Colossenses 2:15

ele despojou os domínios e autoridades, publicamente os envergonhou, e nela triunfou sobre eles.

Comentário A. R. Fausset

Alford, Ellicott e outros traduzem o grego para concordar com a tradução do mesmo grego, Colossenses 3:9, “Despojando de Si mesmo os principados e os poderes”: Deus deixou de lado os anjos, isto é, o seu ministério, não empregá-los para serem promulgadores do Evangelho da maneira que Ele havia dado a lei por sua “disposição” ou ministério (Atos 7:53; Gálatas 3:19; Hebreus 2:2, Hebreus 2:5): Deus Se manifestou sem um véu em Jesus. “Os principados e os poderes” refere-se a Colossenses 2:10, Jesus, “o cabeça de todo principado e poder”, e Colossenses 1:16. No sacrifício de Jesus na cruz, Deus sujeitou todos os principados, etc., a Jesus, declarando-os impotentes quanto a Sua obra e Seu povo (Efésios 1:21). Assim, o argumento de Paulo contra aqueles que enxertam no cristianismo observâncias judaicas, junto com a adoração de anjos, é, qualquer parte que os anjos possam ter tido sob a lei, agora no fim, Deus tendo afastado a própria dispensação legal. Mas a objeção é que o contexto parece se referir a um triunfo sobre os anjos maus: em 2Coríntios 2:14, no entanto, o triunfo de Cristo sobre os que são submetidos a Ele não é um triunfo para a destruição, mas para sua salvação. que bons anjos podem ser referidos (Colossenses 1:20). Mas o meio grego é suscetível à versão inglesa, “tendo estragado” ou, literalmente, (Tittmann), “tendo despojado completamente” ou “despojado” para si mesmo (compare Romanos 8:38; 1Coríntios 15:24; Efésios 6:2). A versão inglesa concorda com o 12:29 de Mateus; Lucas 11:22; Hebreus 2:14. Traduza como o grego: “As regras e autoridades”.

fez um show deles – em Sua ascensão (ver em Efésios 4:8; confirmando a versão inglesa deste verso).

publicamenteJo 7:4; Jo 11:54, apoiar a versão em inglês contra a tradução de Alford, “em abertura de discurso”.

nela – a saber, a cruz dele, ou crucificação: assim os pais gregos traduzem. Muitos dos latinos, “nEle mesmo” ou “nEle”. Efésios 2:16 favorece a versão em inglês, “reconciliar-se … pela cruz, tendo matado a inimizade por meio disso”. Se “Nele”, isto é, Cristo, for lido ainda a cruz será o lugar e o meio do triunfo de Deus em Cristo sobre os principados (Efésios 1:20; Efésios 2:5). Os demônios, como outros anjos, estavam no céu até a ascensão de Cristo e influenciavam a terra de suas moradas celestes. Como o céu ainda não estava aberto ao homem antes de Cristo (Jo 3:13), também não estava fechado contra os demônios (Jó 1:6; Jó 2:1). Mas na ascensão, Satanás e seus demônios foram “julgados” e “expulsos” pela obediência de Cristo até a morte (Jo 12:31; Jo 16:11; Hebreus 2:14; Apocalipse 12:5-10), e Filho do homem foi elevado ao trono de Deus; assim, Sua ressurreição e ascensão são um triunfo solene público sobre os principados e potestades da morte. É impressionante que os oráculos pagãos tenham sido silenciados logo após a ascensão de Cristo. [JFB, aguardando revisão]

