Efésios 1:3

Bendito seja o Deus e Pai do nosso Senhor Jesus Cristo, que nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo.

Comentário A. R. Fausset

As doxologias em quase todas as epístolas implicam o verdadeiro senso de graça experimentado pelos escritores e seus leitores (1Pedro 1:3). Efésios 1:3-14 apresenta sumariamente o Evangelho da graça de Deus: a obra de amor do PAI, Efésios 1:3 (nos escolher para a santidade, Efésios 1:4; para a filiação, Efésios 1:5; para aceitação , Efésios 1:6): os filhos, Efésios 1:7 (redenção, Efésios 1:7; conhecimento do mistério da sua vontade, Efésios 1:9; uma herança, Efésios 1:11); o ESPÍRITO SANTO, Efésios 1:13 (selando, Efésios 1:13; dando uma garantia da herança, Efésios 1:14).

o Deus e Pai deCristo – e assim o Deus e Pai de nós que estamos Nele (João 20:17). Deus é “o Deus” do homem Jesus e “o Pai” do Verbo Divino.

nos abençoou – Como na criação (Gênesis 1:22), assim na redenção (Gênesis 12:3; Mateus 5:3-11; Mateus 25:34) Deus “abençoa” Seus filhos; e isso não em meras palavras, mas em atos.

bênçãos – “Todas”, isto é, “todas as bênçãos possíveis para o tempo e a eternidade, que o Espírito tem que outorgar” (assim, “espiritual” significa; não “espiritual”, como o termo agora é usado, em oposição a corporal).

nos lugares celestiais – uma frase cinco vezes encontrada nesta epístola, e não em outro lugar (Efésios 1:202:63:106:12). A ascensão de Cristo é o meio de nos introduzir nos lugares celestiais, que por nossos pecados foram barrados contra nós. Compare a mudança feita por Cristo (Colossenses 1:20; Efésios 1:20). Enquanto Cristo na carne estava na forma de um servo, as pessoas de Deus não podiam realizar plenamente seus privilégios celestiais como filhos. Agora “nossa cidadania (grego) está no céu” (Filipenses 3:20), onde nosso Sumo Sacerdote está sempre “nos abençoando”. Nossos “tesouros” estão lá (Mateus 6:20-21); nossos objetivos e afetos (Colossenses 3:1-2); nossa esperança (Colossenses 1:5; Tito 2:13); nossa herança (1Pedro 1:4). O dom do próprio Espírito, a fonte da “bênção espiritual”, é em virtude de Jesus ter ascendido para lá (Efésios 4:8).

em Cristo – o centro e fonte de todas as bênçãos para nós. [Jamieson; Fausset; Brown]

Comentário de M. B. Riddle

Bendito. A palavra aqui usada é aplicada a Deus apenas no Novo Testamento, e com poucas exceções também na Septuaginta. O significado primário é o de falar ou prometer o bem; nossa bênção a Deus é louvor e ação de graças; Sua bênção inclui nos fazer bem também. Ambos os sentidos ocorrem neste versículo.

seja. O verbo é omitido no original, como é usual em tais doxologias. Podemos entender ‘seja’ como um desejo, ou como um imperativo, ou seja, uma pronúncia formal de bênção. Este último talvez seja preferível.

o Deus e Pai do nosso Senhor Jesus Cristo; ou, como alguns preferem traduzir esta fórmula, ‘Deus e o Pai’, etc. Qualquer visão é gramaticalmente sustentável, e para nenhuma delas pode haver qualquer objeção doutrinária (em Efésios 1:17, encontramos: ‘o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo’). Mas preferimos juntar ‘de nosso Senhor Jesus Cristo’ a ambos os substantivos. “Ser Deus e ser Pai não são ideias que se excluem, nem aparecem como duas, mas como uma unidade. Aqui é louvado aquele que não é apenas o Deus ou o Encarnado, mas também o Pai deste Senhor, do Unigênito, a quem deu; assim é indicado o Deus-homem por quem as bênçãos da redenção são mediadas” (Braune).

que nos abençoou. A bênção ativa e eficiente é aqui mencionada, resumida em um ato passado, sendo essa a força do tempo verbal usado. Aqui ‘refere-se aos conselhos do Pai como graciosamente completados na redenção’ (Ellicott). ‘Nos’ significa todos os cristãos, como o contexto mostra claramente.

com todas as bênçãos espirituais, ou seja, todo tipo de bênção que pode ser denominada ‘espiritual’. Mas ‘espiritual’ no Novo Testamento ‘sempre implica a operação do Espírito Santo, nunca tendo meramente nosso senso moderno e impreciso de espiritual em oposição a corporal’ (Alford). Comp. em Romanos 7:14. O Espírito Santo é o Agente na concessão da ‘bênção’, e sob ela incluímos todos os privilégios mencionados a seguir.

nos lugares celestiais. Estritamente falando, isso define a frase anterior, ‘toda bênção espiritual’. Tem um sentido local, mas amplo e abrangente; ‘toda bênção espiritual que recebemos brota de um mundo superior, deve ser buscada em uma região celestial, e daí ser obtida’ (Braune). Alguns referem-se ao ‘céu da graça’ na terra, no qual o crente é introduzido; enquanto a ausência de qualquer substantivo no original permitiu que muitos fornecessem ‘posses’ em vez de ‘lugares’. Mas em todas as outras instâncias o sentido local é o correto (Efésios 1:20; Efésios 2:6; Efésios 3:10; Efésios 6:12); por isso preferimos aqui.

em Cristo. Aqui, como sempre, a ideia de comunhão é a mais proeminente; todas as bênçãos espirituais que recebemos, os lugares celestiais em que são recebidos, são nossas, somente por meio de nossa comunhão com Cristo. Parece qualificar tudo o que precede, em vez de qualquer frase específica. Nesta seção especialmente, as palavras ‘em Cristo’ formam ‘o centro e a batida do coração da visão do Apóstolo’. O pensamento se repete em formas variadas oito vezes apenas nesta seção.  [Schaff, 1878-83]

< Efésios 1:2 Efésios 1:4 >

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – janeiro de 2021.