Colossenses 1:20

e, havendo por ele feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, tanto as que estão na terra, como as que estão nos céus.

Comentário A. R. Fausset

A ordem grega é: “E através Dele (Cristo) reconciliar completamente (ver em Efésios 2:16) todas as coisas (grego, ‘o universo inteiro das coisas’) para Si mesmo (para Deus Pai, 2Coríntios 5:19 ), tendo feito a paz (Deus o Pai tendo feito a paz) através do sangue da sua cruz (de Cristo), isto é, derramado por Cristo na cruz: o preço e penhor da nossa reconciliação com Deus. A frase da Escritura, “Deus reconcilia o homem para si mesmo”, implica que Ele retira pelo sangue de Jesus a barreira que a justiça de Deus interpõe contra o homem estar em união com Deus (compare notas em Romanos 5:10; 2Coríntios 5:18). Assim, a Septuaginta, 1Samuel 29:4, “com que coisa ele se reconciliaria com seu senhor”, isto é, reconciliar seu mestre para ele, aplacando sua ira. Então Mateus 5:23-24.

por ele – “através Dele” (o agente instrumental na nova criação, como na criação original): enfaticamente repetida, para trazer proeminência a pessoa de Cristo, como o Chefe de ambas as criações.

coisasna terranos céus – Bons anjos, em certo sentido, não precisam de reconciliação com Deus; anjos caídos são excluídos dela (Juízes 1:6). Mas provavelmente a redenção tem efeitos no mundo dos espíritos desconhecidos para nós. É claro que nos reconciliar e reconciliá-los deve ser por um processo diferente, pois não aceitou a natureza dos anjos, para oferecer propiciação por eles. Mas o efeito da redenção sobre eles, como Ele é a sua Cabeça, assim como a nossa, é que eles são aproximados de Deus, e assim ganham um aumento da benção (Alford), e visões maiores do amor e sabedoria de Deus (Efésios 3:10). Toda criação subsiste em Cristo, toda a criação é, portanto, afetada por Sua propiciação: a criação pecaminosa é estritamente “reconciliada” por sua inimizade; criação sem pecado, comparativamente distante de Sua pureza inacessível (Jó 4:1815:1525:5), é levada a uma participação mais próxima dEle, e nesse sentido mais amplo é reconciliada. Sem dúvida, também, a queda do homem, após a queda de Satanás, é um segmento de um círculo maior do mal, de modo que o remédio do primeiro afeta a posição dos anjos, dentre os quais Satanás e seu exército caíram. Os anjos, assim tendo visto a magnitude do pecado, e o custo infinito da redenção, e a exclusão dos anjos caídos dela, e a incapacidade de qualquer criatura de permanecer moralmente em sua própria força, são agora colocados além do alcance da queda. Assim, a definição de Bacon da liderança de Cristo é válida: “O chefe da redenção ao homem; o chefe de preservação para os anjos”. Algumas conjeturas sugerem que Satanás, quando não caído, governou esta terra e o reino animal pré-Adâmico: daí a sua malícia contra o homem que sucedeu ao senhorio desta terra e dos seus animais, e daí, também, a sua assunção da forma de uma serpente, a mais sutil dos animais. Lucas 19:38 declara expressamente “paz no céu” como o resultado da redenção final, como “paz na terra” foi o resultado de seu início no nascimento de Jesus (Lucas 2:14). Bengel explica que a reconciliação não é apenas Deus, mas também anjos, afastados dos homens por causa da inimizade do homem contra Deus. Efésios 1:10 concorda com isso: isso é verdade, mas apenas parte da verdade: assim, a visão de Alford também é apenas parte da verdade. Uma reconciliação real ou restauração da paz no céu, assim como na terra, é expressa por Paulo. Enquanto aquele sangue de reconciliação não foi realmente derramado, o qual é oposto (Zacarias 3:8-9) às acusações de Satanás, mas foi somente em promessa, Satanás poderia defender seu direito contra os homens diante de Deus dia e noite (Jó 1:6; Apocalipse 12:10); daí ele estava no céu até que a proibição do homem foi quebrada (compare Lucas 10:18). Então aqui; o mundo da terra e do céu deve a Cristo somente a restauração da harmonia após o conflito e a subjugação de todas as coisas sob uma única cabeça (compare Hebreus 11:23). O pecado introduziu discórdia não apenas na terra, mas também no céu, pela queda de demônios; trouxe para as moradas dos santos anjos, embora não seja uma perda positiva, mas privativa, um retardamento de seu mais elevado e mais perfeito desenvolvimento, gradação harmoniosa e perfeita consumação. Os anjos não eram mais capazes do que os homens de superar os perturbadores da paz e expulsavam os demônios; é somente “por” ou “através Dele” e “o sangue de SUA cruz”, que a paz foi restaurada até no céu; é somente depois que Cristo obteve a vitória completa e legalmente, que Miguel (Apocalipse 12:7-10) e seus anjos podem expulsar do céu Satanás e seus demônios (compare com Colossenses 2:15). Assim, o argumento de Paulo contra a adoração dos anjos é que os próprios anjos, como os homens, dependem totalmente de Cristo, o único e verdadeiro objeto de adoração (Auberlen). [JFB]

