua angelologia ou à auto-humilhação de seu ascetismo. A palavra pode ser virtualmente governada pela vontade prefixada à adoração, ou seja, uma humildade autoconsciente e artificial ou uma humilhação autoimposta. Mas talvez seja completo em si mesmo. Qualquer interpretação em mau sentido é duvidosa. O que Paulo realmente pensava sobre as falhas ou falhas desse tipo de religião está condensado na cláusula a seguir. Aqui ele está citando suas alegações defendidas ou admitindo seus valores aparentes.

mas não têm valor algum. Tão grande é a dificuldade de encontrar qualquer interpretação que faça justiça ao significado usual das duas palavras traduzidas valor e indulgência, e também dê uma antítese efetiva ao lado promissor ou plausível da nova religião, que até os estudiosos conservadores suspeitaram que alguns corrupção do texto grego, embora nenhuma emenda convincente ou mesmo atraente tenha surgido ainda. Na ausência de qualquer palavra de conexão com a frase anterior, a linha de pensamento deve ser determinada pelo significado das palavras valor e indulgência. (1) A palavra grega traduzida como indulgência foi entendida como significando “satisfação” em um bom sentido, ou seja, “não manter o corpo em qualquer honra com vistas à satisfação de seus instintos naturais”. Mas (a) a mudança do corpo para a carne parece apontar para a carne como significando não o corpo em um sentido bom ou neutro, mas o lado inferior ou pior aspecto da natureza humana. (6) A palavra grega aparentemente nunca significa satisfação de maneira correta ou em grau apropriado, mas sempre plenitude ou indulgência excessiva. (c) A cláusula como interpretada acima é uma continuação ou explicação da gravidade para o corpo; mas o que parece ser necessário é uma antítese para ter de fato uma demonstração de razão, alguma nota de condenação de algo defeituoso ou vicioso, para equilibrar o reconhecimento anterior de uma promessa plausível. (2) Dado o mau senso de indulgência, várias interpretações têm sido sugeridas. (a) Foi considerado como continuando o argumento dos professores colossenses, ou seja, ‘não considerando como uma verdadeira honra para o corpo satisfazer a carne’ (Teodoro de Mopsuéstia). Isso não pode ser retirado do grego e não dá a resposta exigida de Paulo às supostas virtudes do sistema. (b) Alford liga a frase de volta a ‘Por que vocês se submetem às ordenanças?’, considera as sentenças intermediárias como uma série de parênteses, e interpreta isso como significando que tal submissão não traz honra real ao corpo, mas é uma submissão ao ensino que dá expressão e satisfação a uma visão materialista da religião, compare com ‘inchado por sua mente carnal’. Mas este longo parêntese parece exigir alguma conexão mais óbvia ou conclusão mais clara. a atribuição de importância errada às coisas materiais, que dificilmente poderia ser descrito com justiça como uma indulgência da natureza sensual do homem. (c) O R.V. [King James, Versão Revisada] dá a antítese necessária, e afirma um princípio sólido. Mas é muito duvidoso se a preposição grega pode significar contra, e também se a palavra grega para honra, embora signifique valor no sentido de preço, pode significar valor no sentido de utilidade. ao R.V. [King James, Versão Revisada] são conclusivos, resta apenas uma tradução satisfatória, em outras palavras, tomar Paulo como significando que esse sistema de disciplina ascética resultou não em qualquer honra ou crédito real para seus observadores, mas apenas o tipo de honra que satisfez uma natureza carnal. Eles negaram a si mesmos a satisfação das inclinações do corpo, mas entregaram-se à plena satisfação das inclinações de uma alma que não era espiritual, mas sensual. A severidade deles para o corpo era realmente uma satisfação da carne. Esta interpretação, embora verdadeira de fato, é uma tradução forçada do grego. O R. V. [King James, Version Revisada] em geral é um seguimento mais simples do grego, e envolve apenas a interposição de palavras para trazer à tona a antítese que parece ter estado na mente do apóstolo.

contra a satisfação da carne. A King James negligenciando com menos precisão o corpo. A palavra grega significa literalmente tratamento implacável do corpo, em obediência, por exemplo. às exigências do dever sobre um soldado em serviço ativo, ou um estudioso engajado em estudo, ou aqui para “as rigorosas exigências feitas pela alma sobre o corpo” em qualquer esquema de disciplina ascética. compare com a linguagem forte do próprio Paulo em 1Coríntios 9:27 sobre esbofetear (lit. machucar) seu corpo e trazê-lo à escravidão. Alguns manuscritos omitem e antes da severidade. (1) A omissão torna a severidade ao corpo um complemento da segunda ou de ambas as palavras anteriores, isto é, ‘que têm uma aparência de sabedoria por sua atitude em relação ao físico, como mostrado no culto e no jejum’. Lightfoot sugere que eles são os elementos religiosos, enquanto a severidade do corpo é a regra prática. A distinção pode ser mais justamente invertida. O rígido controle do corpo pode ser o princípio que encontrou expressão no culto e no jejum e que deu uma base filosófica a todo o sistema. Mas a construção é dura. (2) A leitura e dá uma construção mais simples e uma análise mais completa. A severidade do corpo parece ter pouca relação com o cerimonial da angelolatria, e é distinta da humildade ou mesmo da auto-humilhação. [Radford, aguardando revisão]

< Colossenses 2:22 Colossenses 3:1 >

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – janeiro de 2021.