Comentário de L. B. Radford

ele despojou, etc. Em Colossenses 3:9 este verbo grego composto duplo denota a rejeição do ‘velho homem’ e seus hábitos em contraste com a colocação do ‘novo homem’. Em Colossenses 2:11 o substantivo é usado para o abandono do corpo carnal como sede e instrumento de tendências pecaminosas. Um composto mais simples é usado em 2Coríntios 5:4 do despojamento deste corpo mortal para receber o novo corpo espiritual. O verbo simples é comum em grego no sentido de despojar um corpo de suas vestes ou um inimigo de sua armadura. O verbo composto aqui está na voz média, significando ou se despir ou se despir para seu próprio benefício ou satisfação. (1) Algumas leituras antigas, versões e escritores patrísticos latinos tomam a palavra para se referir a Cristo despojando-se de Seu corpo humano por Sua morte na Cruz; então o R. V. [King James, Versão Revisada] marg. A idéia implícita é que por Sua rendição da vida inferior Ele justificou Seu poder divino, compare com João 10:18, ‘Eu tenho poder para entregá-lo … e tomá-lo novamente’, ou menos provavelmente que Ele despojou Ele mesmo como um atleta se despe em preparação para uma luta, compare com Hebreus 12: 1, ‘deixemos de lado todo peso, etc’. Há três objeções a essa interpretação. (a) Não há nada no contexto para sugerir ou apoiar este significado da metáfora. (b) Se fosse apenas despojando-se de Seu corpo humano na Cruz que Ele pudesse afastar de Si mesmo os poderes do mal que cercavam Sua humanidade, isso não seria vitória, mas recuo’ (Abbott). (c) A vitória crucial foi conquistada quando Ele pendurou ali no corpo por Sua triunfante resistência à agonia da desolação.

(2) A maioria dos comentaristas gregos antigos toma o verbo como governando ‘principados e poderes’, ou seja, ‘tendo despojado de si os poderes invisíveis do mundo espiritual’. Surge a pergunta, quais poderes? (a) Uma resposta é, os poderes do mal (cp. Efésios 6:11, 12), que assaltaram Cristo continuamente da Tentação à Cruz. “Os poderes do mal, que se agarraram como um manto de Nessus sobre Sua humanidade, foram arrancados e postos de lado para sempre” (Lightfoot). 3:9. Ele fez por nós na Cruz o que agora é feito em nós em nosso batismo. No Seu caso, havia apenas a tentação de deixar de lado; no nosso caso, tanto a tentação quanto o pecado. Mas ‘em ambos os casos, é um despojamento os poderes do mal, uma libertação do domínio da carne’ (Lightfoot). Essa idéia de um manto aderente, no entanto, implica uma associação muito próxima de influências malignas com a vida humana de Cristo. A idéia de Crisóstomo de um lutador arremessando o A compreensão de um antagonista está mais próxima da verdade, mas é duvidoso que ‘principados e potestades’ (cf. (b) Outra resposta é, poderes espirituais e seres em geral (eles no grego não é neutro, mas pessoal), e em parte especial os anjos. Os anjos podem ser vistos aqui como mediadores ou ministros da Lei (Gálatas 3:19, Atos 7:53, Hebreus 2:2), e talvez como se estivessem mantendo os homens ainda nas garras da Lei e, portanto, agora repudiados. e rejeitado junto com o domínio da Lei. Ou se Deus ainda é o assunto, eles podem ser vistos como revelações e comunicações parciais da natureza e vontade divina, cuja função é agora revogada ou cuja inferioridade é agora afirmada, ‘Deus se manifestando a partir de agora sem véu na exaltada pessoa de Jesus ‘ (Abbot). Ou ainda podem ser vistos como assistentes e assistentes da humanidade de Cristo, cujo ministério é agora rejeitado como supérfluo ou impróprio; compare com a recusa das ‘doze legiões de anjos’ em Mateus 26:53. Esta possível referência à rejeição dos anjos talvez seja confirmada pela referência condenatória em 2:18 à adoração de anjos como parte da heresia colossense.

