Levítico 19:28

E não fareis cortes em vossa carne por um morto, nem imprimireis em vós sinal alguma: Eu sou o SENHOR.

Comentário de Robert Jamieson

não fareis cortes em vossa carne por um morto – A prática de fazer cortes profundos no rosto, nos braços e nas pernas, em tempo de luto, era universal entre os pagãos e era considerada uma marca de respeito pelos mortos bem como uma espécie de oferta propiciatória às divindades que presidiram a morte e a sepultura. Os judeus aprenderam esse costume no Egito e, embora tenham se retirado dele, recaíram em uma época posterior e degenerada, nessa antiga superstição (Isaías 15:2; Jeremias 16:6; 41:5).

nem imprimireis em vós sinal algum – tatuando, imprimindo figuras de flores, folhas, estrelas e outros dispositivos extravagantes em várias partes de sua pessoa. A impressão foi feita às vezes por meio de um ferro quente, às vezes por tinta ou tinta, como é feito pelas mulheres árabes dos dias atuais e pelas diferentes castas dos hindus. É provável que uma forte propensão para adotar tais marcas em honra de algum ídolo tenha dado ocasião à proibição neste verso; e eles foram sabiamente proibidos, pois eram sinais de apostasia; e, quando feitos uma vez, eram obstáculos insuperáveis ​​para um retorno. (Veja alusões à prática, Isaías 44:5; Apocalipse 13:17; 14:1). [JFB]

Comentário de Carl F. Keil

“Você não deve fazer cortes em sua carne (corpo) por causa de uma alma, ou seja, uma pessoa morta (נֶפֶשׁ = מֵת נֶפֶשׁ, Levítico 21:11; Números 6:6, ou מֵת, Deuteronômio 14:1; então novamente em Levítico 22:4; Números 5:2; Numeros 9:6-7, Números 9:10), nem fazer escritas gravadas (ou marcadas) em vocês mesmos”. Duas proibições de uma desfiguração não natural do corpo. A primeira refere-se às explosões de luto, comuns entre as nações ​​do Oriente, particularmente nas partes do sul, e ao costume de arranhar os braços, as mãos e o rosto (Deuteronômio 14:1), que se diz ter prevalecido entre os babilônios e armênios (Cyrop. 3:1, 13, 3:3, 67), os citas (Herod. 4, 71), e até mesmo os antigos romanos (compare com M. Geier de Ebraeor. luctu, c. 10 ), e ainda a ser praticada pelos árabes (Arvieux Beduinen, p. 153), pelos persas (Morier Zweite Reise, p. 189) e pelos abissínios dos dias atuais, e que aparentemente manteve seu terreno entre os israelitas, apesar do proibição (compare com Jeremias 16:6; Jeremias 41:5; Jeremias 47:5), – bem como ao costume, que também é proibido em Levítico 21:5 e Deuteronômio 14:1, de cortar o cabelo do cabeça e barba (compare com Isaías 3:24; Isaías 22:12; Levítico 1:16; Amós 8:10; Ezequiel 7:18). Não se pode inferir das palavras de Plutarco, citadas por Spencer, δοκοῦντες χαρίζεσθαι τοῖς τετελευκηκόσιν, que os pagãos associaram a esse costume a ideia de fazer uma expiação pelos mortos. A proibição de קַעֲקַע כְּתֹבֶת, scriptio estigmatis, escrita corroída ou marcada (ver Ges. thes. pp. 1207-8), ou seja, de tatuagem, – um costume não apenas muito comum entre as tribos selvagens, mas ainda encontrado na Arábia ( Arvieux Beduinen, p. 155; Burckhardt Beduinen, pp. 40, 41) e no Egito entre homens e mulheres de camadas mais baixas da sociedade (Lane, Manners and Customs i. pp. 25, 35, iii. p. 169), – não tinha referência a usos idólatras, mas pretendia inculcar nos israelitas uma reverência adequada pela criação de Deus. [Keil, aguardando revisão]

< Levítico 19:27 Levítico 19:29 >

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – janeiro de 2021.