Comentário de L. B. Radford

havendo por ele feito a paz, ou seja, fazendo as pazes ou fazendo as pazes com isso. A paz e a reconciliação não são exatamente idênticas. Se a reconciliação é a restauração de um universo discordante à harmonia, a paz feita pela Cruz é o primeiro passo nessa restauração; o homem em paz com Deus é ao mesmo tempo uma parcela e um instrumento do processo de pacificação de um mundo. Se a reconciliação é o retorno do homem a Deus, então a paz pode ser o resultado da reconciliação, ou sua condição precedente; pode significar que o homem só pode estar em paz com Deus quando foi reconquistado para Deus por um ato de amor divino, ou que o homem deve conhecer a paz do perdão antes de poder encontrar o caminho de volta para Deus. Há três coisas a serem observadas em relação a essa paz e reconciliação. (1) A primeira é a alternância entre Cristo e Deus. Em Atos 10:36 é Deus quem é considerado como ‘pregando a paz por meio de Jesus Cristo’; em Efésios 2:17 é Cristo que ‘veio e pregava a paz’, e em Efésios 2:14, 15 é Cristo que é descrito como ‘nossa paz’ ​​e como ‘fazendo a paz’. Da mesma forma, em Efésios 2:16 é Cristo que reconcilia judeus e gentios em um corpo com Deus, enquanto em 2Coríntios 5:18 é Deus quem reconcilia o homem consigo mesmo por meio de Cristo, compare com 5:19, ‘Deus estava em Cristo reconciliando o mundo para Si mesmo’, onde as duas visões estão unidas. (2) Aqui, embora a reconciliação de todas as coisas inclua todo o universo, a reconciliação dos colossenses como gentios típicos é reconciliação com Deus. Em Efésios 2:11 ss, embora a reconciliação dos gentios com Deus esteja em mente o tempo todo, o pensamento principal é que eles estão compartilhando essa reconciliação com os judeus, judeus e gentios encontrando paz juntos na abolição da lei que os separava um ao outro enquanto separava ambos de Deus. Essa diferença na visão da reconciliação corresponde a uma diferença no ponto de vista. Em Colossenses é a supremacia de Cristo que é a ideia principal, em Efésios é a unidade da Igreja. O pensamento central em Colossenses é a vida da Cabeça, em Efésios a vida do Corpo. (3) Acentuou-se o fato de que no Novo Testamento os homens são representados como sendo reconciliados com Deus, não Deus com os homens; e, portanto, grave objeção foi feita à declaração no segundo dos XXXIX Artigos de que Cristo morreu ‘para reconciliar Seu Pai conosco’. Mas mesmo fora do termo ‘propiciação’ (Romanos 3:25, 1João 2:2, 4:10), que implica a remoção de alguma barreira que bloqueia o livre fluxo do amor de Deus, a satisfação de alguma demanda inerente à natureza do Deus, a própria linguagem em que Deus é aqui descrito como reconciliando e fazendo a paz por meio de Cristo aponta na mesma direção. O homem precisava de reconciliação com Deus, mas não conseguia se reconciliar. Deus deve tomar a iniciativa, remover a barreira e fazer o apelo. E a linguagem desta e de outras passagens dá maior ênfase à remoção de uma barreira do que ao fazer um apelo. A barreira era dupla: a impenitência do homem, o antagonismo de Deus ao pecado. A paz implica a eliminação das dificuldades de ambos os lados. A cruz foi, em primeiro lugar, um ato de obediência a Deus, e somente em segundo lugar, uma abertura de apelo ao homem. A objeção ética à idéia da morte de Cristo ter um propósito e valor expiatório desaparece à luz da unidade entre Pai e Filho e a origem da expiação no amor de Deus pelo mundo; foi a própria mão de Deus que removeu a barreira.

