Bíblia, Revisar

Ezequiel 30

Mensagem importante
Olá visitante do Apologeta! Vou direto ao ponto: peço que você me ajude a manter este projeto. Atualmente a renda gerada através dos anúncios são insuficientes para que eu me dedique exclusivamente a ele. Se cada pessoa que ler essa mensagem hoje, doar o valor de R$10.00, eu poderia me dedicar integralmente ao Apologeta pelo próximo ano e ainda remover todas as propagandas do site (que eu sei que são um pouco incômodas). Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade. O que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Faça parte deste projeto e o ajude a continuar crescendo. Obrigado!
1 E veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo:

Ez 30: 1-26. Continuação das profecias contra o Egito.

Duas mensagens distintas:

(1) Em Ez 30:1-19, uma repetição de Ez 29:1-16, com detalhes mais completos de distinção natural. A data provavelmente não é muito depois daquela mencionada em Ez 29:17, na véspera da marcha de Nabucodonosor contra o Egito depois de subjugar Tiro.

(2) Uma visão relacionada diretamente ao faraó e à derrubada de seu reino; comunicado em uma data anterior, o sétimo do primeiro mês do décimo primeiro ano. Nem um ano depois da data em Ez 29:1 e três meses antes da tomada de Jerusalém por Nabucodonosor.

2 Filho do homem, profetiza, e dize: Assim diz o Senhor DEUS: Gritai: Ai daquele dia!

Ai vale a pena o dia! – isto é, Ai do dia!

3 Porque perto está o dia, perto está o dia do Senhor; dia de nuvens; será o tempo das nações.

o tempo das nações – a saber, para se vingar deles. O julgamento sobre o Egito é o início de um julgamento mundial sobre todos os inimigos pagãos de Deus (Jl 1:15; 2:1-2; 3:1-21; Ob 1:15).

4 E a espada virá ao Egito, e haverá grande dor em Cuxe, quando caírem os mortos no Egito; e tomarão sua multidão, e serão destruídos seus fundamentos.

dor – literalmente, “dores de tremor como de uma mulher no parto”.

5 Cuxe, Pute, Lude, e todo o povo misturado, e Cube, e os filhos da terra do pacto cairão com eles à espada.

o povo misturado – as tropas mercenárias do Egito de várias terras, principalmente do interior da África (compare Ez 27:10; Jr 25:20,24; 46:9,21).

Cube – o povo chamado Kufa nos monumentos [Havernick], um povo consideravelmente ao norte da Palestina [Wilkinson]; Coba ou Chobat, uma cidade da Mauritânia (Maurer)

os filhos da terra do pacto – uma expressão definida demais para significar meramente “homens em aliança” com o Egito; antes, “filhos da terra do pacto”, isto é, os judeus que migraram para o Egito e levaram Jeremias com eles (Jr 42:1 à 44:30). Mesmo eles não devem escapar (Jr 42:22; 44:14).

6 Assim diz o SENHOR: Também cairão os que sustentam ao Egito, e a soberba de sua força irá abaixo; desde Migdol e Sevene cairão nele à espada, diz o Senhor DEUS.

da torre de Syene – (ver Ez 29:10).

7 E serão assolados no meio das terras assoladas, e suas cidades estarão no meio das cidades desertas.

países … desolados – o Egito não será melhor do que eles (Ez 29:10).

8 E saberão que eu sou o SENHOR, quando puser fogo ao Egito, e forem destruídos todos os que o ajudavam.
9 Naquele dia sairão de diante de mim mensageiros em navios, para espantarem a confiante Cuxe, e haverá grandes dores neles, como no dia do Egito; porque eis que está vindo.

em navios para… etíopes – (Is 18:1-2). As cataratas que se interpõem entre elas e o Egito não devem salvá-las. Egípcios “fugindo de diante de Mim” em Minha execução de julgamento, como “mensageiros” em “esquifes” (“vasos de juncos”, Is 18:2) subirão o Nilo até onde navegáveis, para anunciar o avanço dos caldeus .

como no dia do Egito – O dia da “dor” da Etiópia virá em breve, quando o dia do Egito chegar.

10 Assim diz o Senhor DEUS: Farei cessar a multidão do Egito pela mão de Nabucodonosor, rei da Babilônia.

a multidão – a grande população.

11 Ele, e com ele seu povo, os mais terríveis das nações, serão trazidos para destruir a terra; e desembainharão suas espadas contra o Egito, e encherão a terra de mortos.
12 E secarei os rios, entregarei a terra em mãos de malignos, e destruirei a terra e tudo o que ela contém pela mão de estrangeiros; eu, o SENHOR falei.

rios – os canais artificiais feitos do Nilo para irrigação. O secar destes causaria escassez de grãos, e assim preparar o caminho para os invasores (Is 19:5-10).

13 Assim diz o Senhor DEUS: Também destruirei aos ídolos, e darei fim às imagens idolátricas de Mênfis; não haverá mais príncipe da terra do Egito, e porei medo na terra do Egito.

Noph – Memphis, a capital do Médio Egito, e a fortaleza de “ídolos”. Embora não exista registro de Nabucodonosor “destruindo” estes, sabemos de Heródoto e outros, que Cambises tomou Pelusium, a chave do Egito, colocando antes de seus cães do exército, gatos, etc, todos considerados sagrados no Egito, de modo que nenhum egípcio usaria qualquer arma contra eles. Ele matou Apis, o boi sagrado, e queimou outros ídolos do Egito.

não haverá mais príncipe – referindo-se à anarquia que prevaleceu nas guerras civis entre Apries e Amasis na época da invasão de Nabucodonosor. Não haverá mais um príncipe da terra do Egito, que governará toda a terra; ou nenhum príncipe independente.

