Colossenses 1:18

E ele é a cabeça do corpo, da Igreja; ele é o princípio e o primogênito dentre os mortos, para que tenha a primazia entre todos.

Comentário A. R. Fausset

Revelação de Cristo para a Igreja e a nova criação, como o Originador de ambos.

ele – enfático. Não anjos em oposição à doutrina dos falsos mestres sobre a adoração de anjos, e o poder de Oeons ou emanações espirituais (imaginárias) de Deus (Colossenses 2:10,18).

cabeça do corpo, da Igreja – A Igreja é o Seu corpo em virtude de entrar em comunhão corporalmente com a natureza humana (Neander), (Efésios 1:22). O mesmo que é o Cabeça de todas as coisas e seres pela criação, é também, em virtude de ser “o primogênito dos mortos”, e assim “os primeiros frutos” da nova criação entre os homens, o Chefe da Igreja.

ele é – isto é, em que Ele é o começo (Alford). Pelo contrário, este é o começo de um novo parágrafo. Como o primeiro parágrafo, relacionado a Sua origem à criação física, começou com “Ele é” (Colossenses 1:15); então isso, que trata de Sua origem da nova criação, começa com “ele é”; um parêntese precedendo, que fecha o primeiro parágrafo, esse parêntese (ver em Colossenses 1:16), incluindo “todas as coisas foram criadas por Ele”, a “Cabeça do corpo, a Igreja”. A cabeça dos reis e dos sumos sacerdotes foi ungida, como a sede das faculdades, a fonte da dignidade e original de todos os membros (de acordo com a etimologia hebraica). Assim, Jesus por Sua unção foi designado como o Cabeça do corpo, a Igreja.

o princípio – a saber, da nova criação, como a antiga (Provérbios 8:22; Jo 1:1; compare Apocalipse 1:8): o começo da Igreja do primogênito (Hebreus 12:23), como sendo ele mesmo o “primogênito dos mortos” (Atos 26:23; 1Coríntios 15:20,23). A primogenitura de Cristo é tríplice: (1) Desde a eternidade o “primogênito” do Pai (Colossenses 1:15); (2) como o primogênito de sua mãe (Mateus 1:25); (3) Como a Cabeça da Igreja, misticamente gerada pelo Pai, como se fosse para uma nova vida, no dia da Sua ressurreição, que é a Sua “regeneração”, assim como a ressurreição da vinda do Seu povo será a sua ” regeneração” (isto é, a ressurreição que foi iniciada na alma, estendida ao corpo e a toda a criação, Romanos 8:21-22) (Mateus 19:28; Atos 13:33; Apocalipse 1:5 ). A filiação e a ressurreição estão similarmente conectadas (Lucas 20:36; Romanos 1:48:23; 1João 3:2). Cristo ressuscitando dentre os mortos é a causa eficiente (1Coríntios 15:22), como tendo obtido o poder, e a causa exemplar, como sendo o padrão (Miqueias 2:13; Romanos 6:5; Filipenses 3:21), da nossa ressurreição: a ressurreição da “cabeça” envolve consequentemente a dos membros.

para que tenha a primazia – o grego: “Ele mesmo pode (assim) tornar-se aquele que ocupa o primeiro lugar, “ou”, tomar a precedência. Ambas as idéias são incluídas, prioridade no tempo e prioridade na dignidade: agora no mundo regenerado, como antes no mundo da criação (Colossenses 1:15). “Gerado antes de toda criatura, ou” primogênito de toda criatura” (Salmo 89:27; Jo 3:13).

entre todos – Ele resume as “todas as coisas” (Colossenses 1:20). [JFB]

Comentário de L. B. Radford

E ele é a cabeça do corpo. Essa transição da criação natural para a espiritual (2Coríntios 5:17), da relação de Cristo com Deus e com o mundo para Sua relação com a Igreja, é descrita por Teodoreto como uma transição da teologia para a oikonomia’, ou seja, do eterno natureza e existência do Filho à Sua missão e revelação históricas. A introdução da ideia de uma nova e distinta supremacia é marcada pela repetição do pronome enfático ‘ele mesmo’ e da palavra-chave ‘primogênito’.

ele mesmo, ou seja, ou (1) Ele também em adição à Sua liderança no mundo natural, ou (2) em Sua própria pessoa, não por qualquer representante ou representante angelical – talvez, em vista de 2:19, não retendo firmemente o Cabeça’, um olhar sobre a heresia que interpolava os anjos como intermediários entre a Cabeça e os membros do Corpo.

ele é o princípio. O relativo dá a razão da liderança, ‘na medida em que Ele é’. A palavra grega usada aqui para começo tem dois significados, ambos combinados aqui. (1) Significa a primeira etapa de um processo, a primeira parcela de um produto, por ex. Septuaginta Gênesis 49:3, Dt. 21:17, onde o primogênito é chamado de ‘o princípio de seus filhos’. Cristo foi as primícias (Gregoaparche) dos mortos ressuscitados, 1Coríntios 15:20, 23. Mas Sua ressurreição não foi apenas o primeiro de muitos levantamentos para uma vida nova e imortal; foi a abertura do caminho da ressurreição para a humanidade. (2) O segundo significado de arche é, portanto, apropriado aqui, se não indispensável, em outras palavras, a causa originária, por exemplo. Prov. 8:22, onde a Sabedoria é descrita como o início dos caminhos de Deus na criação. compare com Atos 3:15, ‘o príncipe da vida’ (Grego archegos, ou seja, pioneiro ou líder, o autor R.V. [King James, Versão Revisada] marg.), e Heb. 2:10, ‘o autor de sua salvação’ (Grego archegos, King James and the R.V. [King James, Versão Revisada] marg. capitão), em ambas as passagens a referência é à ressurreição de Cristo. compare com João 14:19, ‘porque eu vivo, vós também vivereis’. Cristo é a causa viva da nova criação espiritual, bem como da velha criação natural, com a diferença de que, enquanto a vida do universo é devido à Sua ação e influência, a vida da Igreja é devido à Sua comunicação de Sua própria vida ao homem. Cristo partilha a vida que dá à Igreja.