pelo sangue da sua cruz. O sangue de Cristo tem um lugar de destaque em todos os três tipos de ensino sobre a expiação, em outras palavras, Paulo, o provavelmente escritor alexandrino de Hebreus, e os escritos atribuídos a João ou à escola de Éfeso. Westcott (Epístolas de João, pp. 34 e segs.) insiste que o sangue de Cristo, o cumprimento do ensinamento típico dos sacrifícios da lei, representa a vida de Cristo, dada a Deus em sacrifício pelo homem e liberta pela morte para comunhão perfeita com Deus e serviço eficaz para o homem. Em outras palavras, não se refere apenas à Paixão, mas a toda a atividade redentora do Filho de Deus – à vida de Cristo dada a Deus pelo homem e dada novamente de Deus ao homem. Esta interpretação mais ampla do sangue sagrado é corroborada pela variedade das conexões em que é mencionado no Novo Testamento. É o meio da propiciação provido por Deus, Romanos 3:25; da nossa justificação, Romanos 5:9; da nossa redenção, ou seja, o perdão dos pecados, Efésios 1:7; 1 Pedro 1:19; Apocalipse 1:5, o R.V. [King James, Versão Revisada]; da nossa purificação do pecado, Heb. 9:14; 1 João 1:7; Apocalipse 1:5, o R.V. [King James, Versão Revisada]; da nossa santificação, Heb. 10:29, 13:12; da compra’ da Igreja para Deus, Atos 20:28; Apocalipse 5:9; da aproximação dos gentios alienados perto de Deus, Efésios 2:13. Algumas dessas bênçãos não são frutos imediatos, mas subsequentes da Cruz; são os resultados da operação do amor redentor do Cristo vivo. Mas são os frutos e resultados de uma vida que deu frutos porque morreu por Deus e pelo homem.

[através dele, eu digo]. A repetição de ‘através dele’ (não há nada no grego correspondente a ‘eu digo’), que é omitida por algumas autoridades textuais aparentemente como supérflua, tem um significado e propósito definidos. Evidentemente, pretende-se enfatizar a seguinte declaração de que a vida angélica, assim como a humana, tanto o mundo celestial quanto o terrestre, deve sua redenção ao próprio Cristo e somente a Cristo.