14 E desolarei a Patros, porei fogo a Zoã, e farei juízos em Nô.

Patros – Alto Egito, com “Não” ou Tebas, sua capital (famosa por seus estupendos edifícios, dos quais restam grandes ruínas), em antítese a Zoã ou Tanis, uma cidade-chefe no Baixo Egito, dentro do Delta.

15 E derramarei minha ira sobre Pelúsio, a fortaleza do Egito, e exterminarei a multidão de Nô.

O pecado – isto é, Pelusium, a fortaleza fronteiriça no nordeste, portanto, chamou “a força (isto é, a chave) do Egito”. Está na antítese de Não ou Tebas no extremo oposto do Egito; isto é, afligirei o Egito de um lado para o outro.

16 E porei fogo ao Egito; Pelúsio terá grande dor, Nô será destroçada, e Mênfis terá angústias contínuas.

angústias contínuas – Maurer traduz “inimigos durante o dia”, isto é, inimigos abertos que não esperam que o esconderijo da noite faça seus ataques (compare Jr 6:4; 15:8). No entanto, o hebraico, embora raramente, às vezes é apresentado (veja Sl 13:2) como na versão em inglês.

17 Os rapazes de Áven e de Pibesete cairão à espada; e elas irão em cativeiro.

Áven – que significa “vaidade” ou “iniquidade”: aplicada, por uma ligeira mudança do nome hebraico, para On ou Heliópolis, em alusão à sua idolatria. Ali estava o templo do sol, de onde era chamado em hebraico, Bete-Semes (Jr 43:13). Os hieróglifos egípcios chamam isso de Revelação de Athom, o sol, o pai dos deuses, sendo representado em Athom ou em Adão, o pai da humanidade.

Pibesete  – isto é, Bubastis, no Baixo Egito, perto do ramo pelusíaco do Nilo: notório pelo culto da deusa do mesmo nome (copta, pasht), as pedras de granito de cujo templo ainda atestam sua antiga magnificência.

essas cidades – sim, como a Septuaginta, “as mulheres”, ou seja, de Aven e Pi-Beseth, em antítese aos “jovens”. Assim, em Ez 30:18, “as filhas irão para o cativeiro” (Maurer)

18 E em Tafnes o dia se escurecerá, quando eu quebrar ali o jugo do Egito, e nela cessar a soberba de sua força; uma nuvem a cobrirá, e suas filhas irão em cativeiro.

Tefnes – chamado da rainha do Egito mencionado em 1Rs 11:19. O mesmo que Daphne, perto de Pelusium, uma residência real dos faraós (Jr 43:7,9). Chamado Hanes (Is 30:4).

quebrar … os jugos do Egito – isto é, a supremacia tirânica que ela exerceu sobre outras nações. Compare “bandas do seu jugo” (Ez 34:7).

uma nuvem – ou seja, de calamidade.

19 Pois farei julgamentos no Egito, e saberão que eu sou o SENHOR.
20 E sucedeu no décimo primeiro ano, no primeiro mês , aos sete do mês, que veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo:

Aqui começa a visão anterior, não muito tempo depois, no vigésimo nono capítulo, cerca de três meses antes da tomada de Jerusalém, quanto ao Faraó e seu reino.

21 Filho do homem, quebrei o braço de Faraó, rei do Egito; e eis que não será enfaixado com remédios, nem lhe porão faixa para o envolver, a fim de curá-lo para que possa segurar espada.

braço de Faraó – (Sl 37:17; Jr 48:25). Referindo-se à derrota que Faraó-Hofra recebeu dos caldeus, quando tentava levantar o cerco de Jerusalém (Jr 37:5,7); e anterior à privação de Faraó-Neco de todas as suas conquistas do rio do Egito ao Eufrates (2Rs 24:7; Jr 46:2); também ao desastre egípcio em Cirene.

22 Portanto, assim diz o Senhor DEUS: Eis que sou contra Faraó, rei do Egito, e quebrarei seus braços, tanto o forte como o quebrado; e farei cair a espada de sua mão.

braços – Não apenas o “braço” já quebrado (Ez 30:21) não deveria ser curado, mas os outros dois deveriam ser quebrados. Não é uma ferida corporal, mas a quebra do poder do faraó é intencional.

porque … a espada cair de … mão – privá-lo dos recursos de fazer guerra.

23 E espalharei os egípcios entre as nações, e os dispersarei pelas terras.
24 E fortalecerei os braços do rei da Babilônia, e porei minha espada em sua mão; porém quebrarei os braços de Faraó, e diante dele gemerá com gemidos de ferido de morte.
25 Fortalecerei, pois, os braços do rei de Babilônia, enquanto que os braços de Faraó cairão; e saberão que eu sou o SENHOR, quando eu tiver posto minha espada na mão do rei da Babilônia, e ele a estender sobre a terra do Egito.
26 E espalharei os egípcios entre as nações, e os dispersarei pelas terras; assim saberão que eu sou o SENHOR.
<Ezequiel 29 Ezequiel 31>

Leia também uma introdução ao Livro de Ezequiel.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

Conteúdos recomendados