Bíblia, Revisar

Ezequiel 45

1 E quando repartirdes por sortes a terra em herança, proporcionareis uma oferta ao SENHOR: um lugar santo na terra; o comprimento será de vinte e cinco mil canas, e a largura de dez mil; este será santificado em todo o seu contorno ao redor.

Ez 45: 1-25. Loteamento da terra para o santuário, a cidade e o príncipe.

oferecer uma oblação – de uma raiz hebraica para “levantar” ou “levantar”; quando algo foi oferecido a Deus, o ofertante levantou a mão. A divisão territorial especial das tribos é dada nos capítulos quarenta e sétimo e quadragésimo oitavo. Somente a porção de Jeová está aqui subdividida em suas três partes:

(1) que para o santuário (Ez 45:2-3);

(2) que para os sacerdotes (Ez 45:4);

(3) que para os levitas (Ez 45:5).

Compare com Ez 48:8-13.

vinte e cinco mil canas – Assim, a versão inglesa preenche corretamente as reticências (compare Note, ver em Ez 42:16). Por isso, “côvados” são mencionados em Ez 45:2, não aqui, implicando que apenas côvados são entendidos. Tomando cada junco a doze pés, a área do todo seria um quadrado de sessenta milhas de cada lado. O conjunto formando uma praça indica a estabilidade da comunidade e a harmonia de todas as classes. “Uma porção sagrada da terra” (Ez 45:1) compreendia todo o comprimento e apenas dois quintos da largura. O território exterior em sua distribuição se harmoniza com os arranjos internos e mais sagrados do santuário. Nenhum espaço deve ser dado para a opressão (veja Ez 45:8), todos tendo ampla provisão para seus desejos e confortos. Todos cooperarão mutuamente sem restrição ou contenção.

2 Deste terreno serão para o santuário quinhentas canas de comprimento, e quinhentas de largura, em quadrado ao redor; terá cinquenta côvados ao redor para seus espaços abertos.
3 E desta medida medirás o comprimento de vinte e cinco mil côvados ,e a largura de dez mil; e ali estará o santuário, e o lugar santíssimo.
4 Este será o lugar santo da terra. Eles será para os sacerdotes que trabalham no santuário, que se achegam para servir ao SENHOR; e lhes servirá de lugar para casas, e de lugar santo para o santuário.
5 E os levitas trabalhadores do templo terão como propriedade uma área de vinte e cinco mil côvados de comprimento, e dez mil de largura, com vinte câmaras.
6 E para propriedade da cidade dareis cinco mil canas de largura e vinte e cinco mil de comprimento, em frente da oferta para o santuário; esta será para toda a casa de Israel.
7 E o príncipe terá sua parte de um lado e do outro da oferta ao santuário e da propriedade da cidade, diante da oferta para o santuário, e diante da propriedade da cidade, desde o canto ocidental para o ocidente, e desde o canto oriental para o oriente; e será o comprimento, em frente de uma das partes, desde o limite ocidental até o limite oriental.

A posse do príncipe consistirá de duas metades, uma no oeste e outra no leste, do território sagrado. O príncipe, como chefe da comunidade sagrada, está em conexão mais próxima com o santuário; sua possessão, portanto, de ambos os lados deve se juntar àquela que era peculiarmente a do senhor [Fairbairn].

8 Esta terra será sua propriedade em Israel, e meus príncipes nunca mais oprimirão a meu povo; ao invés disso entregarão a terra para a casa de Israel, conforme suas tribos.
9 Assim diz o Senhor DEUS: Já basta, ó príncipes de Israel! Acabai a violência e a assolação; fazei juízo e justiça; tirai vossas imposições de meu povo, diz o Senhor DEUS.
10 Tereis balanças justas, efa justo, e bato justo.
11 O efa e o bato serão de uma mesma medida; que o bato contenha a décima parte de um ômer, e o efa a décima parte de um ômer; a medida deles será conforme o ômer.
12 E o siclo será de vinte geras: vinte siclos, mais vinte e cinco siclos, mais quinze siclos, vos serão uma mina.

Os pesos padrão foram perdidos quando os caldeus destruíram o templo. A tripla enumeração de shekels (vinte, vinte e cinco, quinze) provavelmente se refere a moedas de valor diferente, representando respectivamente tantos siclos, os três coletivamente constituindo um “maneh). Pesando estes juntos contra o maneh, um teste foi se eles tiveram seu peso adequado: sessenta shekels em) todos, contendo uma moeda um quarto do todo (quinze shekels), outro um terço (vinte shekels), outro um terço e um décimo segundo (vinte e cinco shekels) [Menochius ]. A Septuaginta diz: “cinquenta shekels serão sua juba”.