o primogênito dentre os mortos. Compare com Atos 26:23. Em Apocalipse 1:5 a frase é ‘o primogênito dos mortos’. A frase anterior denota a transição da morte para a vida; o último a sucessão de todos os que passam por essa transição. A mesma variação ocorre com a palavra ressurreição; é ‘ressurreição dos mortos’ em Filipenses 3:11, 1Pedro 1:3; ‘a ressurreição dos mortos’ em Romanos 1:4, 1Coríntios 15:12, 13, 21, 42, Heb. 6:2. Comentaristas antigos observam que o termo primogênito é estritamente verdadeiro para Cristo; Lázaro e outros ressuscitaram apenas para morrer novamente; ‘Cristo ressuscitado dos mortos não morre mais’, Romanos 6:9. Pode haver em ‘primogênito’ aqui uma referência a Salmo 2:7, ‘tu és meu filho, hoje te gerei’, que Paulo em Antioquia interpretou da ressurreição, Atos 13:33.

para que tenha a primazia, mais uma vez o pronome enfático, ‘Ele e nenhum outro’, ou ‘Ele novamente nas coisas espirituais, bem como nas coisas naturais’. O tempo também é significativo, literalmente ‘pode se tornar proeminente’. A liderança de Cristo no universo é a expressão de Sua eterna Divindade (versículo 17); Sua liderança da Igreja foi o resultado de Sua manifestação histórica, a Encarnação e a Paixão que culminou na Ressurreição. Esta última conexão de idéias ocorre novamente em Filipenses 2:9-11, onde a exaltação divina do Cristo ressuscitado e ascendido e a homenagem do mundo ao nome de Jesus são a continuação e recompensa da condescendência da Encarnação. compare com Apocalipse 1:5, onde o título ‘primogênito dos mortos’ é combinado com o título ‘o governante dos reis da terra’. “A Ressurreição trouxe consigo um senhorio potencial sobre toda a humanidade (Romanos 14:9), não apenas sobre a Igreja’ (Swete em Apocalipse 1:5).

entre todos. Grego em todos (plural), não (1) masculino, inter omnes (Beza), o R.V. [King James, Versão Revisada] marg. entre todos, ou seja, todos os poderes, terrestres e celestes, mas (2) neutros, ou seja, tanto no universo quanto na Igreja, tanto como o Filho preexistente quanto como o Cristo encarnado; ou talvez, ‘em todos os aspectos’.

Dr. Burney (Journ. Theol. Stud. xxvii. pp. 160 e segs.) propõe uma teoria engenhosa da origem da explicação de Paulo da preeminência de Cristo no universo, natural e espiritual. Ele considera Colossenses 1:15-18 como uma exposição elaborada dos vários significados possíveis da palavra bereshith, ‘no princípio’, no texto hebraico de Gênesis 1:1. Três explicações são dadas para a preposição be; em seguida, quatro explicações do reshith substantivo: e a conclusão é que em todos os sentidos possíveis da expressão, Cristo é seu Cumpridor. Ele encontra a chave para Gênesis 1:1. ‘no princípio criou Deus os céus e a terra’, em Prov. 8:22 ss, onde a Sabedoria (ou seja, Cristo) é chamada reshith, o início dos caminhos de Deus na criação. O argumento é colocado em forma de tabela para maior clareza:

Bereshith = in reshith: ‘nele foram criadas todas as coisas’.
Bereshith = por reshith: ‘todas as coisas foram criadas por meio dele’.
Bereshith = em reshith: ‘todas as coisas foram criadas para ele’.
Reshith = começo: ‘ele é antes de todas as coisas’.
Reshith = soma total: ‘nEle todas as coisas consistem’.
Reshith = cabeça: ‘ele é a cabeça do corpo’.
Reshith = primícias: ‘quem é o princípio, o primogênito dentre os mortos.

Conclusão: Cristo cumpre todo significado que pode ser extraído de Reshith, para que em todas as coisas ele tenha a preeminência’.
O espaço proíbe um exame detalhado dessa teoria. Deve ser suficiente aqui dizer que, embora lance uma enxurrada de luz sobre a riqueza de significado latente na palavra bereshith e na profunda simplicidade da declaração inicial de Gênesis, é duvidoso que Paulo tenha visto todo esse significado na palavra e sua contexto, e ainda mais duvidoso se ele pensaria em torná-lo a estrutura de um parágrafo em uma epístola que não contém nenhuma citação do Antigo Testamento e talvez nenhuma reminiscência da linguagem do Antigo Testamento. A teoria pode lançar luz sobre o significado da linguagem de Paulo neste parágrafo; mas isso não justifica a leitura dessas coincidências de volta à mente de Paulo. [Radford, aguardando revisão]

< Colossenses 1:17 Colossenses 1:19 >

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – janeiro de 2021.