Colossenses 3:10

e vos revestistes do novo, que se renova em conhecimento, conforme a imagem daquele que o criou.

Comentário A. R. Fausset

do novo – (Veja em Efésios 4:23). Aqui, o grego significa “a natureza recém-colocada”, que recebeu recentemente na regeneração (ver Efésios 4:23-24).

que se renova – grego, “que está sendo renovado” (“anakainottmenou”), ou seja, o seu desenvolvimento em uma natureza perfeitamente renovada está continuamente progredindo para a conclusão.

em conhecimento – sim como o grego, “até o conhecimento perfeito” (ver em Colossenses 1:6; veja em Colossenses 1:9-10). O perfeito conhecimento de Deus exclui todo pecado (Jo 17:3).

conforme a imagem daquele que o criou – a saber, de Deus que criou o novo homem (Efésios 2:104:24). A nova criação é análoga à primeira criação (2Coríntios 4:6). Assim como o homem foi feito à imagem de Deus naturalmente, agora também espiritualmente. Mas a imagem de Deus formada em nós pelo Espírito de Deus é tão mais gloriosa quanto a de Adão, pois o segundo homem, o Senhor do céu, é mais glorioso do que o primeiro homem. Gênesis 1:26: “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança”. A “imagem” é reivindicada para o homem, 1Coríntios 11:7; a “semelhança”, Tiago 3:9. Orígenes (Sobre os Primeiros Princípios, 3:6) ensinou, a imagem era algo em que todos foram criados, e que continuou a ser o homem após a queda (Gênesis 9:6). A semelhança era algo para o qual o homem foi criado, para que ele pudesse se esforçar e alcançá-la. Trench pensa que Deus na dupla declaração (Gênesis 1:26), contempla a primeira criação do homem e seu ser “renovado em conhecimento segundo a imagem dAquele que O criou “. [JFB]

Comentário de L. B. Radford

e vos revestistes do novo. Em Romanos 13:12 a vida cristã é descrita como a colocação da ‘armadura da luz’ em troca das obras das trevas (epístola a definição da armadura dos filhos da luz em 1Tessalonicenses 5:8); em Romanos 13:14 e Gálatas 3:27 é a vestimenta de Cristo. Aqui novamente estão os dois estágios ou fases mencionados acima, em outras palavras, a experiência espiritual da união com Cristo e o esforço moral da obediência a Cristo.

A língua grega tem duas palavras para novo, (1) neos, ou seja, em adição ou sucessão ao antigo, novo no tempo, jovem, recente e (2) kainos, novo em si, diferente, fresco. Aqui o primeiro é usado, em Efésios 4:24 o último, do ‘homem novo’. Com o passar do tempo o novo homem deixa de ser neos, uma nova experiência, mas é sempre kainos, um novo personagem. O novo homem aqui foi entendido como o próprio Cristo, como em Gálatas 3:27, Romanos 13:14, compare com 1Coríntios 15:4549. Mas aqui, quer Cristo esteja ou não implícito na imagem daquele que o criou, em todo caso o novo homem é claramente o homem-Cristo, a personalidade cristã, a nova vida que resulta da nova relação com Cristo.

que se renova em conhecimento. O verbo é um derivado de kainos, e corresponde a esse adjetivo usado em Efésios 4:24. Mas vai além. O novo homem não é meramente um personagem novo e diferente no início da vida cristã. Está sendo continuamente renovada por novos avanços na direção da percepção moral e da experiência espiritual. Meyer toma o conhecimento em estreita conexão com as palavras que se seguem, em outras palavras, “para um conhecimento que está de acordo com a imagem de seu Criador”, isto é, de acordo com a capacidade de conhecimento divino com a qual a mente do homem foi dotada por seu Criador. Mas a conexão mais natural é com o verbo ‘ser renovado’; nesse caso, o caráter e o conteúdo do conhecimento são deixados indefinidos. A ênfase está no mero fato do conhecimento; o novo homem está sempre aprendendo a entender as coisas. Dibelius observa que o velho e o novo homem são termos místicos que aqui recebem uma guinada moral.

conforme a imagem daquele que o criou. A frase inteira deve ser comparada cuidadosamente com Efésios 4:23-24. Lá, a mudança do velho para o novo homem é descrita primeiro como a renovação gradual do ‘espírito da mente’, depois como o passo decisivo da assunção de uma nova personalidade, que depois de Deus ter sido criado em justiça e santidade de verdade”, R. V. [King James, Versão Revisada], uma tradução mais precisa que a King James, ‘é criada em justiça e verdadeira santidade’, mas ela mesma literal demais para ser inteligível. Uma tradução melhor seria ‘que foi criado segundo a vontade de Deus com uma justiça e santidade que vem do conhecimento da verdade’. Aqui a assunção da nova personalidade vem primeiro, e então seu avanço por constante renovação em um conhecimento mais profundo, a própria renovação sendo uma aproximação mais próxima da semelhança com a mente de Deus revelada em sua criação. “Quanto mais formos como Ele, mais O compreenderemos” (Dawson Walker, p. 141).

As mesmas idéias são encontradas em ambas as passagens; por exemplo. conhecimento aqui e verdade em Efésios 4:24. Mas há uma diferença na ordem e ênfase. Aqui Paulo está vendo a nova personalidade em sua história subsequente, que é uma vida de crescente correspondência com sua origem. Lá ele a vê em sua origem como uma criação divina, como uma nova vida nascida da revelação da verdade divina.

A frase após a imagem vem de Gênesis 1:26-27. ‘O homem espiritual no coração de cada crente, como o homem primitivo no início do mundo, foi criado à imagem de Deus. … O novo nascimento foi uma recriação à imagem de Deus; a vida subseqüente deve ser um aprofundamento dessa imagem assim estampada no homem’ (Lightfoot). Para a ideia da vida cristã como uma nova criação, veja 2Coríntios 5:17, Gálatas 6:15. Crisóstomo e outros tomam aquele que o criou como referindo-se a Cristo. Mas Cristo nunca é descrito como criador; Ele não é a fonte, mas o agente da criação, Colossenses 1:16, Efésios 3:9, Heb. 2:10, João 1:3. E a alusão a Gênesis 1:26, 27 é decisiva para referir esta criação a Deus. Outra interpretação vê Cristo na imagem, com base nos dois fundamentos de que em 2Coríntios 4:4 e Colossenses 1:15 Ele é descrito como a imagem de Deus, e que os filósofos alexandrinos tomaram a imagem em Gênesis 1:26, 27 para se referir a o Logos, o Verbo Divino. Mas o Logos dos filósofos alexandrinos era o “arquétipo ou padrão ideal do mundo sensível” platônico (Lightfoot), não a Palavra pessoal de Deus; e a ausência do artigo definido com imagem no grego proíbe a interpretação pessoal da palavra. A frase significa simplesmente em semelhança com Deus’, compare com a frase mais breve ‘depois de Deus’ em Efésios 4:24. [Radford, aguardando revisão]

< Colossenses 3:9 Colossenses 3:11 >

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – janeiro de 2021.