13 Esta será a oferta que oferecereis: a sexta parte de um efa de ômer do trigo; também dareis a sexta parte de um efa de ômer da cevada.

Nestas oblações há uma progressão quanto à relação entre o tipo e a quantidade: do milho, o sexto de um décimo, isto é, uma sexagésima parte da quantidade especificada; do azeite, o décimo de um décimo, isto é, a centésima parte; e do rebanho, um de cada duzentos.

14 E quanto ao estatuto do azeite, oferecereis um bato de azeite, (o bato que é a décima parte de um coro, que é um ômer de dez batos; porque dez batos são um ômer).
15 E uma cordeira de cada duzentas do rebanho, da terra mais regada de Israel, para oferta de alimento, para holocausto e para oferta de gratidão, a fim de fazer expiação por eles, diz o Senhor DEUS.
16 Todo o povo desta terra terá que dar esta oferta para o príncipe de Israel.
17 E o príncipe terá que dar os holocaustos, as ofertas de alimento, e as ofertas de bebidas, nas solenidades, nas luas novas, nos sábados, e em todas as festas da casa de Israel; ele fará a expiação pelo pecado, a oferta de alimento, o holocausto, e as ofertas de gratidão, para fazer expiação pela casa de Israel.
18 Assim diz o Senhor DEUS: Ao primeiro mês , ao primeiro dia do mês, tomarás um bezerro sem defeito filho de vaca, e purificarás o santuário.

O ano é começar com um serviço de consagração, não mencionado sob a lei levítica; mas um penhor é dado na festa de dedicação do segundo templo, que celebrava sua purificação por Judas Macabeu, depois de sua impureza por Antíoco.

19 E o sacerdote tomará do sangue do sacrifício pela expiação, e porá dele sobre os umbrais da casa, e sobre as quatro pontas da aresta do altar, e sobre os umbrais da porta do pátio interno.
20 Assim também farás no sétimo dia do mês pelos que pecaram sem intenção ou por ignorância; assim expiarás a casa.

para ele que é simples – por pecados de ignorância (Lv 4:2,13,27).

21 No primeiro mês , aos catorze dias do mês, tereis a páscoa, festa de sete dias; será comido pão sem fermento.

Como nova solenidade, a festa da consagração é preparar a Páscoa; então a Páscoa em si é ter sacrifícios diferentes daqueles da lei mosaica. Em vez de um carneiro e sete cordeiros para o holocausto diário, haverá sete novilhos e sete carneiros. Assim também, enquanto a festa dos tabernáculos tinha suas próprias oferendas, que diminuíam conforme os dias da festa avançavam, aqui os mesmos são designados como na páscoa. Assim, está implícito que a letra da lei é dar lugar ao seu espírito, aqueles ritos exteriores do judaísmo não têm eficácia intrínseca, mas simbolizam as verdades espirituais do reino do Messias, como por exemplo a santidade perfeita que é caracterizá-lo. . Compare 1Co 5:7-8, quanto à nossa “Páscoa” espiritual, na qual, na ceia do Senhor, nos alimentamos de Cristo pela fé, acompanhados com “os pães ázimos da sinceridade e verdade”. as ordenanças, embora não estejam servilmente ligadas à letra da lei, estabelecerão as verdades católicas e eternas do reino do Messias.

22 E no mesmo dia o príncipe preparará por si e por todo o povo desta terra um bezerro de expiação pelo pecado.
23 E nos sete dias da festa ele preparará um holocausto ao SENHOR: sete bezerros e sete carneiros sem defeito, cada dia dos sete dias; e um bode como expiação pelo pecado a cada dia.
24 Também preparará uma oferta de alimento: um efa para cada bezerro, e um efa para cada carneiro; e um him de azeite para cada efa.
25 No sétimo mês , aos quinze dias do mês, na festa, ele fará o mesmo todos os sete dias, quanto ao sacrifício pela expiação, ao holocausto, à oferta de alimento, e ao azeite.
<Ezequiel 44 Ezequiel 46>

Leia também uma introdução ao Livro de Ezequiel.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.