(3) O verbo pode, no entanto, significar estragar ou desarmar. Nesse caso, a referência primária não é a vitória pessoal de Cristo ou a vindicação de Sua supremacia, mas a derrota e destronamento dos poderes cósmicos. Aqui, novamente, surge a questão de saber se os poderes em vista são maus ou bons ou, pelo menos, ou na melhor das hipóteses, neutros. (a) A imagem do desarmamento dos espíritos hostis lembra a parábola ou profecia de nosso Senhor sobre o destino do homem forte (o senhor do mal) vencido pelo mais forte (o Senhor da justiça), que ‘tira dele toda a armadura em que confiou e repartiu os seus despojos’, Lucas 11:20-2. compare com talvez a profecia sobre o Servo do Senhor em Isaías 53:12, ele repartirá o despojo com o forte’. Dificuldade supérflua é criada por qualquer tentativa de definir a armadura, por exemplo, o arsenal de falsas sugestões, de medo ou dúvida, ou o sentimento de culpa – tudo verdade para a humanidade tentada, mas não para a humanidade tentada de Cristo. O ponto da metáfora está na derrota esmagadora, o completo aleijamento dos poderes do mal. Mas embora a suposição de espíritos malignos aqui dê um contraste vívido, por exemplo, ‘Aquele que é Rei de todas as ordens de anjos bons é aqui apresentado como Conquistador de sua contraparte maligna’, é uma suposição duvidosa. (b) O desarmamento seria verdadeiro no sentido de todos os poderes espirituais, tanto angélicos quanto demoníacos. Se os ataques demoníacos ameaçavam a paz da vida humana, os cultos angélicos ameaçavam a pureza da fé cristã. Bengel observa, “aqueles que adoravam anjos bons temiam anjos maus, em nenhum dos casos com razão”. A Cruz foi a resposta para ambos os erros. O poder da tirania demoníaca foi esmagado em impotência, as reivindicações de controle angelical reduzidas à nulidade, pela vitória da Cruz sobre o pecado e a morte. Se a pergunta for feita, como os anjos foram destronados e seu poder quebrado pela cruz, a resposta é em parte que a metáfora nem sempre ou completamente pode ser analisada em teologia, em parte que Paulo está confrontando aqui implicitamente, como nos próximos dois parágrafos (16). -19, 20-3) ele confronta expressamente, uma heresia eclética ou sincretista em que um novo legalismo ascético foi combinado com uma angelologia mística, e sua resposta a ambos é que o Evangelho da Cruz não foi meramente a revogação da antiga Lei e de qualquer ideia de mediação ou intervenção angélica conexa, mas também a condenação de qualquer ideia de sujeição à lei como instrumento de salvação ou aos anjos como objeto de devoção. A Cruz abriu o novo caminho da fé e fechou o antigo caminho das obras. Foi a revelação da graça gratuita de Deus, e assim aboliu não apenas a maldição de uma lei não cumprida (Gálatas 3:13), não apenas a clivagem de uma lei exclusiva entre judeus e gentios (Efésios 2:14, 16) , mas também a reivindicação obrigatória de quaisquer exigências particulares do moralismo jurídico (Efésios 2:15). Cristo é ‘o fim da lei para a justiça de todo aquele que crê’, Romanos 10:4, ou seja, em Cristo a lei como um princípio chega ao fim, e o caminho para a justiça está aberto à fé. Cristo é o fim da lei como a morte é o fim da vida’ (Gifford). Os dois paralelos se encontram na morte de Cristo. A Cruz é o fim e a destruição da velha ordem e a vitória e triunfo da nova.

publicamente os envergonhou. Aqui e em alguns manuscritos de Mateus 1:19 o verbo é o verbo simples que ocorre em papiros e inscrições no sentido de publicação, exposição ou exibição, sem qualquer ideia de vergonha. O verbo composto é usado em Heb. 6:6 de renegados ‘colocando o Filho de Deus em vitupério’, e em Mateus 1:19 da recusa de José ‘para fazer um exemplo público’ de sua noiva. A idéia aqui não é envergonhar os poderes vencidos, mas sua exibição para a segurança de suas vítimas. compare com a elevação da serpente de bronze em Números 21:9, e o cartaz’ de Cristo crucificado diante dos olhos dos Gálatas, Gálatas 3:1. Bengel à luz de Efésios 4:8 refere esta exibição dos vencidos à Ascensão; mas Paulo aqui está claramente pensando na Cruz como a cena do triunfo. Abertamente, (1) literalmente com liberdade de expressão’, sem reservas, e.g. Marcos 8:32, Atos 2:29; então aqui talvez (Alford) de Deus ‘declarando e revelando pela Cruz’ a supremacia de Cristo. Mas o contexto aponta mais para (2) ‘ousadamente’ ou ‘confiantemente’, que é o uso constante da palavra por Paulo, por exemplo, 2Coríntios 3:12, 7:4, Efésios 3:12, 6:19, Filipenses 1:20, Filemom 8, 1Timóteo 3:13, ou mais provavelmente (3) ‘abertamente’, ‘publicamente’, compare com João 7: 4, 9:54. Qualquer referência aqui à coragem ou confiança por parte de Cristo pareceria dar uma nota falsa. O objetivo da palavra é a publicidade da exibição para todo o mundo ver.