por meio dele reconciliasse consigo mesmo todas as coisas. ‘Através dele’ evidentemente se refere a Cristo. Assim como o Filho pré-encarnado foi o agente do Pai na criação do mundo natural, o universo (versículo 16), o Filho encarnado é o agente do Pai na criação do novo mundo espiritual, a Igreja. A palavra grega usada para reconciliar aqui e em 1:22 e Efésios 2:16 é um composto do verbo simples traduzido ‘reconciliar’ em Romanos 5:10, 2Coríntios 5:18-20. O verbo composto denota reconciliação completa ou restauração de um estado presente para um estado anterior ou para um estado ideal originalmente pretendido, mas ainda não alcançado. Um substantivo composto semelhante ocorre em Atos 3:21, ‘a restauração de todas as coisas’. O significado desta reconciliação não é muito claro. (1) À luz das referências à reconciliação em Romanos e 2Coríntios, parece aqui também significar a reconciliação da humanidade alienada com Deus. Nesse caso, a reconciliação dos Colossenses nos versículos 21 e 22 é apresentada como um exemplo particular da operação dessa reconciliação. (2) Em vista da ampla gama contemplada em ‘todas as coisas, sejam as coisas da terra ou as coisas nos céus’, a reconciliação foi interpretada não apenas como a expiação do pecado humano, mas como a reunião de todo o universo desintegrado em subordinação a Cristo, a restauração de um mundo desordenado à sua unidade pretendida sob a liderança de Cristo – a ele’ no texto grego referindo-se neste caso não a Deus, mas a Cristo, compare com ‘criado para ele’ no versículo 16. Em nesse caso, a transição para a experiência dos Colossenses nos versículos 21, 22 pode ser declarada assim: ‘esta reconciliação mundial não é um sonho distante, uma esperança piedosa, sem qualquer influência em sua vida; no que diz respeito à humanidade, ela já está operando, e nessa operação você já compartilhou.’

tanto as que estão na terra, como as que estão nos céus. Em vista dos neutros e da união da terra e do céu, parece claro que todas as coisas não podem ser limitadas à Igreja nem aos homens (com ou sem referência especial aos pagãos) nem ainda aos seres inteligentes em geral” (Abbott), mas deve referir-se a todo o universo. Compare com Romanos 8:19-22, onde a criação como um todo é descrita como tendo sido ‘sujeita à vaidade’ e esperando ser ‘libertada da escravidão da corrupção’. Tem sido questionado se essa redenção do fracasso e da decadência pode ser descrita como uma reconciliação com Deus. Mas esta redenção é trazer a criação ‘para a liberdade da glória dos filhos de Deus’ (Romanos 8:21). O mundo da natureza é compartilhar da liberdade da humanidade redimida e transformada, ou seja, é ser trazida para uma correspondência mais próxima ao propósito de Deus. Não é bem verdade que “reconciliação implica inimizade que não pode ser atribuída a coisas irracionais e sem vida” (Abbott). Seu significado depende do contexto, e aqui pode significar a harmonização da discórdia, a remediação da desordem, no mundo natural. “Esta restauração da natureza universal pode ser subjetiva, como implicada nas percepções alteradas do homem assim postas em harmonia com Deus” (Lightfoot), ou pode ser objetiva, ou seja, o próprio homem, uma vez restaurado à harmonia com Deus, pode ser capaz de trazer as forças da natureza para uma subserviência mais eficaz ao propósito beneficente de Deus. É verdade que descobertas e invenções úteis foram feitas por mentes ‘pagãs’ em busca da verdade, tanto nos tempos antigos quanto nos modernos. séculos na utilização das forças naturais para o bem-estar da humanidade parece estar de alguma forma ligado ao reverente espírito de pesquisa que é um dos frutos do reconhecimento do Senhorio de Cristo. homens o horror do mau uso das forças naturais para propósitos destrutivos, e os faz ansiar por mais do Espírito de Cristo para voltar as mesmas forças para usos construtivos e benéficos, de acordo com a mente de um Deus que é Ame. Isso seria uma real reconciliação do mundo da natureza com Deus. compare com também a profecia da pacificação da criação bruta em Isaías 11 esp. 9, ‘não farão mal nem destruirão em todo o meu santo monte, o conhecimento do Senhor’ trará paz entre o homem e o animal e entre o homem e o homem. [Radford, aguardando revisão]

< Colossenses 1:19 Colossenses 1:21 >

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – janeiro de 2021.