nela. (1) O pronome pode ser masculino. (a) Aqueles que tomam ‘Deus’ como ainda o sujeito da sentença traduzem nele, ou seja, em Cristo. Mas não há menção antecedente de Cristo nos versículos 13-14 a que ‘nele’ possa se referir. (b) A Vulgata tem em semitipso, o R.V. [King James, Versão Revisada] mg. em si mesmo (Cristo), compare com Tyndale ‘em sua awne persone’; mas isso acrescenta pouco ou nada à força da afirmação. (2) Se o pronome é neutro, (a) pode referir-se ao vínculo, sendo a ideia de que o destronamento dos poderes espirituais esteve envolvido na eliminação do vínculo; mas o pensamento do Apóstolo já se afastou muito do vínculo. (b) A referência mais óbvia é à Cruz. Orígenes diz que os manuscritos gregos antes dele tinham ‘na cruz’. ‘O paradoxo da Crucificação é assim colocado na luz mais forte, triunfo no desamparo e glória na vergonha. A forca do condenado é o carro do vencedor’ (Lightfoot). Compare com o verso ‘regnavit a ligno Deus’ no famoso hino de Fortunato, bispo de Poitiers no século VI, conhecido como Vexilla Regis, traduzido por J. M. Neale, ‘Deus reinou e triunfou da árvore’. ‘Da árvore’ é um glossário cristão que se infiltrou no texto da versão em latim antigo de Salmo 96:10. Os primeiros escritores cristãos interpretaram a passagem como uma profecia da vitória do Crucificado. Da Cruz’ pode ser uma nota de tempo, ‘de Sua crucificação em diante’, ou pode significar ‘da própria Cruz como Seu trono’. A mesma ideia é expressa em alguns crucifixos medievais que representam o Crucificado usando a coroa e o manto de um rei.

triunfou sobre eles. A única outra ocorrência do verbo grego no Novo Testamento é 2Coríntios 2:14, ‘graças a Deus que sempre nos conduz em triunfo em Cristo’, o R.V. [King James, Versão Revisada] A King James ‘nos faz triunfar’ dá uma impressão errada. O triunfo lá como aqui é do próprio Cristo. triunfo. (1) Com base em que a origem da palavra grega para triunfo, thriambos, deve ser procurada na história do drama grego, onde denota um hino cantado em homenagem a Dionísio, foi sugerido que mesmo aqui ela pode reter ou ecoar a nota de ação de graças, a alegria da vitória (M. Pope, Exp. Times, xxi. 1). (2) Em 2Coríntios 2:14 a palavra denota claramente liderar em Seu séquito triunfal, seja como antigos inimigos, agora cativos voluntários (por exemplo, o próprio Paulo, o perseguidor conquistado), ou como soldados servindo sob a Cruz, ou como cativos resgatados do inimigo derrotado, ou como amigos compartilhando o triunfo. (3) Na presente passagem, a figura de uma procissão triunfal é imprópria para a Cruz, porém apropriada para a Ascensão; mas a palavra denota claramente um triunfo distinto de uma vitória. Há três fases da glória do Cristo conquistador, (1) a vitória, o desarmamento do inimigo, (2) a evidência da vitória, a exibição do vencido, (3) a vindicação do vencedor, a subjugação dos vencidos. [Radford, aguardando revisão]

< Colossenses 2:14 Colossenses 2:16 >

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – janeiro de 2021.